RJ pode atrair projetos de energia eólica em alto-mar | Diário do Porto


Energia

RJ pode atrair projetos de energia eólica em alto-mar

17,5% dos investimentos em energia eólica offshore no país podem ser em águas fluminenses. Firjan discute oportunidades para empresas de óleo e gás e naval

30 de maio de 2021

Firjan debate produção de energia eólica offshore no Rio (Foto: Aker Solutions)

Compartilhe essa notícia:


O Estado do Rio de Janeiro pode se beneficiar do crescente investimento em energias renováveis. Recente estudo da Rystad Energy aponta que a indústria de energia eólica offshore acumulará investimentos de US$ 810 bilhões até 2030, o que vai elevar a capacidade global de geração dessa energia para 250 GW. No Brasil, estão em discussão 40 GW em projetos ao longo da costa, dos quais 17,5% podem ser instalados em águas fluminenses, aproveitando o forte potencial dos ventos em alto mar, que têm velocidade intensa e constante, o que eleva a produção de eletricidade.

Diante dessas perspectivas, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) avalia que o mercado offshore já instalado no estado deve se preparar para atender às novas oportunidades dos projetos de energia eólica offshore, uma das fontes de energia mais limpas e renováveis do mundo. O tema abre a websérie ‘Novas Energias’, que a Firjan promove nesta terça-feira, 1º de junho, a partir das 10h, em parceria com o Consulado da Holanda. Essa primeira edição tratará do desenvolvimento de eólicas offshore no Brasil e da experiência holandesa na implementação desses projetos.

De acordo com a Firjan, grandes empresas do mercado offshore, como as que atuam em petróleo, gás e indústria naval, têm planos de aumentar seus investimentos em novas energias. “Para a energia eólica offshore, a expertise e fôlego financeiro dessas companhias – intensificados pelos seus planos de sustentabilidade – são exemplos de razões que demonstram sinergia para posicionamento nesse novo mercado”, destaca a federação. Além da implantação de turbinas eólicas no alto mar, é possível criar parques eólicos em massas de água terrestres, como lagos, rios ou outras áreas costeiras.

Plataforma em alto mar
Plataforma de petróleo na Bacia de Campos: instalações podem ser usadas para exploração de energia eólica offshore (Foto: Divulgação)

LEIA TAMBÉM

Firjan: com mais exportações, economia dá sinais de melhora

Açu terá investimento privado em tancagem de petróleo

Firjan: demanda por gás natural deve duplicar até 2026


5 fatores para o interesse das petroleiras

• Experiência em projetos de petróleo e gás em águas cada vez mais distantes da costa ajuda com projetos de eólicas offshore que estão em alto mar, onde a velocidade dos ventos é menos instável;

• Fôlego financeiro para executar projetos de longo prazo, com custo de investimento menor do que projetos de petróleo e gás;

• Relacionamento já estabelecido com fornecedores em todo mundo;

• Compromisso com a sustentabilidade e energias renováveis;

• Existência de pesquisas que relacionam o uso da energia eólica offshore com aumento de produção de petróleo em campos próximos.

Sobre o evento

O webinar contará com a participação de Elbia Gannoum, presidente executiva da ABEEólica e vice-chair, board of Global Wind Energy; Rafael Torres, diretor de Desenvolvimento de Negócios da SBM Offshore; Niels Veenis, cônsul-geral adjunto e chefe do setor de Energia – Brasil do Consulado Geral dos Países Baixos no Rio de Janeiro; e Erick Aeck, diretor executivo da Van Oord – Brasil. Com moderação de Fernando Montera, coordenador de Relacionamento Petróleo, Gás e Naval da Firjan, a websérie é transmitida pelo Youtube neste link.