Sustentabilidade

Rios da Baía de Guanabara terão projeto de conservação

Serão investidos R$ 3,5 milhões em projeto nas bacias dos rios Guapiaçu e Macacu, no entorno da Baía de Guanabara, por meio de convênio

12 de outubro de 2020
As bacias dos rios Guapiaçu e Macacu, no entorno da Baía de Guanabara, fazem parte de projeto de recuperação (foto: projeto Guapiaçu Grande Vida)

Compartilhe essa notícia:


O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro assinaram um convênio para ações que promovam a recuperação e a conservação da qualidade da água, em alguns rios da Região Hidrográfica da Baía de Guanabara.

Por meio do convênio, serão implementados dois projetos para o aumento da cobertura florestal e a promoção da agricultura sustentável na bacia dos rios Guapiaçu e Macacu, que deságua na Baía de Guanabara.

Haverá investimentos de cerca de R$ 3,5 milhões, previstos no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da Petrobrás, referente ao empreendimento do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

O documento foi assinado pela presidente e pelo diretor de Biodiversidade, Áreas Protegidas e Ecossistemas do Inea, Diane Rangel, e João Eustáquio, respectivamente; pelo procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, e pelo promotor José Alexandre Maximino.

Baía de Guanabara recebe águas da bacia hidrográfica

O convênio prevê atividades de assistência técnica e capacitação de proprietários rurais para conservação da água e do solo, restauração florestal, implantação de sistemas agroflorestais, o incentivo à produção orgânica e agroecológica, além da promoção do turismo rural. O projeto acaba beneficiando a própria Baía de Guanabara, pois os rios da bacia hidrográfica contribuem para a renovação de suas águas.

Estão previstas ações e recursos para melhorias no beneficiamento, comercialização e certificação de produtos. Isso busca fortalecer as cadeias produtivas sustentáveis da região. Cerca de 1.200 produtores rurais, nos municípios de Cachoeiras de Macacu e Guapimirim, serão beneficiados com a medida.

A presidente do Inea destacou a importância da parceria firmada entre o órgão e o Ministério Público. “Tenho certeza de que iremos avançar muito, na defesa do ambiente e da Baía de Guanabara. Estamos apostando nas intervenções por meio da engenharia verde, que são mais demoradas, porém possuem custos bem mais baixos”, declarou Diane.

 


Leia Também:

Turismo do Rio faz descontos para atrair turistas de SP e MG

Fiocruz quer investidor privado para novo laboratório

Edifício A Noite: edital para leilão está pronto