UERJ alerta para poluição sonora marinha, no Rio | Diário do Porto


Sustentabilidade

UERJ alerta para poluição sonora marinha, no Rio

A poluição sonora é um dos maiores problemas ambientais nos grandes ecossistemas marinhos. Análise foi feita por pesquisadores da UERJ nas áreas costeiras

1 de dezembro de 2020

Ruídos altíssimos debaixo d’água prejudicam a vida dos cetáceos na Baía (Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Sons e ruídos causados pela ação do homem no fundo do mar têm gerado grande impacto ao meio ambiente marítimo. Em recente trabalho, pesquisadores do Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores (Maqua), da Faculdade de Oceanografia da UERJ, puderam comprovar o quanto os níveis de poluição sonora das regiões da Baía de Guanabara, Baía de Sepetiba e Baía da Ilha Grande afetaram o ecossistema.

Ao longo de três anos, a variedade acústica submarina desses locais foi gravada, registrando os sons no ambiente de origem natural, humana, industrial ou tecnológica. As baías de Guanabara e de Sepetiba apresentam maiores níveis de ruído causados pelo tráfego de embarcações, mas ainda têm algumas áreas acusticamente pouco impactadas e que precisam ser preservadas. Já a Baía de Ilha Grande teve os menores índices, porém foram identificadas tendências de risco de aumento.

Para Lis Bittencourt, pesquisadora do Maqua, o importante é estar atento ao problema, agir logo e reforçar a legislação específica. “Tudo o que o ser humano faz na água produz ruído. Se esses sons são muito intensos e constantes, irão gerar poluição sonora e alterar a paisagem acústica natural, trazendo desequilíbrio ao ecossistema. Locais onde há maior tráfego de embarcações, barulho de obras, construção de portos e plataformas têm menor presença de animais marinhos”, afirma.


LEIA TAMBÉM

Sebrae Rio realizará a feira digital de negócios “Click Empreendedor”

Para ver e ler: quando livro vira filme, e vice-versa

Abra o coração do Rio ao progresso, prefeito Paes 


A autora da pesquisa explica ainda que o meio marinho é muito dependente dos sons. Os animais que ali habitam precisam do som para se guiar, fugir de eventuais perigos, saber onde se abrigar, ou mesmo encontrar um bom local para procriar. Os ambientes mais ruidosos geram estresse, afetam toda essa dinâmica e atrapalham não só o dia a dia dessas espécies como a sua própria existência.

De acordo com Bittencourt, os resultados sinalizados no estudo acendem um alerta para o problema da poluição sonora nos ambientes costeiros do Brasil. Por outro lado, a pesquisadora faz questão de lembrar que ainda há locais acusticamente preservados, especialmente como a área de Proteção Ambiental Marinha Boto Cinza, em Mangaratiba.

 


/