Exposição

Sucesso prorroga a exposição ‘Concrescer’ em Santa Teresa

Exposição “Concrescer” ganha prorrogação até dia 27 de janeiro. Além disso, debate com expositores e convidados aquece a mostra no Parque das Ruínas

16 de janeiro de 2019
A Rosa Doente, poema de Willian Blake, traduzido por Augusto de Campos (Foto: Divulgação)

Compartilhe essa notícia em sua rede social:
Foto de A Rosa Doente
A Rosa Doente, poema de Willian Blake, traduzido por Augusto de Campos (Foto: Divulgação)

Devido ao sucesso de público, a exposição “Concrescer”, no Parque das Ruínas, em Santa Teresa, foi prorrogada até 27 de janeiro. Inspirada na poesia concreta brasileira, a mostra apresenta nove obras criadas pelos artistas Francisco Zorzete e Jorge Bassani. A exposição ganhou também o “Encontro Concrescer – Arte, Poesia, Cidade e Política em debate”. Será  acontece na galeria do parque no sábado 19, às 15h.

O evento contará com os artistas da exposição, com a museóloga Mariana Várzea e o poeta Jorge Salomão. A mediação será do jornalista Nelson Gobbi. Os debatedores conversarão com o público sobre a interseção entre  arte, poesia, cidade, identidade, resistência e intolerâncias. Além disso, outras questões que reforçam a força política das artes contemporâneas compõem o debate.

A proposta é refletir sobre o diálogo entre as artes visuais e a poesia, como formas de re-imaginar a cidade, ocupar criativamente os espaços e “fortalecer a resistência política em tempos de intolerância”, segundo a divulgação.

A exposição mostra que, apesar da revolução digital ter derrubado limites entre códigos e linguagens, a experiência poética é  sensorial. Por isso, a espacialização dos poemas em sua concretude conduz a outras condições de experimentação da poesia. Assim, preservam muitos de seus atributos semânticos e gráficos, mas propõem novas formas de percepção e leituras.

 


LEIA MAIS:

Roteirão: festival na Fundição, bailes, festa de madruga no CCBB e mais

Ajude o Museu Nacional a virar Lego e levantar recursos

E Basquiat arrasou, com 850 mil visitantes no CCBB


 

Na mostra, estão expostas obras como a Rosa Doente, poema de Willian Blake, e Ocupe se Vire, inspirada no poema “pílulas do tipo deixa o pau rolar” de Torquato Neto. O artista morreu há 46 anos. Esta última é uma obra adesivo e o público pode levá-la para casa.

“Esta homenagem ao Torquato não é para lembrar a morte do grande poeta, mas para agradecer a poesia e a vida que ele nos deixou”, dizem os artistas Francisco Zorzete e Jorge Bassani.

A pesquisa que originou as obras desta mostra recebeu o nome de Transcodificações. O título surgiu da ideia de tradução para códigos diferentes. Nesse caso, do verbal gráfico (a palavra escrita e toda a superestrutura sintática e léxica) para o puramente visual (cores e formas sem relação mimética com o pressuposto semântico).

“Desde o início, contamos com a colaboração e a orientação valiosíssima de Augusto de Campos e Júlio Plaza. Além disso, muitas outras grandes personalidades da poesia concreta. Como, por exemplo, Décio Pignatari, Haroldo de Campos, Ronaldo Azeredo e Pedro Xisto”, explicam Bassani e Zorzete. “Todos generosamente nos receberam e se dispuseram a longos debates sobre a intrínseca relação de suas obras poéticas com a visualidade da folha impressa.”

Compartilhe essa notícia em sua rede social: