Beija-Flor, a dona da rua e estrela do Sambódromo | Diário do Porto

Beija-Flor, a dona da rua e estrela do Sambódromo

Com 14 campeonatos, atrás de Portela e Mangueira, a Beija-Flor consolidou Joãosinho Trinta como um dos maiores carnavalescos da história

Baterista da Beija Flor: luxo para lavar a alma em 2020 (David Normando/Riotur)

Compartilhe essa notícia:


Com 14 campeonatos já conquistados, a Beija-Flor de Nilópolis foi a última a se apresentar em 2020 no  sambódromo, e sob uma pressão grande. O enredo “Se essa rua fosse minha” contou a história de caminhos percorridos pela humanidade até chegar à Marquês de Sapucaí, rua mais importante do carnaval.

A maior campeã do Sambódromo conseguiu chegar em quarto lugar e deixar para trás o decepcionante 11º lugar do ano anterior. O carnavalesco Alexandre Louzada assinou com Cid Carvalho o enredo ambicioso e grandioso.

Com muito luxo, como gostava seu maior carnavalesco, Joãosinho Trinta, cores fortes, brilho e muita garra, a escola de Nilópolis, na Baixada Fluminense, narrou a história da humanidade, desde a Era Glacial até os dias de hoje.

 

A Beija Flor é a maior campeã da sapucaí Foto: Gabriel Santos Riotur


A Beija-Flor de Nilópolis nasceu nas comemorações do Natal de 1948. Um grupo formado por Milton de Oliveira (Negão da Cuíca), Edson Vieira Rodrigues (Edinho do Ferro Velho), Helles Ferreira da Silva, Mário Silva, Walter da Silva, Hamilton Floriano e José Fernandes da Silva resolveu formar um bloco que, por sugestão de D. Eulália de Oliveira, mãe de Milton, recebeu o nome de Beija-Flor. Foi inspirado no Rancho Beija-Flor, que existia em Marquês de Valença.

Em 1953, o Bloco Associação Carnavalesca Beija-Flor, vitorioso no bairro, foi inscrito por Silvestre David do Santos (Cabana), integrante da ala dos compositores, como escola de samba, na Confederação das Escolas de Samba, para o desfile oficial de 1954, no 2º grupo. No seu primeiro desfile, em 1954, foi campeã e passou para o Grupo I, no qual permaneceu até 1963. Depois de um período de altos e baixos, em 1974 retornou ao Grupo I, resultado do bom trabalho desenvolvido por Nelson Abraão David. Em 1977, Aniz Abraão David assumiu a presidência.

14 campeonatos

Com quatorze campeonatos conquistados, atrás apenas da Portela e da Mangueira, a Beija-Flor de Nilópolis também consolidou Joãosinho Trinta como um dos maiores carnavalescos da história. Ele já tinha duas vitórias no Salgueiro como carnavalesco solo (1974 e 1975), mas foi na Beija-Flor que virou mito. Ganhou os títulos de:

1976 – “Sonhar com rei dá leão”, uma ode corajosa ao jogo do bicho, ilegal no Brasil.

1977 – Vovó e o rei da saturnália na corte egipciana

1978 – A criação do mundo na tradição nagô

1980 – “O sol da meia-noite, uma viagem ao país das maravilhas”, um título dividido com a Imperatriz Leopoldinense (“O que é que a Bahia tem”) e com a Portela (“Hoje tem marmelada”)

1983 – A grande constelação das estrelas negras.

Em 2016, a bateria da escola levou violinos para a avenida (Foto: Alexandre Macieira/Riotur)

Na era do sambódromo, Joãosinho Trinta ainda fez história com dois vice-campeonatos. Em 1986, levou “O mundo é uma bola”. Em 1989 foi que aprontou a revolução de “Ratos e Urubus, Larguem a Minha Fantasia”, seu desfile mais popular. Criou até atrito com a Igreja Católica ao tentar levar para o desfile uma imagem do Cristo Redentor caracterizado como mendigo. A imagem foi censurada e passou pela Avenida Marquês de Sapucaí coberta com os dizeres: “Mesmo proibido, olhai por nós!”. Simplesmente mitou.

Uma das marcas do carnavalesco era o luxo e a riqueza na avenida. Criticado, criou a célebre frase: “O povo gosta de luxo. Quem gosta de miséria é intelectual.”

No carnaval de 1992, outra polêmica das grandes. Um casal desfilou na Beija-Flor completamente nu, o que é proibido pelo regulamento. Joãosinho Trinta chegou ser levado à Delegacia de Polícia, onde alegou que era uma homenagem à obra de Leonardo Da Vinci. Saiu da Beija-Flor depois do carnaval de 1992, e a escola convocou Maria Augusta (1993) e o jovem Milton Cunha (1994-1997).

Maior campeã da era Sambódromo

A Beija-Flor foi a maior campeã da “era Sambódromo”, mas sem Joãosinho Trinta no comando dos desfiles. Em 1998, quando inovou com a criação de uma Comissão de Carnaval para desenvolver o enredo, foi campeã com “Pará – O Mundo Místico dos Caruanas nas Águas do Patu-Anu.” Em 2003, recomeçou uma série impressionante de vitórias:

2003 – O Povo conta a sua história: saco vazio não para em pé, a mão que faz a guerra, faz a paz

2004 – Manõa, Manaus, Amazônia, Terra Santa: alimenta o corpo, equilibra a alma e transmite a paz

2005 – O vento corta as terras dos Pampas. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Guarani, sete povos na fé e na dor… Sete missões de amor

2007 – Áfricas – Do berço real à corte brasiliana

2008 – Macapaba: Equinócio Solar, viagem fantástica ao meio do mundo

2011 – A simplicidade de um rei

2015 – Um griô conta a história: Um olhar sobre a África e o despontar da Guiné Equatorial. Caminhemos sobre a trilha de nossa felicidade

2018 – Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu.

A letra do samba de 2020

Conheça o samba-enredo composto por Magal Clareou, Diogo Rosa, Júlio Assis, Jean Costa, Dario Jr. e Thiago Soares:

Preceito!

Minha fé pra seguir nessa estrada

Odara ê! Reina firme na encruzilhada

Abram os caminhos do meu Beija-Flor

Por rotas já trilhadas no passado

O tempo de tormentas que esse mar levou

Revelam este novo eldorado

Nas trilhas da vida… desbravador!

Destino traçado… vencedor!

Nos becos da solidão

Moleque de pé no chão

E nessas andanças eu sigo teus passos

São tantas promessas de um peregrino

É crer no milagre, sagrados valores

Em tantos altares, em tantos andores

A vela que acende a dor que se apaga

A mão que afaga se torna corrente

Nilopolitano em romaria

A fé me guia! A fé me guia!

Em meus devaneios

Entre o real e a imaginação

Saudade persiste,

Insiste em passear no coração

Feito um poema a beira-mar

Canto pra te ver passar

Me vejo em teu caminho

Nessa imensidão azul do teu amor

E às vezes, perdido

Eu me encontro em tuas asas, Beija-Flor

Por mais que existam barreiras

Eu vim pra vencer no teu ninho

É bom lembrar, eu não estou sozinho

Ê laroyê ina Mojubá

Adakê Exu ôôô

Segura o povo que o povo é o dono da rua

Ô corre gira que a rua é do Beija-Flor

Youtube: www.youtube.com/user/BeijaFlorReal


LEIA MAIS:

Imperatriz Leopoldinense

Acadêmicos do Salgueiro

Mocidade Independente de Padre Miguel


/