Rio tem 4 navios do setor petrolífero com Covid-19 | Diário do Porto

Saúde

Rio tem 4 navios do setor petrolífero com Covid-19

Trinta marinheiros contraíram Covid-19. A Anvisa suspendeu as atividades nos 4 navios do setor petrolífero, para evitar crescimento dos casos

22 de abril de 2020
Há pelo menos 4 navios com casos de Covid-19 na Baía de Guanabara (foto: Agência Brasil)


Compartilhe essa notícia:


Há pelo menos 4 navios do setor petrolífero com casos confirmados de contaminação pelo novo coronavírus, na Baía de Guanabara. Cerca de 30 marinheiros estão com a Covid-19, dos quais uma parte já foi retirada das embarcações. Os casos são acompanhados pela Anvisa(Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O petroleiro Seven Sun, com 90 tripulantes, está em quarentena há uma semana, ancorado próximo à Ponte Rio-Niterói. O navio, de 145,9 metros de comprimento, foi contratado pela multinacional Subsea 7, até 2022. Nele, há oficialmente 3 infectados pelo novo coronavírus, dos quais um foi transferido para um hospital.

Na mesma situação, a embarcação Skandi Peregrino tem 5 casos confirmados de coronavírus e isolamento a bordo. Já o navio Fulmar tem 8 casos, com isolamento a bordo e também em um hotel, onde está parte da tripulação. O navio Navegantes Pride tem 14 tripulantes infectados, que estão em isolamento em um hotel de Niterói.

De acordo com a Anvisa, o isolamento dos marinheiros infectados pode ser realizado em suas próprias casas, em hotéis custeados pelas empresas contratantes, ou nos próprios navios. Entretanto, as estruturas e acomodações das embarcações muitas vezes impedem que o isolamento seja realizado nelas mesmas.

As atividades nos navios contaminados estão suspensas por determinação da Anvisa, com o objetivo de evitar novos casos da Covid-19. Os riscos nas embarcações são altos, pois os tripulantes estão sujeitos a longas cargas de trabalho, em espaço confinado.


LEIA MAIS:

Pequenos negócios podem ter socorro de até R$ 5 milhões

Marinha participa da desinfecção da Rodoviária do Rio

Cariocas ricos repetem fuga do Rio, como na época do Império


Não há prazo para que as atividades voltem a ser permitidas nas embarcações. Segundo nota da Anvisa, “o tempo de impedimento para cada navio poder variar de acordo com a data do último caso a bordo, e também com a estratégia de substituição da tripulação, por cada empresa”.

Segundo a ANP(Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), na última quinta-feira, 16, o setor do petróleo apresentava 162 casos de contaminação pelo novo coronavírus. A Petrobras decidiu não divulgar mais dados sobre contaminação de seus funcionários, alegando proteção à privacidade dos mesmos.

Contaminhação em Transatlânticos

A contaminação por coronavírus está acontecendo também em navios de passageiros. O transatlântico Costa Fascinosa permanece ancorado em quarentena, na área de fundeio do Porto de Santos, desde 17 março, quando atracou com 764 tripulantes e passageiros.

Os passageiros do Costa Fascinosa, que não foram contaminados, já tiveram saída liberada do navio. Seis contraíram a Covid-19, dos quais 2 morreram e 4 seguem internados. Dos tripulantes, 30 testaram positivo para a doença e 10 precisaram ser levados para atendimento hospitalar.