Hotel Barão de Tefé | Diário do Porto

Hotel Barão de Tefé

O Hotel Barão de Tefé tem uma fachada imponente, que domina o cenário do largo em que está localizado, a Praça Jornal do Comércio. O nome da praça é uma homenagem ao Jornal do Commercio. Era o jornal mais antigo em circulação na América Latina quando encerrou suas atividades, vencido pela crise econômica, em 29 de abril de 2016.

Compartilhe essa notícia:


Fotos: reprodução internet

O Hotel Barão de Tefé tem uma fachada imponente, que domina o cenário do largo em que está localizado, a Praça Jornal do Comércio. O nome da praça é uma homenagem ao Jornal do Commercio. Era o jornal mais antigo em circulação na América Latina quando encerrou suas atividades, vencido pela crise econômica, em 29 de abril de 2016.

No coração da região do porto, o Hotel Barão de Tefé está a 750 metros da estação de metrô Presidente Vargas, região do centro histórico e comercial do Rio de Janeiro. Caminhada ainda mais curta leva o turista à Orla Conde para um passeio à beira da Baía de Guanabara. A estação Parada dos Navios, do VLT, fica a 450 metros do Hotel Barão de Tefé. É a mais usada pelos turistas que desembarcam dos cruzeiros.

Conhecida também como Boulevard Olímpico, a Orla Conde é exclusiva para pedestres e concentra as principais novidades do Porto Maravilha, além de tradicionais atrações turísticas do centro. Estão por ali o AquaRio, o mural Etnias, o Museu do Amanhã e o M.A.R., entre muitas outras atrações.

A 15 minutos de carro, em média, do Aeroporto Santos Dumont (4,7 quilômetros), o Hotel Barão de Tefé serve café da manhã no restaurante local. Oferece Wi-Fi gratuito e acomodações com ar-condicionado e serviço de quarto. No Hotel Barão de Tefé, os quartos têm decoração simples, todos com TV e banheiro privativo com chuveiro.

O hotel já recebeu políticos e artistas na Belle Époque carioca. O prédio é tão antigo e carente de restauração que pode parecer abandonado, mas está tudo funcionando. E a torcida por sua restauração é tão grande que, de vez em quando, aparece um boato de que ele foi comprado e se tornará mais uma âncora de empreendedorismo na região. Uma das lendas urbanas é de que ele teria sido comprado pelo empresário Eike Batista.

Praticamente em frente ao hotel, onde antigamente chegava o mar, está o Cais do Valongo, que recentemente tornou-se patrimônio da Humanidade. No século XVIII, a Avenida Barão de Tefé era chamada de Rua do Valongo. O nome “Valongo” era abreviação de “Vale Longo”, servindo para o Cais e para a a Avenida.

Com o fim da escravidão, a via foi rebatizada Rua da Imperatriz, em referência a Teresa Cristina, que se casou com o imperador Dom Pedro II. Ao chegar no Brasil, em 1843, ela desembarcou no Cais do Valongo. Para a chegada da imperatriz, a avenida foi reformada pelo francês Auguste Grandjean Montigny, professor da Academia Imperial de Belas Artes. O nome Barão de Tefé, herói da Marinha do Brasil, foi dado à avenida após a Batalha do Riachuelo, na Guerra do Paraguai (1864-1870), na qual ele se destacou.

  • Wi-Fi gratuito
  • Café da manhã gratuito
  • Ar condicionado
  • Permite animais de estimação
  • Serviço de quarto