Praça Mauá

A Praça Mauá é uma das principais praças da cidade do Rio de Janeiro, localizada no bairro do Centro. Possui área de cerca de 25 mil m² e marca o início da avenida Rio Branco e do Boulevard Olímpico. Foi revitalizada em obra do projeto do Porto Maravilha, e em seu entorno há importantes construções como o Museu de Arte do Rio (MAR), o Museu do Amanhã, o Arsenal da Marinha e o terminal marítimo de passageiros do Pier Mauá.

Feira Rio Antigo (Lavradio)

A Feira Rio Antigo, conhecida como Feira do Lavradio, já se tornou um programa cativo do carioca. Todo primeiro sábado do mês, à partir das 10h, as barraquinhas tomam conta da Rua do Lavradio, entre as avenidas Mem de Sá e Visconde do Rio Branco. Exposição de roupas, sapatos, artesanato, obras de arte, antiguidade etc. Acha-se de tudo na feirinha!

Paço Imperial

É, sem dúvida, o prédio mais importante da História do Brasil. E um dos mais bonitos também. Residência oficial do governador e do vice-rei no século XVIII, foi o centro político e social do Brasil Colônia, do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves e do Império do Brasil.

Foi no Paço Imperial que Pedro, então príncipe regente, anunciou o “Fico”, recusando-se a obedecer a ordem da família para voltar para Portugal e acelerando o processo da Independência do Brasil. Também foi no Paço Imperial que a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea. A oficialização da Independência foi assinada ali pelo primeiro imperador, Dom Pedro I. O Paço Imperial seguiu então como o coração do Império até seu fim, em 1889.

Igreja da Candelária

Palco de casamentos da alta sociedade carioca, a Igreja da Candelária – ou, para ser mais exato, Igreja de Nossa Senhora da Candelária – é o templo religioso mais imponente da cidade e ponto aglutinador para as maiores manifestações políticas da atualidade, como ocorreu no movimento pelas Diretas Já, ao fim do regime militar, em 1984; nas pressões pelo impeachment do presidente Fernando Collor de Mello, em 1992; e, mais recentemente, nos protestos generalizados de 2013.

Orla Conde

Os 3,5 quilômetros da Orla Prefeito Luiz Paulo Conde foram abertos para receber visitantes do mundo inteiro nos Jogos Olímpicos de 2016, os primeiros realizados na América do Sul. A obra marcou o reencontro entre a cidade e o mar, antes dramaticamente separados pelo Viaduto da Perimetral.

Museu Histórico Nacional

O Museu Histórico Nacional é o mais importante museu de História do Brasil por suas dimensões e principalmente pela variedade de seu acervo permanente. Fica na antiga Ponta do Calabouço, onde os portugueses construíram a Fortaleza de Santiago, em 1603. O prédio só deixou de ser unidade militar em 1908, quando o Arsenal de Guerra foi transferido para o bairro do Caju.

Espaço Cultural da Marinha

A criançada adora o programa, mas os adultos também têm muito a ver e aprender no Espaço Cultural da Marinha. Logo na entrada deste túnel do tempo, a Galeota D. João VI leva você a 1808, o ano mais importante da história do Rio de Janeiro. Fugindo de Napoleão Bonaparte, a Família Real desembarcou por aqui, fazendo do Rio de Janeiro a sede do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. A partir daquele ano, tudo seria diferente.

Casa França-Brasil

O que não falta é história à Casa França-Brasil, que funciona no edifício encomendado em 1819 por D. João VI ao arquiteto francês Grandjean de Montigny. É o primeiro registro do estilo neoclássico no Rio, tendência que daria às casas coloniais da cidade um tom mais cosmopolita, à moda europeia.

Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

O CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) é o centro cultural mais visitado da cidade e um dos mais importantes de todo o Brasil, campeão de exposições célebres e também de simpatia. Ocupa o histórico prédio de linhas neoclássicas no número 66 da Rua Primeiro de Março, bem em frente à Igreja da Candelária.

Inaugurado como sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro, em 1906, o prédio belíssimo abrigou o pregão da Bolsa de Fundos Públicos e tornou-se emblemático no mundo financeiro nacional como sede do Banco do Brasil até 1960.

