Carnaval

Riotur e Liesa não têm verba para ensaios técnicos no Sambódromo

Liesa diz não ter recursos para ensaios técnicos porque Prefeitura reduziu subsídio em 2018. Estado está quebrado, e Riotur ainda não atraiu empresas

7 de novembro de 2018
Casal de mestre-sala e porta-bandeira no Sambódromo (foto Aziz Filho)

Compartilhe essa notícia em sua rede social:
Casal de mestre-sala e porta-bandeira no Sambódromo
Casal de mestre-sala e porta-bandeira no Sambódromo (foto Aziz Filho)

O primeiro encontro do governador eleito, Wilson Witzel, com o prefeito Marcelo Crivella foi “institucional” demais, segundo os próprios, para falarem sobre o jogo de empurra que ameaça deixar turistas e cariocas sem os ensaios técnicos das escolas de samba no Sambódromo.

O clima na Cidade de Samba, entre carnavalescos e operários dos barracões, é de pessimismo. No carnaval deste ano, os ensaios técnicos não aconteceram por falta de verbas, o que pode se repetir no de 2019.

A direção da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) diz que não tem dinheiro para bancar os ensaios técnicos. A prefeitura, por sua vez, sequer bateu o martelo sobre o valor que repassará às escolas. Houve a expectativa de que o governo Pezão ajudasse, mas a situação do estado continua sendo de penúria.

Presidente da Riotur ainda busca empresas

Marcelo Alves, da Riotur
Marcelo Alves, da Riotur (reprodução)

O presidente da Riotur, Marcelo Alves, bate de porta em porta em busca de empresas privadas interessadas em salvar o evento.  A ideia é viabilizar, às pressas, um projeto pela Lei Rouanet. “Venho pessoalmente, diariamente, colocando toda energia, relacionamento e dedicação em buscar parcerias publicitárias e patrocínio”, diz Marcelo Alves.

A Liesa suspendeu o calendário dos ensaios por falta de verbas. No ano passado, a prefeitura cortou 50% da subvenção às agremiações. O custo é estimado em R$ 4 milhões. Para o Carnaval de 2019, a expectativa é que a Prefeitura mantenha o subsídio de R$ 1 milhão para cada uma das 14 escolas. Elas ainda buscariam R$ 500 mil pagos junto a patrocinadores pela Lei Rouanet.

VEJA TAMBÉM:

Carnaval fora de época será atração no Sambódromo

Saiba quais são os enredos do Grupo Especial em 2019

Além da importância para o turismo interno, o ensaio técnico é considerado importante pelas escolas para melhorar o desempenho no desfile oficial. Além disso, é uma oportunidade única para quem não pode pagar o preço dos ingressos do Sambódromo no Carnaval.

No fim de outubro, Riotur e Liesa renovaram o contrato de concessão do Sambódromo. O documento regulamenta o uso do espaço pelas escolas, assim como a venda de camarotes e frisas. O contrato vale por dois anos.

Compartilhe essa notícia em sua rede social: