Sem nova licitação, Museu do Amanhã pode fechar | Diário do Porto


Cultura e Lazer

Sem nova licitação, Museu do Amanhã pode fechar

Mariana Ribas deixa Secretaria de Cultura sem ter feito a licitação para o novo gestor do Museu do Amanhã. Ela pode ser candidata do PSDB a prefeita

7 de agosto de 2019

Prefeitura precisa fazer licitação para novo gestor do Museu do Amanhã (foto: DiPo)

Compartilhe essa notícia:


Uma das pendências que Mariana Ribas deixou ao pedir demissão do cargo de secretária municipal de Cultura foi a falta de uma nova licitação para o Museu do Amanhã. O contrato da Prefeitura com o atual gestor, o IDG, termina no começo do próximo ano.

Caso a licitação não seja feita rapidamente, há o risco de o museu ficar fechado enquanto não se oficializa a nova contratação. O prefeito Marcelo Crivella vem demonstrando seu desejo de promover a troca do gestor, mas até agora não se tem notícia do lançamento do processo licitatório.

Inaugurado em dezembro de 2015, o Museu do Amanhã é uma obra da Prefeitura que se tornou um dos símbolos do Porto Maravilha, projeto que requalificou a região portuária da cidade.

Neste ano, superou a marca de 3,7 milhões de visitantes, sendo que 66% deles foram turistas. Fica situado na praça Mauá, onde está outro equipamento cultural do Município, o Museu de Arte do Rio (MAR), que também pode fechar nos próximos meses, por falta de repasses de verbas da Prefeitura.


LEIA TAMBÉM:

Lei de Marielle levará arquitetos às favelas

Alta direção da Caixa vai para o Porto Maravilha

Prefeitura libera 250 rodas de samba até o fim de 2019


O fechamento ao mesmo tempo dos dois principais polos culturais do Porto Maravilha teria grande impacto negativo para a imagem da cidade, afetando moradores, empresas e o fluxo turístico. A situação preocupa profundamente os investidores que trouxeram recursos privados para desenvolver a região portuária.

Candidata

Ao entregar o cargo, Mariana Ribas reclamou da falta de verbas para a manutenção do  Museu de Artes do Rio, da Cidades das Artes, na Barra, e do Imperator, no Méier. Ela deixou a Secretaria em meio a rumores de que pode ser a futura candidata do PSDB à Prefeitura do Rio, em 2020.

A assessoria de imprensa de Crivella informou que “o prefeito agradeceu a Mariana pelo trabalho prestado e desejou sucesso nos próximos desafios”. Por enquanto, nada foi dito sobre os problemas apontados pela ex-secretária.

Mariana permaneceu na Secretaria de Cultura apenas seis meses, depois de substituir Nilcemar Nogueira, em fevereiro passado. Com 36 anos, ela iniciou sua carreira justamente na Secretaria Municipal de Cultura, onde entrou como estagiária, em 2003.

Depois disso passou pela presidência da RioFilme (de março de 2015 a julho de 2016), pela Secretaria do Audiovisual (foi secretária de dezembro de 2016 a junho de 2017), pelo Ministério da Cultura (secretária-executiva de julho de 2017 a junho de 2018) e deixou a diretoria da Ancine, onde estava desde julho de 2018, para ser a secretaria de Cultura na gestão de Crivella.


/