Sebrae Rio: MPEs criaram 28 mil empregos no 1º trimestre | Diário do Porto


Empregos

Sebrae Rio: MPEs criaram 28 mil empregos no 1º trimestre

Vagas de carteira assinada em micro e pequenas empresas do estado superam as de grandes e médias empresas. No mesmo período de 2020, 41,7 mil foram fechadas

20 de maio de 2021

Cento e cinco mil empregos formais foram criados no Rio até setembro (Agência Brasil)

Compartilhe essa notícia:


Pelo nono mês seguido, as micro e pequenas empresas geraram mais empregos formais que as médias e grandes empresas do Estado do Rio de Janeiro. No primeiro trimestre deste ano, mais de 28 mil vagas com carteira assinada foram criadas, mostrou levantamento divulgado pelo Sebrae Rio com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Na última pesquisa, um dos pontos de preocupação dos empreendedores era manter o seu quadro de funcionários. No comparativo com os três primeiros meses do ano passado, os números mostram um resultado bem diferente. Naquele período foram fechadas mais de 41,7 mil vagas formais de trabalho. Apenas no mês de março, os pequenos negócios foram responsáveis por 71% dos empregos com carteira assinada no estado.

“A retomada da economia passa diretamente pelo apoio que as micro e pequenas empresas recebam para continuar gerando empregos e movimentando o poder de consumo. O cenário parece promissor para os próximos meses, mas o rumo econômico vai depender do ritmo da vacinação em massa”, explica Simone Moura, analista do Sebrae Rio.

O setor de serviços, um dos mais abalados pela pandemia, encabeça a criação de empregos pelas micro e pequenas empresas, tanto no mês de março, quanto no acumulado do ano. No primeiro trimestre, o setor de serviços liderou a geração de empregos formais com 13,7 mil.

LEIA TAMBÉM

Saiba onde estão 1.000 empregos da Feira Virtual

Empregos formais crescem no Rio

Veja sugestões da Fecomércio RJ para proteger ‘vidas e empregos’

A indústria criou 7,5 mil vagas e o comércio abriu 2,7 mil novos postos de trabalho. Já as atividades que mais geraram vagas com carteira assinada foram comércio varejista de produtos farmacêuticos (849 vagas), construção de edifícios (795 vagas), hotéis (691 vagas), obras de montagem industrial (667 vagas) e minimercados e mercearias (645 vagas).

Em 2021, as micro e pequenas empresas de cinco municípios lideram a estatística de geração de empregos. A capital (7,5 mil empregos formais), seguido por Nova Friburgo (1,1 mil), Campos dos Goytacazes (1,1 mil ), Niterói (1 mil) e Nova Iguaçu (996 vagas) são as principais responsáveis pelo resultado positivo.