Sem Carnaval, hotéis esperam 41% de ocupação | Diário do Porto

Turismo

Sem Carnaval, hotéis esperam 41% de ocupação

Cancelamento do Carnaval causa queda na ocupação hoteleira e afeta 65 mil empregos. Prefeitura afirma que sua prioridade é a saúde dos cariocas

10 de fevereiro de 2021
Período de Carnaval no Rio tem queda em reserva de hotéis (foto: ABIH / Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


O cancelamento do Carnaval no Rio de Janeiro, devido ao alto risco de transmissão da Covid-19, afeta diretamente a vinda de turistas. Até o momento, pesquisa prévia mostra que a média de ocupação esperada para as hospedagens na capital está em 41%, durante o período de 12 a 16 de fevereiro. No ano passado, a prévia para o período carnavalesco apontava a ocupação de 78%, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-RJ).

Em 2020, 2,1 milhões de turistas vieram para a folia no Rio de Janeiro, deixando R$ 4 bilhões na cidade. Só no Sambódromo, que não terá desfiles neste ano, a movimentação nos dias de evento chega a 5 milhões de pessoas, entre público, esquipes de manutenção e das escolas de samba.

Segundo o levantamento da ABIH-RJ, neste ano, 92% dos visitantes que já confirmaram presença no Rio, mesmo sem Carnaval, são dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e do próprio Rio de Janeiro. Há turistas mesmo do exterior, dos quais 8% são dos Estados Unidos, seguidos pelos argentinos e chilenos.

“A pesquisa retrata a realidade da pandemia, do momento que nós estamos vivendo. A taxa de ocupação está praticamente a metade da registrada no ano anterior. Não é desejável, mas é compreensível. Com o agravamento da pandemia é de se esperar uma mudança no comportamento dos hóspedes. Mas, esperamos que com a vacinação em massa possamos retomar o turismo de eventos para darmos fôlego ao caixa das empresas”, disse o presidente do Hotéis Rio, Alfredo Lopes.

Ensaio técnico da Mangueira no Sambódromo
Em 2020, cerca de 2.1 milhões de turistas vieram para a folia no Rio de Janeiro, deixando R$ 4 bilhões na cidade (Alexandre Macieira/Riotur)

Cancelamento do Carnaval afeta 65 mil empregos

De acordo com estudo sobre o impacto econômico do desfile das escolas de samba do Carnaval do Rio, realizado pela Fundação Getúlio Vargas, com base em 2019, o evento gera 36 mil empregos diretos e indiretos, apenas nos 5 dias de apresentações no Sambódromo. Se for considerado todo o período de preparação, a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa estima que esse número chega a aproximadamente 65 mil empregos.

A Prefeitura informou que o planejamento das ações de fiscalização já está ocorrendo. No feriado haverá bloqueios de ruas e fiscais em diversos bairros para evitar aglomerações.

“A situação tem um impacto muito grande na economia da cidade. É natural que isso faz falta. É um momento de privilegiar a saúde. As medidas adotadas pela Prefeitura estão dentro do que se precisa fazer agora para que se tenha uma perspectiva concreta da retomada das atividades econômicas”, avalia Cristiano Beraldo, Secretário de Turismo do Rio de Janeiro.


LEIA TAMBÉM

Turismo doméstico é prioridade para Governo do Rio

Emenda de Kigali: Arthur Lira pode melhorar ‘clima’ com EUA

Escola Chinesa, no Rio, tem equipamentos da Huawei