Servidor vai restaurar palácio para ser Casa da Democracia | Diário do Porto


Museus

Servidor vai restaurar palácio para ser Casa da Democracia

A transformação do Palácio Tiradentes em Casa da Democracia Brasileira terá 60 servidores treinados pela Oficina-Escola de Conservação e Restauro

26 de abril de 2022

Ação de restauro de escultura da futura Casa da Democracia (Foto Julia Passos)

Compartilhe essa notícia:


A transformação do Palácio Tiradentes em Casa da Democracia Brasileira terá a assinatura dos servidores. Sessenta profissionais do serviço público da Alerj e instituições parceiras serão capacitados para esta nobre missão pela Oficina-Escola de Conservação e Restauro.  Eles vão atuar na reforma e adequação do novo equipamento público de cultura.

Os alunos serão orientados por profissionais capacitados na Itália pelo Programa Monumenta, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A prioridade das vagas será para colaboradores das áreas de manutenção, limpeza e refrigeração.

São 30 alunos nos cursos de mobiliário e mais 30 no de metais. “São aulas totalmente práticas, já que essa vivência pedagógica é exatamente o que diferencia a oficina de um curso. Então, é mão na massa e vai até o final de agosto”, ressalta a arquiteta Simone Algebaile, especialista em restauro e coordenadora da Oficina-Escola.

Móveis das salas de comissões, metais aplicados às paredes e jarros do saguão e da escadaria do Palácio Tiradentes serão recuperados para a Casa da Democracia. As primeiras peças serão mobiliários, metais e lustres do saguão. Muitas estão oxidadas ou foram danificadas por uso de material de limpeza inadequado e precisam ser limpas.


LEIA TAMBÉM:

Vereadores querem a venda de imóveis sem uso no Rio
Dia da Alegria: crianças de favelas em AquaRio, BioParque e Cristo
Cassinos: senador diz que legalização é fundamental

“A correta conservação das peças reduz custos para o erário com futuras contratações de restauro e é a maneira correta de cuidar do edifício. A ideia é que futuramente os alunos formados pela Oficina-Escola possam ser aproveitados na manutenção do Palácio, com uma abordagem mais técnica e comprometida com a conservação do edifício histórico”, explica a arquiteta.

Mais de 700 móveis e objetos históricos que decoram os cinco andares já foram catalogados. Depois de recuperados na Oficina-Escola de Restauro, muitos serão expostos ao público na Casa da Democracia. “O levantamento do acervo do Palácio Tiradentes é de suma importância para o trabalho a ser desenvolvido. Só conhecendo o que temos para ser trabalhado é que podemos desenvolver um trabalho com qualidade, estabelecendo as prioridades, tendo em vista a preciosidade do Palácio”, disse a coordenadora do projeto, Maria Lúcia Cautiero Horta Jardim.

Mestres de ofício

A Oficina-Escola do Palácio Tiradentes permitirá a valorização dos mestres de ofício, que não têm formação acadêmica mas acumulam vasto conhecimento adquirido ao longo de anos. A atividade está em risco de extinção, segundo a arquiteta, pela dificuldade de encontrar jovens interesasdos em trabalhar com as técnicas construtivas tradicionais, “importantes para o patrimônio cultural na conservação e restauração de edifícios históricos”.

Especializada em Gestão de Restauro de Bens Imóveis e mestre em Memória e Acervo, Simone também conduziu a Oficina-Escola de restauro do Palácio Laranjeiras. Lá, o trabalho foi desenvolvido com jovens em situação de vulnerabilidade. “A Oficina-Escola no Tiradentes deixará um legado. Tudo o que os servidores aprenderem vai ser aplicado na prática profissional deles no Palácio”, conclui.

Memória preservada

Sede da Alerj entre 1975 e 2021, o monumental Palácio Tiradentes vai oficialmente se transformar na ‘Casa da Democracia Brasileira’. Mais novo espaço cultural do Centro do Rio, a Casa da Democracia Brasileira vai ocupar a quase centenária edificação. Ela foi erguida em 1926 no local onde funcionou a Cadeia Velha, que recebeu o mártir da Inconfidência, enforcado em 21 de abril de 1792. A proposta é reabrir suas portas para visitações públicas e gratuitas ainda este ano, quando se completam 230 anos da morte de Tiradentes.


/