Você que lê tanto ... e precisa escolher | Diário do Porto


Para ler na rede

Você que lê tanto … e precisa escolher

Olga de Mello fala sobre aquele tipo de livro que sugerem ao leitor contumaz – e ainda por cima pedem uma “crítica sucinta”. Como separar o joio do trigo

9 de junho de 2019

Foto Alex Salcedo/Photo Deposit

Compartilhe essa notícia:


Olga de Mello

Leitor contumaz é um ser que precisa estar preparado para perguntas abruptas. O preâmbulo, geralmente, é “você que lê tanto…” seguido por “já ouviu falar…”. Daí surge o nome de

1) Um autor conhecido basicamente por intelectuais

2) Um autor de livros populares que o leitor contumaz jamais se aventurou a ler

3) Um autor de livros de autoajuda, motivacionais ou religiosos que o leitor contumaz já teve a infelicidade de ler.

Qualquer uma dessas perguntas terá como complemento um pedido de crítica sucinta, mas profunda sobre a obra em questão e, naturalmente, o empréstimo do livro que provavelmente o leitor contumaz não terá. A conclusão será um olhar de pouco disfarçado desprezo diante da demonstração cabal de que aquele não é um leitor tão erudito como dá a entender.

Livro O corpo dela e outras farras Carmen Maria Machado

O leitor contumaz que pretenda evitar tal saia-justa deve ampliar seus horizontes para analisar com tranquilidade um produto geralmente bem estruturado e direcionado a um público específico. Bem estruturado, por exemplo, é O corpo dela e outras farras (Planeta, R$ 55,90), da americana Maria Carmem Machado. Em oito contos inquietantes, mulheres vivem rotinas ordinárias cercadas por elementos, por vezes, fora do comum, como a que passa a vida inteira com uma fita amarrada em seu pescoço. Destinada a leitores mais sofisticados, que apreciarão a narrativa fragmentada e fechada em si, a escritora, que não dispensa uma boa dose de realismo fantástico em suas histórias – não fosse neta de cubanos – , virá à Festa Literária de
Paraty (Flip) no próximo mês.

 


VEJA TAMBÉM:

Museu de Arte do Rio, entrada grátis até 25 de junho

Caminhos do Brasil-Memória: museus pedem segurança

‘Minha história de amor’ e ‘Uma furtiva lágrima’


 

Com enredos totalmente lineares e previsíveis, Norah Roberts escreve romances que vendem como água mundo afora, mas não a ponto de impedi-la de abrir uma ação por plágio contra uma brasileira que, diz a escritora, usou trechos imensos de histórias suas em livros românticos online.

Livro A villa Nora Roberts

A Villa (Bertrand Brasil, R$ 59,90) trata das disputas de membros de uma família pelo controle dos negócios do grupo, que fabrica vinhos, sem deixar de lado, em momento algum, os envolvimentos românticos entre diversos personagens, descritos com tanta superficialidade quanto num livrinho de banca de jornal. Tem mistério, intriga, cenas de sexo ardente e muitos casamentos. Mas tudo contado sem a menor intenção de levar o leitor além de um entretenimento rápido e que dê pouco trabalho para a massa encefálica.

Livro Fdeu geral

 

Texano, com formação em finanças, o americano Mark Manson viveu quatro anos no Brasil e ficou conhecido por aqui ao publicar uma postagem em seu blog na qual apontava a falta de compromisso, cultura, honestidade e caráter do brasileiro. De volta aos Estados Unidos, escreveu A arte sutil de ligar o f*da-se (Intrínseca, R$ 34,90), que vendeu cerca de 1 milhão de cópias no Brasil em 2018. Seu novo livro é F*deu geral (Intrínseca, R$ 34,90), repetindo a fórmula de analisar situações e desfiar pitadas de psicologia no que seria uma anti autoajuda, que não estimula o otimismo diante de circunstâncias adversas, porém pretende levar o leitor a entender suas próprias limitações. O livro traz ensinamentos e muitas opiniões do autor. Talvez o apelo elegante do título renda boas vendas aqui na terrinha dos que cultuam o complexo de vira-latas.