RioGamer terá sede no Porto Maravilha | Diário do Porto

Inovação

RioGamer terá sede no Porto Maravilha

RioGamer irá inaugurar sede na Região Portuária. Associação pretende atrair startups e capacitar jovens da região para o mercado de jogos eletrônicos

14 de setembro de 2021


Futura sede da RioGamer no edifício Novo Cais, no Santo Cristo (divulgação/RioGamer)


Compartilhe essa notícia:


A RioGamer, Associação de Games e e-Sports do Rio de Janeiro, escolheu o Porto Maravilha para instalar sua primeira sede. A entidade dará expediente no condomínio Novo Cais, no Santo Cristo. As obras na laje de 300m² instalada no 15º andar estão em estágio avançado. A previsão de Paulo Espanha, diretor-presidente da associação, é que o espaço seja inaugurado ainda em outubro.

Para Espanha, a escolha da Região Portuária foi estratégica para a RioGamer. “Nós acreditamos muito no desenvolvimento do Porto Maravilha. A região será uma das que mais crescerá no Rio de Janeiro nos próximos anos. E nós da RioGamer vemos o Porto com um potencial enorme para se tornar o principal hub de tecnologia e inovação do Rio”, disse.

Os planos da entidade são ousados. A intenção é transformar a nova sede num hub de geração de negócios e desenvolvimento de startups do mercado de games. Na fase inicial, a ideia é captar cerca de 10 pequenas e médias empresas. Num médio prazo, a associação espera ampliar as instalações para que possa hospedar até 50 empreendedores.


LEIA TAMBÉM:

Rio e SP lançam ‘Ponte-Aérea” turística

Vem aí a “Tiradentes Digital”

Brasil desperdiça energia e trava retomada da economia


RioGamer irá formar jogadores na região

Outro projeto da RioGamer é montar equipes de jogos eletrônicos como CBLOL, Fortnite, Free Fire e etc com alunos de escolas públicas e das comunidades da região. No início, a ideia é formar turmas com 20 jogadores. Desse grupo, sairão monitores que serão responsáveis pela montagem de novos times. A meta de Espanha é que em um futuro próximo a RioGamer se torne a maior formadora de “atletas” de games do País.

Quem não quiser seguir carreira nos consoles poderá fazer cursos de formação e capacitação para o mercado de e-Sports, em áreas como desenvolvimento de jogos, narrativa de games, roteirização, desenho gráfico e sonorização. “O brasileiro é dos povos mais criativos e inovadores do mundo. Tem um potencial incrível que precisa ser desenvolvido. Nossa proposta é informar e formar esses jovens para esse mercado. E vamos buscar parceiros e patrocinadores para isso”, concluiu.