Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

O Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica é uma referência na difusão da arte contemporânea brasileira. Conheça o espaço de exposições, palestras e cursos

Centro Cultural Candido Mendes

Conheça o centro cultural ligado à Universidade Cândido Mendes, que desde a década de 70 abriga duas galerias de arte, dois teatros e um cinema

Teatro Glauce Rocha

O tradicional Teatro Glauce Rocha tem uma localização privilegiada na Avenida Rio Branco, vizinho da boêmia Cinelândia e da Lapa

Teatro Sesc Ginástico

Em 2002, o SESC Rio começou a reforma do Teatro Ginástico. Depois de três anos em obras, o antigo teatro português, inaugurado em 1938, reabriu suas portas com um novo nome: Teatro Sesc Ginástico

Espaço Cultural BNDES

O Espaço Cultural BNDES existe desde 1985, com o objetivo de fomentar a produção artística nacional e democratizar o acesso à cultura

Centro Cultural Pequena África

O Centro Cultural Pequena África é uma ONG com o objetivo de pesquisar, resgatar, e difundir a história da Pequena África, na Região Portuária do Rio de Janeiro

Rio Scenarium

Bar, restaurante e casa de shows, o Rio Scenarium foi eleito um dos dez melhores bares do mundo pelo jornal britânico “The Guardian”, em 2006

Espaço Acústica

O Espaço Acústica é a opção certa para quem busca lazer de qualidade, no Centro da cidade. O Espaço possui três ambientes, incluindo um confortável terraço com uma maravilhosa vista para a Praça Tiradentes

Teatro Odisséia

Uma das maiores casas da Lapa, o Teatro Odisséia é palco de shows, espetáculos teatrais, exposições, cineclubes, festas e eventos exclusivos

Centro Cultural da Justiça Federal

O Centro Cultural Justiça Federal é um espaço reconhecido por incentivar e garantir o acesso da população às diversas formas de expressão cultural

Museu Nacional de Belas Artes

Atualmente o MNBA conta com um acervo de mais de 70 mil itens, entre pinturas, esculturas, gravuras, desenhos, livros raros e documentos históricos.

Caixa Cultural

A CAIXA Cultural já se tornou referência de espaço cultural na cidade do Rio de Janeiro. Inaugurada em 2006, abriga em seus mais de 6.000m² um teatro de arena, dois cinemas, quatro galerias de arte, além de salas de oficinas e ensaios.

Sala Cecília Meireles

A Sala Cecília Meireles é uma das casas de concerto mais tradicionais do Brasil. Foi inaugurada em 1965 como parte das comemorações do IV centenário do Rio. Após isso, se tornou um importante espaço de difusão da música de concerto. No coração da Lapa, o espaço pertence à Secretaria de Estado de Cultura. O edifício […]

Teatro Rival

O Teatro Rival é um tradicional teatro situado no Centro da cidade do Rio de Janeiro. Inaugurado em 1934, vem recebendo os maiores expoentes do teatro e do cenário musical brasileiro, com uma programação que respeita a diversidade cultural.

Teatro Municipal Carlos Gomes

O Teatro Carlos Gomes é mais um dos tradicionais do país. Recebeu este nome em homenagem ao maior compositor de ópera brasileiro, Antônio Carlos Gomes

Theatro Municipal

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro é uma das principais casas de espetáculo do Brasil e da América Latina e exerce um grande papel na cultura da cidade e do país. Ao longo de mais de um século desde sua abertura, vem recebendo importantes artistas, orquestras e companhias de ballet do mundo inteiro, assim como os principais nomes brasileiros da música e dança.

Teatro João Caetano

O teatro João Caetano, na Praça Tiradentes, é a casa de espetáculos mais antiga do Rio de Janeiro, inaugurado em 13 de outubro de 1813, por Dom João VI.

Museu da Escravidão e da Liberdade

O Museu da Escravidão e da Liberdade é uma homenagem à história afro-descendente do Rio de Janeiro e do Brasil. Um projeto da secretaria municipal de cultura da cidade, o M.E.L. – sigla em alusão a um derivado da cana-de-açúcar (melado) muito presente na alimentação dos escravos nos engenhos, busca memorizar o passado do Rio como um dos maiores portos de escravos no mundo, além de detalhar os elementos da cultura afro-brasileira após a emancipação, inclusive o samba e outras expressões.

