Show no CCBB RJ apresenta inéditas de Pixinguinha | Diário do Porto


Música

Show no CCBB RJ apresenta inéditas de Pixinguinha

Espetáculo “Pixinguinha como Nunca” leva ao palco do Centro Cultural Banco do Brasil RJ 26 canções inéditas do genial compositor

19 de março de 2022

Sexteto do espetáculo musical "Pixinguinha como nunca" (divulgação/CCBB RJ)

Compartilhe essa notícia:


O Centro Cultural Banco do Brasil RJ apresenta o espetáculo “Pixinguinha como Nunca”,  Com direção do ator e cantor Marcelo Vianna, neto de Pixinguinha, direção musical e arranjos do músico, produtor e pesquisador Henrique Cazes e direção executiva de Lilian Barretto, o show trará 26 canções inéditas do genial compositor de “Carinhoso”. Serão três apresentações nos dia 23 e 30 de março e 6 de abril.

Henrique Cazes, com seu cavaquinho, estará à frente do Sexteto do Nunca, conjunto instrumental completado por Marcelo Caldi (sanfona), Carlos Malta (flauta e sax), Silvério Pontes (trompete e flugelhorn) Marcos Suzano (percussão) e João Camarero (violão de 7 cordas) com participação especial, Marcelo Vianna. Antes do segundo espetáculo, no dia 30 de março, haverá um bate-papo com os músicos sobre o modo composicional de Pixinguinha e como os arranjos foram pensados para cada instrumento.

A seleção das obras inéditas que estão no programa do espetáculo segue a panorâmica de gêneros que Pixinguinha abordou. Choro, samba, polca, tango, o choro mais dolente, todo um arco com as composições dos anos 1910 até 1970. “Há uma valsa inspiradíssima no repertório, Paraibana, escrita por Pixinguinha pouco antes de morrer, em 1973. E as peças inéditas escritas em 1920 para a revista teatral Flor Tapuya (com letras de Danton Vampré e Alberto Deodato) mostram um insuspeito Pixinguinha com sotaque nordestino”, detalha Cazes.

A descoberta das inéditas é o resultado de uma cuidadosa pesquisa no acervo do compositor, encampada no ano 2000 pelo Instituto Moreira Salles, que se somou em 2017 à varredura no material em posse de outros compositores e instrumentistas. O resultado trouxe à luz mais de 50 músicas jamais gravadas – algumas, apenas tocadas em transmissões radiofônicas.

“Pixinguinha é uma figura mitificada, às vezes adorada, mas sua produção musical em si é pouco estudada”, diz. “Há circunstâncias históricas a considerar. Uma delas, a invasão das big bands americanas no rádio dos anos 1930, e a reação a isso foi transportar tudo o que havia antes para a gaveta do ‘passadismo’. O choro fica velho de um dia para o outro. E de certo modo, submerge para o grande público por longas décadas”.

Cazes vê ainda outra questão nessa ausência – cultural. “E, claro, há uma dificuldade de base, a de enxergar um homem negro como criador estruturante, e não como artista espontâneo. Portanto, o estudo de sua produção por muito tempo não se aprofundou na direção da sua finíssima técnica”.

Marcelo Vianna e Henrique Cazes fizeram uma robusta série de aulas-espetáculos entre 2015  e 2017 em torno da obra de Pixinguinha – “Pixinguinha: as 5 estações”. O projeto da reunião das inéditas começou em 2018. A seleção das obras inéditas que estão no programa do espetáculo segue a panorâmica de gêneros que Pixinguinha abordou.


LEIA TAMBÉM:

Faperj apoia projeto para preservação ambiental e redução de riscos na Região Serrana

Galeão registra alta no fluxo de cargas no primeiro bimestre

Tia Ciata é o novo nome da estação Cidade do Samba do VLT


Programa do show “`Pixinguinha como Nunca”

Abertura (versos de Moacyr Luz sobre fragmentos de Pixinguinha)

  • Lembro-me do passado (polca choro)
  • Choro nº 7
  • Choro em Fá maior
  • Para não te esquecer (choro canção)
  • Feitiço (Pixinguinha) (samba)
  • Modo de Olhar
  • Jagunça  (polca vagarosa)

1º dia

  • Modinha
  • Choro de “Um dia qualquer”

2º dia

  • Poética
  • Pato de Cabidela

3º dia

  • As harmonias do mocinho
  • Polca em Dó Maior
  • Paraibana (valsa)
  • ‪Pela última vez
  • Foge de mansinho (choro dolente)
  • No cacique do Armando
  • One Step
  • Do tango ao amor
  • Meu Coração (Pixinguinha / Danton Vampré / Alberto Deodato)
  • Amor de sertaneja (Pixinguinha / Danton Vampré / Alberto Deodato)
  • Caboclo lindo (Pixinguinha / Danton Vampré / Alberto Deodato)
  • Saudades do Cafundá
  • Luiz tocando (maxixe)
  • Carinhoso (Pixinguinha-João de Barro) 1ª vez com letra inédita de Pedro Caetano, 2ª vez com letra de João de Barro

Serviço:

CCBB RIO DE JANEIRO

Dias 23, 30 de março e 6 de abril

19h30

Bate-papo com os músicos: 30/3, às 18h

Ingressos: R$ 30,00 –  inteira; R$ 15,00  – Funcionários e clientes do BB, estudante, professores da rede pública, sênior acima de 60 anos

Vendas online: bit.ly/ccbbrjeventim

Duração: 60min

Rua Primeiro de Março, 66 – Centro

Contato: (21) 3808-2020 /

Mais informações: www.ccbbrio@bb.com.br

Acesso para portadores de necessidades especiais


/