São Gonçalo vai para final nacional em torneio de robótica | Diário do Porto


Educação

São Gonçalo vai para final nacional em torneio de robótica

Equipe de estudantes de São Gonçalo vence etapa regional de robótica e disputa o torneio nacional. Competição testa criatividade de crianças e adolescentes

11 de maio de 2021

Cerimônia de encerramento do Torneio de Robótica na Casa Firjan (Foto: Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


A grande campeã neste ano do Torneio Sesi de Robótica First Lego League (FLL) foi a Fênix Robots, da Escola Firjan Sesi São Gonçalo, na categoria Champion’s Award, a principal do evento. O Torneio é um programa internacional de exploração científica, no qual crianças e jovens têm o objetivo de usar a imaginação e a criatividade para investigar problemas do dia a dia e buscar soluções que contribuam para um mundo melhor. Criada há 23 anos pela First – uma organização não governamental dos Estados Unidos em parceria com o Grupo Lego -, a competição tem desafios diferentes a cada ano.

Neste ano, devido à pandemia, o evento foi on-line e contou com a participação de 34 equipes, de escolas públicas, privadas, e ONGs, com crianças e jovens de 9 aos 16 anos. Ao final, cinco equipes de robótica – três fluminenses e duas paulistas – foram classificadas para o Festival Sesi de Robótica, etapa nacional que acontecerá em 26 de junho, também no modo remoto.

Além de São Gonçalo, as outras quatro equipes classificadas foram TechnoZaccaColégio Santo Antônio Maria Zaccaria, Rio de Janeiro; Lego MastersAssociação Beneficente Comunitária Olhar de Laura, São Paulo; FrancoDroidLiceu Franco Brasileiro – Rio de Janeiro; Star Bots Votu – Lar Frei Arnaldo, Votuporanga – SP.

Robótica para tornar as pessoas mais ativas

O Torneio, que faz parte do calendário do Sesi Nacional, tem como pergunta-desafio “O que fazer para tornar as pessoas mais ativas na região onde vivem, seja no campo, na cidade ou em qualquer outro lugar?”. A conquista das vagas ocorreu nos dias 7 e 8 de maio. O público pôde acompanhar a abertura e a premiação do Torneio FLL ao vivo no YouTube da Firjan SESI: https://escolafirjansesi.com.br/robotica.

Em todo o Brasil, foram mais de 500 equipes inscritas na temporada regional da FLL. As equipes têm de 2 a 10 integrantes, com até 2 técnicos maiores de 18 anos. Neste torneio, além dos 25 grupos das Escolas Firjan SESI, participaram 6 equipes de colégios particulares, uma de escola pública municipal e duas de ONGs.  Além dos três prêmios principais, chamados de Champion’s Award, eles concorrem nas categorias: Projeto de Inovação, Core Values, Design do Robô, Desempenho do Robô e, a partir desta temporada, Prêmio do Técnico.

Torneio Sesi de Robótica começou em 2013

Criado no exterior em 1998, a competição propõe que estudantes sejam apresentados ao mundo da ciência e da tecnologia de forma divertida, por meio da construção e programação de robôs feitos inteiramente com peças da tecnologia Lego Mindstorm. No Brasil, desde 2013, o SESI é o operador oficial do torneio (etapas regionais e nacional).

Simone Caires, analista da Educação Básica da Firjan SESI, explicou que o torneio não é baseado apenas em programação e montagem de robôs. “Ele fomenta a área de ciência e tecnologia, inspira a colaboração, o respeito e o trabalho em equipe. O torneio da FIRST tem como premissa promover a cultura científica, através da robótica e da solução de problemas do cotidiano, por isso, destacamos que todo o torneio é muito mais que robôs”, avaliou.

A robótica faz parte da metodologia da Escola Firjan SESI, desde a educação infantil até o ensino fundamental. Na educação infantil, as crianças começam com experiências na modelagem e na investigação. A partir do 3º ano, iniciam no campo da programação.

“Trabalhamos com o conhecimento científico, o raciocínio lógico e o desenvolvimento do pensamento computacional. Mas a robótica tem viés multidisciplinar e vai muito além da programação, pois permite ao aluno uma mudança de postura, o desenvolvimento de habilidades e a aprendizagem em diferentes campos do saber”, afirma Simone.

 


 

LEIA TAMBÉM:

RJ reafirma liberdade de opinião em escolas públicas

Faperj investe R$ 10 milhões em inteligência artificial

Professor constrói biblioteca comunitária no Morro da Providência


/