Saiba como será feita pesquisa da Covid em Paquetá | Diário do Porto

Pandemia

Saiba como será feita pesquisa da Covid em Paquetá

De quinta a sábado, 17 a 19, será realizada testagem de todos os moradores de Paquetá. No domingo 20 aqueles que ainda não estão vacinados serão imunizados

17 de junho de 2021


Moradores fazem fila para pesquisa sorológica em Paquetá (Foto: Divulgação/Morena)


Compartilhe essa notícia:


Começou nesta quinta-feira 17 a pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)em Paquetá, em parceria com a Prefeitura do Rio. O experimento quer avaliar em quanto tempo a população poderá deixar as medidas restritivas, como isolamento social e uso de máscaras. Não há números precisos sobre a vacinação deste domingo 20 em Paquetá, mas a expectativa da Secretaria Municipal de Saúde é de que ao menos 1,5 mil pessoas sejam imunizadas.

O primeiro passo é um censo epidemiológico de todos os moradores de Paquetá para dimensionar a presença do coronavírus. A testagem dos moradores – inclusive crianças – acontece de quinta a sábado, em vários pontos da ilha. A partir da coleta de sangue, o objetivo é saber quantos já foram infectados e se desenvolveram anticorpos. Quem já tomou as duas doses do calendário (Coronavac, Astrazeneca ou Pfizer) também pode participar da coleta do sangue para a pesquisa.

A testagem será dividida em três etapas: os vacinados, os que não receberam a vacina (ou não podem se vacinar) e um terceiro grupo, chamado de “grupo de intervenção”, com pessoas acima de 18 anos ainda não vacinadas. A partir da testagem, ao identificar quem está positivo para a Covid-19, será avaliada qual variante está circulando na área. Guto Pires, presidente da Associação de Moradores de Paquetá, a Morena, calcula que pelo menos metade dos moradores da ilha, na qual moram muitos idosos, já está vacinada.

Pesquisa sorológica realizada em Paquetá vai até sábado (Foto: Divulgação/Morena)

Domingo tem primeira dose

O pesquisador da Fiocruz José Cerbiano Neto explica que as pessoas são totalmente voluntárias e assinarão um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Em qualquer momento da pesquisa, podem decidir se querem permanecer ou não. Nenhum nome será exposto pela prefeitura. “Nenhuma etapa é condicionante de outra. Pode colher o sangue e não se vacinar ou pode fazer as duas coisas e não participar do evento-teste”, disse ele.

No domingo 20, as pessoas do grupo de intervenção receberão a primeira dose da Oxford/Astrazeneca, produzida pela Fiocruz. Em oito semanas (meados de agosto), a segunda dose será aplicada no mesmo grupo. Hoje, a segunda dose da vacina do imunizanteé aplicada em 12 semanas, por conta da escassez de doses. Após a vacinação, haverá uma nova testagem para comparar os grupos e identificar a ‘soro-conversão”, a efetividade da vacina.


LEIA TAMBÉM

‘Não somos cobaias’, reage Paquetá a Carnaval fora de época

Enel doa equipamentos para acelerar vacinação no RJ

Inea e Marinha vão proteger a Baía de Ilha Grande


Primeiro dia da pesquisa sorológica realizada em Paquetá (Foto: Divulgação/Morena)

Carnaval fora de época

Sobre o carnaval fora de época, anunciado para setembro pelo prefeito Eduardo Paes e criticado pelos moradores, o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz explicou em live promovida pela Morena que a ideia é realizar uma festa sem o uso de máscara ou distanciamento social, para testar a eficácia da imunização dos moradores do bairro. Mas ressaltou que tudo vai depender da adesão dos moradores na primeira fase do estudo e da cobertura vacinal.

“Queremos fazer o teste com 100% das pessoas imunizadas, em um evento controlado, que só irá ocorrer 14 dias após a segunda dose e quando não tiver circulação do vírus na ilha”, afirmou. Sobre a insegurança de muitos moradores, o pesquisador da Fiocruz explicou: “Há uma grande diferença entre ser cobaia e voluntário. É importante que o morador queira participar com total ciência de tudo que irá ocorrer. A pesquisa segue normas éticas e a legislação.”

Voluntários que estão trabalhando na pesquisa estão sendo treinados para esclarecer a população. Aqueles que já tomaram a primeira dose devem aguardar o seu calendário para realizar a segunda dose. A vacinação de adolescentes a partir de 18 anos não está descartada, mas vai depender da inclusão deste grupo pelo Plano Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde.