'Suíte Rock - Para loucos e Amantes': últimos dias no CCBB | Diário do Porto


Teatro

‘Suíte Rock – Para loucos e Amantes’: últimos dias no CCBB

Em cartaz até 8 de maio, “Suíte Rock – Para loucos e amantes” incorpova o desejo de liberdade e a importancia dos encontros no mundo pós-pandemia.

28 de abril de 2022

A proposta do espetáculo é transpor um repertório de clássicos do rock dos anos 70 e 80 para um quarteto de cordas (Foto: Guilherme Licurgo)

Compartilhe essa notícia:


Em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil até 8 de maio, o espetáculo “Suíte Rock – Para loucos e amantes” tem o desafio de juntar em cena bailarinos e músicos em novas expressões artísticas que reflitam sobre as relações e desejos que surgem em um mundo pós-confinamento. O show reúne clássicos do gênero dos anos 1970 e 1980, como Led Zeppelin, Pink Floyd e The Rolling Stones, executados por um quarteto de cordas que flerta com o rock’n roll e a música de concerto.

“Em todo o mundo, as ruas ficaram vazias, e as pessoas, dentro de casa, cheias de arte. Estar em um mundo em suspensão e ouvir o acorde de um celista me fez transbordar num infinito de emoções. Daí a urgência de criar um espetáculo pós-confinamento que sirva para aguçar o som poético de um acorde de um violoncelo, um violino, um movimento, uma sequência coreográfica”, explica o diretor do espetáculo Renato Vieira.

CCBB
O musico Rafael Kalil e o bailarino Bruno Cezario (Foto: Guilherme Licurgo)

 


LEIA TAMBÉM:

Portão 32: novo acesso ao Porto melhorou mobilidade

Dia da Alegria: crianças de favelas em AquaRio, BioParque e Cristo

Sebrae ensina startups a captar recursos


Renato Vieira explica que no processo criativo para o espetáculo “Suíte Rock – Para loucos e amantes” buscou uma linguagem de movimentos que trouxesse à cena a dramaticidade da condição humana.

“Para mim, o mais importante deste espetáculo é estarmos juntos, criando coreografias e misturando músicas com propostas de novos arranjos. Essas escolhas musicais fizeram parte de uma grande mudança de comportamento, pensamento e atitudes na minha adolescência. Então, estou também revolvendo um passado em que o rock estava intensamente na minha vida, podendo unir minha linguagem erudita à liberação presente naquela fase”, detalha.

O projeto fica em cartaz de quinta à sábado, às 19h, e aos domingos, às 18h. Os ingressos custam R$ 30, para a inteira, e R$ 15, para a meia, e podem ser obtidos diretamente na bilheteria do CCBB ou através do site eventim.com.br.