Imóveis

Schalom Grimberg, da SIG, fala sobre o futuro do Hotel Glória

“Rodeado de livros, plantas e ideias”: Shalom Grimberg é da SIG Engenharia, parceira do Opportunity na transformação do Hotel Glória em residencial de luxo

7 de junho de 2020
O Hotel Glória será restaurado e transformado em residencial de luxo (Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Chique é apelido. O Rio de Janeiro deve ganhar um endereço de luxo e muita história bem perto do Centro. Após anos de abandono, o Hotel Glória, patrimônio arquitetônico e cultural carioca, vai virar um prédio residencial com áreas de serviços e escritórios. O audacioso projeto está nas mãos de dois símbolos fortes do empreendedorismo e da construção civil carioca: o fundo de investimento do Opportunity e a SIG Engenharia.

Em recente live com os editores do DIÁRIO DO PORTO e com o empresário Marcelo Conde, da STX Engenharia, Schalom Grimberg, sócio da SIG Engenharia, revelou que o projeto de reestruturação para o Hotel Glória está a todo vapor e deve ser apresentado nos próximos meses à Prefeitura e aos órgãos de patrimônio.

“Estou rodeado de livros, plantas e grandes ideias. Estamos estudando cada detalhe da história, cada espaço do Glória, para resgatar os ares desse importante patrimônio da cidade”, disse Schalom Grimberg na live, que discutiu o futuro do mercado imobiliário.

A parceria da SIG Engenharia com o Opportunity, novo dono da bela construção, foi fechada no fim de maio. “É uma equipe com a qual tenho muito prazer em trabalhar. A premissa do nosso projeto é a inovação. Fizemos uma reunião e discutimos: o que mais podemos oferecer? O que podemos fazer melhor nesse trabalho?”


LEIA TAMBÉM

Coderte, Rodoviária do Rio e Setrans lançam “Embarque Consciente”

Hotelaria nacional priorizará turismo interno no pós-pandemia

Edifício A Noite, agora da SPU, segue sem vistoria dos Bombeiros


Quem é Schalom Grimberg

Schalom Gruimberg, da SIG Engenharia, a responsável pela reforma do hotel, entrou para o mercado imobiliário nos anos 1970. A família era de catedráticos: a mãe era advogada, com pós graduação na Sorbonne; o pai, fisico nuclear, professor de Engenharia e Física da UFRJ e diretor por 30 anos da Comissão Nacional de Energia Nuclear, mestre em Física Nuclear pela Universidade Sacle, de Paris.

Schalom Grimberg
Schalom Grimberg, da SIG Engenharia: empolgação com o projeto para o Glória

Schalom Grimberg tentou seguir os passos do pai na Física, mas acabou partindo para o mercado imobiliário com o irmão Otavio Grimberg, nos anos 1970. Participaram de grandes incorporação, produzindo e construindo mais de 100 edificações e “alguns milhares de moradias”. A SIG Engenharia é uma construtora de alto padrão, com tradição de parceria com os maiores grupos do setor imobiliário.

As principais marcas da SIG na cidade estão na Barra da Tijuca, como o Water Ways e o Saint Tropez, na Avenida  Sernambetiba, o shopping Uptown, o Hospital Unimed e o Dimension Office & Park. A SIG assina o Hotel Emiliano de Copacabana, o Icono Parque Flamengo e o OKA, na Lagoa, entre muitos outros. A empresa de Shalom Grimberg também está no ramo de condomínios populares do Minha Casa Minha Vida, com produção, no momento, de 3,5 mil unidades. 

Hotel Glória, do glamour ao abandono

Inaugurado em 1922 para as comemorações do centenário da independência do Brasil, o Glória foi projetado com área para cassino, shows, convenções, práticas de esportes e piscinas. Quem o desenhou foi o arquiteto francês Joseph Gire, também autor do Copacabana Palace e do edifício A Noite.

Situado no bairro da Glória e de frente para o Aterro do Flamengo, o hotel viveu seu auge nos tempos em que o Rio foi a capital da República. Era o preferido entre políticos e empresários. Entre seus hospedes ilustres, está o cientista Albert Einstein, em maio de 1925.

Eike Batista começou obras em 2010

A história de glamour do Hotel Glória foi interrompida de forma dramática em 2008, quando o grupo EBX o comprou por R$ 80 milhões. O então bilionário Eike Batista, que disputava o título de homem mais rico do Brasil, pretendia reformá-lo para que voltasse a ser o principal hotel da cidade.

As obras, iniciadas em 2010, foram paralisadas em 2013, dentro do quadro de decadência dos negócios de Eike. Em 2014, um grupo suíço chegou a comprar o hotel, mas desistiu do negócio, dois anos depois. O prédio acabou sendo adquirido pelo fundo de Abu Dhabi, o Mubadala, como parte da reestruturação de uma dívida de US$ 2 bilhões do empresário. No ano passado, foi vendido ao Opportunity.

Os novos investidores prometem que o empreendimento contará com apartamentos sofisticados e ampla estrutura para os moradores, preservando suas características arquitetônicas. “A ideia é que o comprador sinta que está morando no Glória. Será um prédio moderno, com áreas de lazer e todo tipo de comodidade, além da vista espetacular”, detalhou Schalom Grimberg.