Palácio Tiradentes (Alerj)

Desde os tempos do Brasil Colônia, o local onde está hoje o Palácio Tiradentes é um sítio histórico que guarda um grande pedaço da memória política do Brasil. O primeiro edifício ali construído, inaugurado em 1640, ainda no Brasil Colônia, abrigava os três vereadores, eleitos por voto indireto para um mandato de um ano, que cuidavam da cidade e das suas finanças.

Cine Odeon – Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro

O Cine Odeon é uma sala de cinema localizada no centro do Rio de Janeiro. Com quase cem anos desde sua inauguração, o espaço agora recebe o nome de Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro e não está mais limitado apenas a exibição de filmes, mas também aberto a espetáculos, cursos, palestras, entre outros. Atualmente, é sede do Festival do Rio, do Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro e do Anima Mundi.

Fundição Progresso

A Fundição Progresso é um centro cultural autossustentável, casa de shows e escola de modelo singular, onde se produz e se exibe arte para cerca de 800 mil pessoas anualmente.

Circo Voador

O Circo Voador teve seu primeiro endereço na praia do Arpoador. Em janeiro de 1982, sua lona azul e branca foi levantada pela primeira vez. Fruto do anseio de uma enorme onda de artistas carentes de espaço para atingir o grande público, o Circo foi a grande alavanca para muitos grupos hoje consagrados.

Armazém da Utopia

Casa da Companhia Ensaio Aberto, desde 2010, o Armazém da Utopia é um espaço de arquitetura singular, marcada pela estrutura original em aço e pelas paredes de tijolo aparente, preserva a memória do seu passado portuário. Local de eventos culturais variados, o Armazém já recebeu mais de 300 mil visitantes desde que passou a ser gerido pela companhia teatral.

Palácio Itamaraty – Museu Histórico e Diplomático

No interior do Palácio Itamaraty, na Rua Marechal Floriano 196, o Museu Histórico e Diplomático (MHD) reúne um belo acervo sobre a história diplomática do Brasil. Em seus amplos salões, caracterizados como uma residência no século XIX, há obras de arte, mobiliário de época e objetos decorativos.

Galpão Gamboa

Em 2006, o produtor Fernando Libonati e o ator Marco Nanini procuravam um espaço onde pudessem ter liberdade para os ensaios de suas produções. Acabaram encontrando e reformando um galpão na Zona Portuária do Rio,  numa época em que a região ainda nem sonhava com a revitalização. O Galpão Gamboa passou então a oferecer programação cultural com peças de teatro e espetáculos de dança e música, além de oficinas de artes cênicas, artes marciais e dança.

Galpão Aplauso

O Galpão Aplauso promove capacitação e inserção no mercado de trabalho. Seu público-alvo é formado por jovens com baixa escolaridade e sem formação profissional. Mais de 11 mil, com idades entre 15 e 29 anos, já participaram de oficinas profissionalizantes para a indústria de infraestrutura e serviços. Atividades complementares como teatro, dança, música, artes plásticas, aulas de circo, reforço de português e matemática e a disciplina de Valores e Virtudes totalizam a formação dos jovens. 

Mangueira

É tão querida, ultrapassa tanto as fronteiras do carnaval carioca que ganhou o status de nação. A Nação Verde-e-Rosa é uma das escolas de samba mais premiadas da história, construída e venerada por ídolos eternos da música brasileira. O maior deles é Cartola, marido de Dona Zica da Mangueira. É forte a influência das tradições, crenças, batuques e cantos de nações africanas nos muitos campeonatos da Nação.

Império Serrano

O Império Serrano teve origem no Morro da Serrinha, vertente oeste da Serra da Misericórdia, entre os bairros de Madureira e Vaz Lobo. A região foi povoada, no início do século XX, por moradores expulsos do centro da cidade e ex-escravos. Os habitantes da localidade cultivaram tradições populares como os blocos carnavalescos familiares e as rodas de samba e de jongo. Diferente de outros logradouros onde o jongo deixou de ser praticado, na Serrinha a tradição foi mantida, com a criação da ONG Jongo da Serrinha e da Casa do Jongo.