Píer Mauá

O Pier Mauá tem aberto seus armazéns para grandes eventos, além de também ser o Terminal Internacional de Cruzeiros. Iniciou suas atividades em 1998, quando assumiu a Estação Marítima de Passageiros do Porto do Rio de Janeiro, principal porta de entrada do turismo internacional no país. Ao longo desses anos vem batendo recordes na atividade de cruzeiros.

Jardim Suspenso do Valongo e Cais do Valongo

O Jardim Suspenso do Valongo é uma construção paisagística na encosta oeste do Morro da Conceição. Data de 1906, uma encomenda do prefeito Pereira Passos ao arquiteto-paisagista Luis Rey nos moldes dos parques franceses do século XIX. Bem mais antigo é o Cais do Valongo, a 200 metros, Patrimônio Histórico da Humanidade desde julho de 2017 como vestígio material da chegada dos escravos africanos às Américas. 

Pedra do Sal

A Pedra do Sal é um dos pontos mais simpáticos da área conhecida como Pequena África. Este berço do samba carioca se tornou um paraíso de quem gosta de misturar história com cerveja, juventude, samba e agito noturno.

Fica no Largo João da Baiana, coração do bairro da Saúde, onde duas rodas de samba se apresentam às segundas e sextas ao ar livre, a menos que chova muito. Com a revitalização do Porto Maravilha, passou a diversificar a programação: black music, passinho de charme etc, tudo de graça e ao ar livre.

Ilha Fiscal, a do Último Baile

Você já deve ter ouvido falar do cenário do “último baile do Império”, que aconteceu às vésperas da Proclamação da República, em 1889. Foi no castelinho verde em estilo gótico que chama a atenção ao fim do longo pier em L que sai da Ilha das Cobras, acessível pela Orla Conde. A Ilha Fiscal e todo esse trajeto são espaços militares. Portanto, fique de olho nos detalhes da organização do passeio para não ser barrado no baile.

Mosteiro de São Bento

O Convento foi fundado em 1590 por monges beneditinos no topo de uma colina da qual é possível apreciar o Centro e o Porto Maravilha. A visita é restrita à Igreja Nossa Senhora de Montserrat, anexa ao Mosteiro de São Bento. Impressionam o portão em ferro art nouveau e os altares em jacarandá cobertos por ouro. É lugar de paz e meditação.

AquaRio

Não é conversa fiada. A dica aqui é levar a sério o horário marcado no seu bilhete. Há duas formas de evitar o risco de perder a vez no AquaRio. Uma é sair de casa bem mais cedo para dar uma margem ao imprevisível trânsito carioca. Outra é pegar o charmoso VLT, que tem o AquaRio entre as principais atrações de seu percurso no Porto Maravilha. E bota atração nisso. Inaugurado em novembro de 2016, o xodó dos cariocas e turistas na Gambôa recebeu seu visitante número 1 milhão em julho de 2017. O maior aquário da América do Sul superou todas as expectativas.

Museu de Arte do Rio (MAR)

O Museu de Arte do Rio (MAR) é aquele irresistível par de prédios diferentes – o Palacete Dom João VI, tombado e eclético, e um antigo terminal rodoviário em estilo modernista – unidos por uma gigantesca praça-passarela em formato de ondas sobre os terraços, projeto do escritório Bernardes + Jacobsen. O edifício antigo abriga as exposições de um dos museus mais charmosos e diversificados do país, com mais de 6.000 itens. Na construção mais nova funciona a Escola do Olhar, ambiente para produção e provocação de experiências, coletivas e pessoais, com foco na formação de educadores.

Museu do Amanhã

Mais visitado do Brasil, o Museu do Amanhã é bem diferente dos outros, não só pelo formato improvável. Ele é mais amanhã do que museu. A bromélia monumental de Calatrava abriga ideias, explorações e perguntas sobre o imponderável e sobre o que podemos fazer pela espécie e o planeta. Fala do manejo de átomos, microrganismos artificiais, alterações climáticas, dimensões artísticas e culturais que envolvem nossas escolhas para os próximos 50 anos. É museu militante da ciência e da inovação.