Santo Cristo renasce com modernidade e charme | Diário do Porto


Geral

Santo Cristo renasce com modernidade e charme

Quem pensa no bairro do Santo Cristo com a cabeça pré-Orla Conde precisa correndo mudar seus conceitos sobre a Região Portuária. Pode começar trocando aquela imagem de escuridão e abandono por elementos que, normalmente, caracterizam as charmosas cidades europeias. É o que mostra perfil traçado pelo Sebrae-RJ.

5 de março de 2018



Compartilhe essa notícia:


Quem pensa no bairro do Santo Cristo com a cabeça pré-Orla Conde precisa correndo mudar seus conceitos sobre a Região Portuária. Pode começar trocando aquela imagem de escuridão e abandono por elementos que, normalmente, caracterizam as charmosas cidades europeias. Afinal, é o bairro mais impactado pelo moderníssimo VLT. Ganhou, em pouco tempo, grandes empreendimentos comerciais e hoteleiros, com arquitetura e tecnologia de ponta, e espaços coletivos criados com o moderno conceito de economia criativa e colaborativa e com muito charme.

Com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e na Rais (Relação Aual de Informações Sociais|), do Ministério do Trabalho, o Sebrae/RJ traçou o perfil de um bairro pujante, com 862 empresas e mais de 82 mil funcionários. Oito por cento desses empreendimentos têm menos de dois anos de funcionamento e 4%, mais de 50 anos de existência. A maioria absoluta é do setor de serviços (59%), com destaque para os ramos de transporte (25%) e de alojamento/alimentação (19%). A indústria representa 10%, com destaque para bens de consumo (34%).

“Aos poucos, o Santo Cristo começa a receber novas construções, empresas, restaurantes, bancos, que fomentam a ocupação consciente da região, ao atrair pessoas, moradores e novos empreendimentos locais”, aponta o Relatório de Inteligência do Sebrae/RJ do último mês de 2017.

Ícones do novo bairro 

O documento “Transformação do Santo Cristo: oportunidades com a requalificação urbana” é repleto de ícones do novo bairro. O mais recente é o Passeio Ernesto Nazareth, com mais de 6 mil metros quadrados de plantas nativas e mobiliário urbano inovador, com objetos encontrados nas escavações do Porto, como âncoras de navios. Em seguida, o relatório cita Porto Atlântico e Edifício Novocais Porto, torres de salas comerciais, lojas, centros de negócios e até galeria de artes. 

O relatório também ressalta a construção de dois hotéis de nível internacional. Um deles é o AC Hotel Porto Maravilha, na Rua Cordeiro da Graça 598, perto da Rodoviária Novo Rio, com 22 andares, 225 quartos e cinco salas de reunião. É da rede americana Marriott. Outro é o Novotel, da rede francesa Accor, voltado para a classe média, com oito salas de reunião. Fica no complexo comercial Porto Atlântico.

O Sebrae/RJ mediu entre 2016 e 2017 a percepção de pedestres, moradores e comerciantes sobre o Santo Cristo. Encontrou otimismo e ceticismo. Os elogios foram para limpeza nas ruas, conservação de calçadas, asfalto e fachadas de imóveis, sinalização e qualidade das lojas na vizinhança. Os pontos críticos: muitas lojas vazias, baixa oferta de produtos e serviços, distância entre os pontos comerciais, atendimento no comércio, segurança e iluminação pública.

Points descolados

No Santo Cristo, o caminho da modernidade não passa só pelos prédios envidraçados com elevadores que falam. O lugar mais charmoso é a Fábrica Bhering, um espaço plural de arte instalado no prédio de 1880 da antiga fábrica de chocolate. São seis andares, mais de 10 mil metros quadrados alugados para ateliês de pintura, fotografia, escultura, lojas de decoração, moda, livraria, arquitetura e design. Outro point dos descolados é o Impact Hub, que abriga coworking, espaço para workshops, eventos e galeria de arte, e reúne profissionais e estudantes que atuem em economia criativa e colaborativa. Quem imaginaria um espaço desses no Santo Cristo que o Viaduto da Perimetral escondia?

Oportunidades para negócios

Charme à parte, o potencial de empreendedorismo no Santo Cristo tem muito a ver com as âncoras geradoras de fluxo de pessoas e de oportunidades para comércio variado como lanchonetes, bares, restaurantes, pontos de hospedagem, salões de beleza, barbearias, farmácias, conveniências em geral. A mais conhecida e talvez a mais antiga é a Rodoviária Novo Rio, com circulação média de 50 mil pessoas por dia – 80 mil nos feriados. A unidade do Hospital do Câncer II (HCII) do Inca é outra âncora, um edifício com sete andares e 83 leitos em área de 6.200 metros quadrados, onde trabalham 490 funcionários. O Porto Atlântico, quando estiver funcionando a todo vapor, será outro polo local de geração de emprego e renda.

O estudo sobre o Santo Cristo feito pelo Sebrae/RJ, aliás, resultou em dicas importantes para os interessados em montar um negócio na região. Confira aqui.


/