União Da Ilha

Durante o carnaval de 1953, os amigos Maurício Gazelle, Orphilo Bastos e Joaquim Lara de Oliveira, decidiram fundar uma escola de samba que pudesse disputar os concorridos prêmios do carnaval da Ilha do Governador. O que eles não poderiam imaginar é que um simples grupo de amantes de samba e futebol estaria dando o pontapé inicial de uma das escolas mais queridas do carnaval carioca, a União da Ilha do Governador.

Sá Cabral Art Gallery

É um restaurante com ótimo almoço, ao mesmo tempo que uma galeria de arte. O Sá Cabral Art Gallery está instalado em uma construção de 1913, com decoração caprichada, realçando o valor histórico e cultural do local. A casa é um espetáculo para quem curte os detalhes e valoriza um bom ambiente durante a refeição.

Paço Imperial

É, sem dúvida, o prédio mais importante da História do Brasil. E um dos mais bonitos também. Residência oficial do governador e do vice-rei no século XVIII, foi o centro político e social do Brasil Colônia, do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves e do Império do Brasil.

Foi no Paço Imperial que Pedro, então príncipe regente, anunciou o “Fico”, recusando-se a obedecer a ordem da família para voltar para Portugal e acelerando o processo da Independência do Brasil. Também foi no Paço Imperial que a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea. A oficialização da Independência foi assinada ali pelo primeiro imperador, Dom Pedro I. O Paço Imperial seguiu então como o coração do Império até seu fim, em 1889.

Paraíso do Tuiuti

O desfile de 2018 surpreendeu o Sambódromo. Depois de ter ficado na última posição em 2017, a Paraíso do Tuiuti chegou ao vice-campeonato, chegando a brigar pela liderança. Foi o melhor resultado na história da agremiação.

Museu Histórico Nacional

O Museu Histórico Nacional é o mais importante museu de História do Brasil por suas dimensões e principalmente pela variedade de seu acervo permanente. Fica na antiga Ponta do Calabouço, onde os portugueses construíram a Fortaleza de Santiago, em 1603. O prédio só deixou de ser unidade militar em 1908, quando o Arsenal de Guerra foi transferido para o bairro do Caju.

Espaço Cultural da Marinha

A criançada adora o programa, mas os adultos também têm muito a ver e aprender no Espaço Cultural da Marinha. Logo na entrada deste túnel do tempo, a Galeota D. João VI leva você a 1808, o ano mais importante da história do Rio de Janeiro. Fugindo de Napoleão Bonaparte, a Família Real desembarcou por aqui, fazendo do Rio de Janeiro a sede do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. A partir daquele ano, tudo seria diferente.

Centro Cultural dos Correios

Desde 1993 o Centro Cultural Correios sedia eventos de teatro, vídeo, música, artes plásticas, cinema e outras atividades. Fica ao lado do CCBB e da Casa França-Brasil, bem na Orla Conde. A entrada é franca.

Casa França-Brasil

O que não falta é história à Casa França-Brasil, que funciona no edifício encomendado em 1819 por D. João VI ao arquiteto francês Grandjean de Montigny. É o primeiro registro do estilo neoclássico no Rio, tendência que daria às casas coloniais da cidade um tom mais cosmopolita, à moda europeia.

Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

O CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) é o centro cultural mais visitado da cidade e um dos mais importantes de todo o Brasil, campeão de exposições célebres e também de simpatia. Ocupa o histórico prédio de linhas neoclássicas no número 66 da Rua Primeiro de Março, bem em frente à Igreja da Candelária.

Inaugurado como sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro, em 1906, o prédio belíssimo abrigou o pregão da Bolsa de Fundos Públicos e tornou-se emblemático no mundo financeiro nacional como sede do Banco do Brasil até 1960.

