Setor aponta soluções para crise da mobilidade urbana | Diário do Porto


Mobilidade

Setor aponta soluções para crise da mobilidade urbana

Participantes de seminário produzem documento com reinvindicações para autoridades enfrentarem crise na mobilidade causada pela pandemia

20 de outubro de 2021

Pandemia causou maior crise no transporte urbano em meio século (Foto: Agência Brasil)

Compartilhe essa notícia:


Realizado pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), o seminário “Colapso da Mobilidade Urbana: Causas, Efeitos e Soluções” debateu a maior crise de mobilidade urbana do Rio nos últimos 50 anos causada pela pandemia. O evento foi organizado pelos Presidentes dos Conselhos Empresariais da ACRJ de Competitividade e Ambiente de Negócios, Irini Tsouroutsoglou, e de Logística e Transporte, Delmo Pinho.

No evento ficou decidido que será iniciado um movimento conjunto do setor que produzirá um documento oficial a ser encaminhado pela ACRJ às autoridades do Executivo e do Legislativo estadual e municipal listando causas e efeitos do atual panorama de degradação dos sistemas e seus reflexos no cotidiano dos passageiros. O movimento contará com lideranças das concessionárias de transportes públicos do Rio de Janeiro e entidades do segmento.

A Diretora-Executiva da Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), Roberta Marchesi explicou que houve uma retração de demanda de mais de 50% nos últimos dois anos em relação a 2019. “Menos 57% de demanda de março a dezembro de 2020 e menos 51% de janeiro a setembro de 2021. A pandemia trouxe alterações econômicas e sociais permanentes, que estão alterando padrões de comportamento social, com impactos, dentre outros, sobre a mobilidade urbana”, declarou.

Aposta na bilhetagem eletrônica

O Diretor da Confederação Nacional do Transporte (CNT),Bruno Batista, apresentou uma pesquisa feira pela instituição, destacou que houve uma redução de 35,6% de passageiros pagantes nos sistemas de transportes e defendeu uma série de ações. “Implantação de redes modernas, integradas, multimodais, racionais e de alto desempenho, sendo mais flexível para os usuários em relação ao acesso, utilização e pagamento”, frisou, entre outras iniciativas.

A bilhetagem eletrônica foi outro ponto bastante debatido no evento. Tsouroutsoglou lembrou a importância dessa tecnologia para a eficiência do sistema de transporte. “A bilhetagem eletrônica é uma ferramenta fundamental, uma política social para uma integração ampla, envolvendo todos os municípios da Região Metropolitana, auxiliando a mobilidade urbana, compreendendo todos os modais”, afirmou Irini Tsouroutsoglou.

O seminário também contou a participação do Presidente da ACRJ, José Antonio do Nascimento Brito; do Presidente da Fetranscarga, Eduardo Reduzir; do Presidente do Rio Ônibus , João Gouveia; do Presidente da CCR Barcas, João Daniel Marques da Silva; do Presidente da Fetranspor, Armando Guerra; do Professor da Universidade de São Paulo (USP), Francisco Satiro; e do advogado e sócio do Mubarak Advogados, Elias Mubarak.


LEIA TAMBÉM:

Prêmio Visão Consciente prorroga inscrições para 31/10

O Aeroporto do Galeão e a Ilha do Governador

Mercado imobiliário tem melhor resultado desde 2014