Investimentos

Volkswagen produzirá caminhões elétricos em Resende

A Ambev comprou os primeiros 100 caminhões elétricos,da Volkswagen, que serão produzidos em Resende, no Rio. O e-Delivery tem autonomia de 300 km

17 de outubro de 2020
A Volkswagen vai entregar 1.600 caminhões elétricos para a Ambev, até 2023 (foto: Volkswagen / Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


A Volkswagen Caminhões e Ônibus informou que até o final do próximo ano entregará os primeiros 100 caminhões elétricos, produzidos em sua fábrica em Resende, no Sul do Rio. As unidades do e-Delivery foram vendidas à Ambev.

Os novos caminhões irão para o serviço de distribuição da empresa produtora de bebidas, que pretende ter 1.600 unidades elétricas da marca alemã, até 2023. Essa será a nova frota da Ambev, com emissão zero de poluentes.

Para chegar ao modelo e-Delivery de Resende, a Volkswagen levou 2 anos em testes e desenvolvimento. O protótipo do caminhão 100% elétrico percorreu mais de 30.000 km, em condições reais de uso, na cidade de São Paulo.

Segundo Roberto Cortes, presidente e CEO da VW Caminhões e Ônibus, os testes realizados mostraram  a viabilidade da nova tecnologia. Em sua opinião,  “Essa iniciativa entra para a história da indústria automotiva mundial, pois somamos forças para viabilizar a produção dos primeiros caminhões elétricos desenvolvidos e feitos no Brasil”.

Volkswagen investiu 2 anos no projeto

A Volkswagen explica que o e-Delivery pode ser recarregado com 100% de energia  vinda de fontes limpas, como eólica ou solar. A Ambev pretende que seus caminhões elétricos sejam recarregados em uma das 48 usinas solares que a empresa vai instalar em seus Centros de Distribuição (CDDs) no país. O próprio sistema regenerativo dos freios do caminhão contribui para recarregar  43% da carga das baterias.

O novo caminhão vem com motor elétrico produzido pela WEG, com 109 cv de potência, e uma transmissão automática. As baterias são importadas da China, pela Moura, e têm composição de lítio-ferro-fosfato (LFP). Segundo a montadora, permitem autonomia de 200 km, com 3 horas para a recarga completa, em modo lento, ou com carga rápida em 15 minutos, mas que reduz a autonomia para 30% do total.


LEIA TAMBÉM:

Caixa anuncia redução de juros e prorroga carência

MPF quer multa de R$ 30 milhões contra Angra 3

Porto de Itaguaí tem crescimento na exportação de ferro