Mocidade "das mina, mona e mana" nunca foi rebaixada | Diário do Porto

Mocidade “das mina, mona e mana” nunca foi rebaixada

A Mocidade Independente de Padre Miguel entrou no primeiro time das Escolas de Samba em 1958 e nunca mais saiu. No último carnaval, homenageou Elza Soares

Homenageada pela Mocidade em 2020, Elza Soares emocionou o publico (Raphael David/Riotur)

Compartilhe essa notícia:


O terceiro lugar no desfile de 2020 foi uma emoção e tanto para a cantora Elza Soares, homenageada em 2020 pela Mocidade Independente de Padre Miguel, uma das maiores campeãs do Sambódromo. O enredo Elza deusa Soares teve samba de Sandra de Sá e de DR Márcio, Igor Vianna, Jefferson Oliveira, Prof. Laranjo, Renan Diniz, Solano Santos e Telmo Augusto.

O desfile exaltou Elza como um modelo de força, resistência e inspiração. Contou a história Elza desde os anos 1950, destacando feitos, como as parcerias com Louis Armstrong e Astor Piazzolla, e também sua atuação em lutas por respeito e igualdade.

A cantora emocionou ao aparecer na Avenida em um trono no último carro da escola, no qual um homem balançava uma bandeira onde se lia uma mensagem importante: “Respeita as mina, as mona e as mana”. Na Praça da Apoteose, ovacionada, provocou uma comoção.

 

No carnaval de 2015, a Mocidade perguntou “O que você faria se só te restasse um dia” Foto: Fernando Maia/Riotur

Fundado em 10 de novembro de 1955, o Grêmio Recreativo Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel tem suas origens em um time de futebol, o Independente Futebol Clube. Entre os fundadores estão Silvio Trindade (Tio Vivinho), Alfredo Briggs Filho, Renato da Silva, Djalma Rosa, Olímpio Bonifácio, Ivo Lavadeira, Orozimbo de Oliveira, Mestre André, Tião Marino, Altamiro Menezes (Cambalhota), Geraldo de Souza (Prego).

As comemorações dos jogos do Independente Futebol Clube eram no Ponto Chic, bairro de Padre Miguel. Os jogadores, bons de bola e excelentes na percussão, reuniam-se em rodas de samba que mais pareciam bloco carnavalesco. Sob as bênçãos de uma estrela, encarnando as cores verde e branco do uniforme esportivo, nasceu a Escola de Samba Mocidade do Independente.

Escola nunca foi rebaixada

Em 1956, a agremiação desfilou em Padre Miguel com o tema “Navio Negreiro”, inspirado no poema de Castro Alves. Já no ano seguinte integrava o desfile oficial na Praça Onze com o enredo “Baile das Rosas”. Ficou em quinto lugar, iniciando uma trajetória de muitas conquistas. A primeira veio logo, em 1958: primeiro lugar no segundo grupo e ascensão à elite do carnaval. Desde então, a Mocidade Independente de Padre Miguel faz parte do seletíssimo grupo de escolas de samba que nunca foram rebaixadas do Grupo Especial.

Em 2017, escola fez Aladim sobrevoar a Sapucaí
Em 2017, a escola colocou o seu Aladim para sobrevoar a Sapucaí (Foto: Paulo Portilho/Riotur)

A consolidação como escola grande veio nos anos 1970, quando começou a ser patrocinada por Castor de Andrade. Em 1976, empatou em segundo lugar com a Mangueira e perdeu o desempate por ter um ponto a menos na famosa “bateria nota 10”. Em 1979, sob a batuta do carnavalesco Arlindo Rodrigues, veio o primeiro campeonato com “O Descobrimento do Brasil”.

No ano seguinte chegou Fernando Pinto para produzir desfiles excepcionais e projetar-se como um dos mais inventivos carnavalescos já conhecidos. Venceu em 1985 apresentando o enredo futurista “Ziriguidum 2001”. Um ano antes, a Mocidade tinha inventado a figura da rainha de bateria, com a modelo Monique Evans, uma das deusas do Sambódromo.

O carnavalesco Renato Lage foi outro patrimônio valioso de Padre Miguel. Nos anos 90, a ousadia de suas alegorias arrastou mais três títulos: 1990 (“Vira, virou, a Mocidade chegou”) e 1991 (“Chué… chuá… As águas vão rolar”). Em 1996, de novo Renato Lage fez os colegas comerem poeira na Sapucaí: “Criador e criatura”. O samba é inesquecível:

“A mão que faz a bomba, faz o samba

Deus faz gente bamba

A bomba que explode o nesse carnaval

É a Mocidade levantando o seu astral”

O Criador foi menos generoso com a escola nos anos seguintes, embora nunca tenha perdido o lugar entre as melhores. Castor de Andrade, patrono e mito, morreu em 1997. Em 2011, a Mocidade Independente de Padre Miguel quase caiu para o segundo grupo da elite do samba, ficando em 11º lugar, a pior colocação da era Sambódromo.

Só em 2017 voltou a erguer a taça, e mesmo assim mais de um mês após o Carnaval, em um episódio polêmico. O resultado oficial da quarta-feira de Cinzas deu o campeonato à Portela, mas a Liesa decidiu, em 5 de abril, dividir o troféu com a verde e branco. O motivo foi o erro de um jurado na avaliação do quesito enredo.

A letra do samba de 2020

Lá vai, menina

Lata d’água na cabeça

Esqueça a dor

Que esse mundo é todo seu

Onde a água santa foi saliva

Pra curar toda ferida

Que a história escreveu

É sua voz que amordaça a opressão

Que embala o irmão

Para a preta não chorar

Se a vida é uma aquarela

Vi em ti a cor mais bela

Pelos palcos a brilhar

É hora de acender

No peito a inspiração

Sei que é preciso lutar

Com as armas de uma canção

A gente tem que acordar

Da “lama” nasce o amor

Quebrar as agulhas

Que vestem a dor

Brasil

Esquece o mal que te consome

Que os filhos do Planeta Fome

Não percam a esperança

Em seu cantar

Ó nega!

Sou eu que te falo em nome daquela

Da batida mais quente

O som da favela

A resistência em oração

Se acaso você chegar

Com a mensagem do bem

O mundo vai despertar

Deusa da Vila Vintém

És a estrela

Meu povo esperou tanto pra revê-la

Laroyê e Mojubá

Liberdade

Abre os caminhos pra Elza passar

Canta Mocidade!

Essa nega tem poder

É luz que clareia

É samba que corre na veia

Youtube: www.youtube.com/user/MocidadeOficial


/