Píer Mauá

O Pier Mauá tem aberto seus armazéns para grandes eventos, além de também ser o Terminal Internacional de Cruzeiros. Iniciou suas atividades em 1998, quando assumiu a Estação Marítima de Passageiros do Porto do Rio de Janeiro, principal porta de entrada do turismo internacional no país. Ao longo desses anos vem batendo recordes na atividade de cruzeiros.

Mississippi Delta Blues Bar RJ

O Mississippi Delta Blues Bar remete o frequentador aos ‘juke joints’ do sudoeste dos Estados Unidos. São pequenos e charmosos bares de beira de estrada, onde  blues e southern rock costumam ser as principais atrações. Geralmente têm música, dança, jogos e bebidas e são operados sobretudo por afro-americanos. Muitos historiadores apontam os juke joints como responsáveis pelo surgimento do blues.

The Week

A The Week, a boate gay mais badalada do Rio, é sucesso absoluto desde 2007. Vinda de São Paulo, a boate fica em um casarão antigo no coração do Porto Maravilha, bem na Rua Sacadura Cabral pertinho do Trapiche Gamboa.

Trapiche Gamboa

Um casarão charmoso e centenário, ambiente animado e acolhedor. Um lugar descontraído e sofisticado, onde o samba é de raiz. Localizado no coração da Região Portuária, bem no berço real do samba carioca, onde viveram Pixinguinha e João da Baiana, o Trapiche Gamboa é uma das casas mais procuradas da cidade por quem gosta de samba de verdade. Fica entre três ícones da região: a Pedra do Sal, a Ladeira do Valongo e o Largo da Prainha.

Fábrica Bhering

O colosso de estética estrutural, com concreto e ferro, abriga cerca de 50 profissionais criativos de diversas áreas, de ateliês fotográficos e de artistas plásticos a escritórios de design e arquitetura, oficinas de movelaria, estúdios, grifes descoladas, brechós e até um bistrô.

Centro Cultural José Bonifácio

O palacete centenário, em estilo renascentista, que chama a atenção de quem passa pela Rua Pedro Ernesto, abriga centro cultural criado preservar a memória afro-brasileira no país. Faz parte do Circuito da Pequena África. Há biblioteca, oficinas, cursos, exposições e teatro, entre outras atrações.

Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos

O Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos – Museu Memorial fica no Sítio Arqueológico Cemitério dos Pretos Novos, na Zona Portuária – ou Porto Maravilha. Os nomes compridos batizam o pequeno e emocionante cemitério de escravos que funcionou entre as últimas décadas do século XVIII e as primeiras do XIX.

Museu de Arte do Rio (MAR)

O Museu de Arte do Rio (MAR) é aquele irresistível par de prédios diferentes – o Palacete Dom João VI, tombado e eclético, e um antigo terminal rodoviário em estilo modernista – unidos por uma gigantesca praça-passarela em formato de ondas sobre os terraços, projeto do escritório Bernardes + Jacobsen. O edifício antigo abriga as exposições de um dos museus mais charmosos e diversificados do país, com mais de 6.000 itens. Na construção mais nova funciona a Escola do Olhar, ambiente para produção e provocação de experiências, coletivas e pessoais, com foco na formação de educadores.

Museu do Amanhã

Mais visitado do Brasil, o Museu do Amanhã é bem diferente dos outros, não só pelo formato improvável. Ele é mais amanhã do que museu. A bromélia monumental de Calatrava abriga ideias, explorações e perguntas sobre o imponderável e sobre o que podemos fazer pela espécie e o planeta. Fala do manejo de átomos, microrganismos artificiais, alterações climáticas, dimensões artísticas e culturais que envolvem nossas escolhas para os próximos 50 anos. É museu militante da ciência e da inovação.

São Clemente

Nenhum esporte mobiliza tanto os brasileiros quanto o futebol. A explicação esta na facilidade de se praticar, até com laranjas a população jogava e se divertia. Foi dessa forma que o esporte se popularizou, criando a convicção de que o Brasil joga “o melhor futebol do mundo”, graças à ginga, e a valorização do drible, o que o diferencia dos demais países. Acompanhando o interesse pelo esporte, no ano de 1951, jovens do bairro de Botafogo, participavam de uma equipe nas cores azul e branca chamada São Clemente Futebol Clube, em homenagem a rua que moravam.