Rio passa Salvador como segundo destino mais buscado | Diário do Porto


Turismo

Rio passa Salvador como segundo destino mais buscado

Viajenet apura que Rio tomou lugar de Salvador, enquanto São Paulo segue em primeiro. Paraty e Angra dos Reis disputam última vaga em programa federal

6 de maio de 2021

Passageiro aguarda embarque no Aeroporto Santos Dumont, administrado pela Infraero (Foto: Agência Brasil)

Compartilhe essa notícia:


Um levantamento da agência on-line Viajanet mostrou que o aeroporto Santos Dumont, no Rio, passou o de Salvador como destino mais buscado em 2020 para voos nacionais. O primeiro lugar continuou sendo Guarulhos, em São Paulo, mas queda grande em relação ao ano anterior: de 15,7% da procura para 9,8%. O Santos Dumont ficou com 6,8% do volume, um crescimento na comparação a 2019 (5,4%).

Salvador, que em 2019 era o segundo, com 6,4%, em 2020 caiu para a terceira colocação, apesar de continuar no mesmo patamar: 6,5%. Recife (6%) e Fortaleza (5%) ficaram na lista em quarto e quinto lugares, respectivamente, mantendo o mesmo volume e posição de 2019. Congonhas, em São Paulo, apresentou a maior queda no ranking, caindo de terceiro em 2019, com 5,6% do volume, para sexto em 2020, com 4,8% do volume de destinos.

“O ano de 2020 foi dos mais complicados para o turismo em todo o mundo, e o Brasil não seria diferente. A pandemia obrigou as pessoas a ficarem em casa para que o avanço do vírus não fosse maior. Com isso, governos limitaram ao máximo as viagens e a própria conscientização da população fez com que o turismo tivesse enorme retração, principalmente no primeiro semestre de 2020, quando o mundo conheceu a pandemia”, informou a agência.

Em outro levantamento, a Viajanet inclui Petrópolis, na Região Serrana do Rio, como um dos destinos que estão “bombando” em 2021. Outros quatro são Lençóis Maranhenses, Jalapão (Tocantins), Chapada dos Veadeiros (Goiás) e Gramado (Rio Grande do Sul).

Para aqueles que querem um dia de descanso, mas ficar perto dos grandes centros, ou ainda conciliar o home office com uma viagem, a “cidade imperial” de Petrópolis surge como destino ideal em 2021. Reconhecidamente charmosa por preservar aspectos da época do Império no Brasil, o local consegue misturar um turismo histórico com belas paisagens naturais, atraindo tanto aqueles que pretendem ficar no centro e conhecer a cultura local, quanto os amantes da natureza que desejam fazer trilhas pelas cachoeiras da região”, recomenda o site.

A agência informa que diversos lugares impõem barreiras sanitárias e outros fecharam suas fronteiras. Entretanto, o início da vacinação em massa no país e as próprias políticas de prevenção adotadas por diversas cidades apontam para uma luz no fim do túnel. Destinos que combinam sensação de bem-estar, contato com a natureza e isolamento de aglomerações estão em alta e já acumulam alta na busca por passagens.

Paraty e Angra disputam projeto federal

Paraty e Angra dos Reis, ambas na região da Costa Verde, estão na disputa pela última vaga do projeto “Destinos Turísticos Inteligentes” (DTI), que será lançado pelo Ministério do Turismo. O Rio já está entre as dez selecionadas.

O projeto qualificará cidades para oferecer experiências que envolvam ação de governança; inovação; tecnologia; sustentabilidade; e acessibilidade. A metodologia tem a chancela da Sociedade Mercantil Estatal para a Gestão da Inovação e as Tecnologias Turísticas (SEGITTUR), da Espanha – instituição referência no segmento. São duas vagas por região do país.

O secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo, William França Cordeiro, apresentou a proposta na audiência pública da Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nesta quinta-feira 6, realizada na sede da Federação do Comércio do Estado (Fecomércio-RJ).

 


LEIA MAIS

Galeão é beneficiado por lei aprovada na Alerj

Modelo de privatização do Santos Dumont tem resistências no Rio

Rio Convention Bureau lança novo mapa turístico


 

Antes do início da pandemia do coronavírus, o turismo era responsável por 8% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e gerava 25 milhões de empregos diretos e indiretos. Cordeiro ressaltou a relevância do Rio neste cenário: “É um assunto de extrema relevância para o estado, um dos que mais podem ou devem usufruir dos benefícios dessa cadeia. Temos que olhar bem para o estado, que tem vocação natural para o turismo”, declarou.

Diretora do Departamento de Inteligência Mercadológica e Competitiva do Ministério do Turismo, Nicole Ferreira Facuri explicou que o DTI pode aumentar a competitividade de cidades brasileiras: “O mundo já está olhando para destinos turísticos inteligentes, e nós queremos trazer essa metodologia para o Brasil. O objetivo é que nossas cidades estejam em um patamar de maior competitividade no cenário internacional”, pontuou.

Conectividade será atrativo principal

Presidente da Comissão de Turismo, a deputada Alana Passos (PSL) disse que o projeto vai desenvolver metodologia e plano de transformação para municípios de todo o país. “Tenho feito visitas a municípios de todo o Rio de Janeiro, e vejo prefeitos e secretários abertos a ideias, com muita força de vontade. É aí que entra a Comissão de Turismo. Não tenho dúvida de que a retomada do setor vai dar certo”, frisou.

Adriana Balthazar e André Ceciliano
Adriana Balthazar, na foto com o presidente da Alerj, André Ceciliano (Divulgação)

Para tornar a experiência turística mais inteligente e menos burocrática, é fundamental que haja uma estrutura que permita amplo acesso à internet. Vice-presidente da comissão, a deputada Adriana Balthazar (Novo) destacou a importância de cobrar do governo federal ações que aprimorem a conectividade. “O turismo será o grande ‘boom’ pós-pandemia. Se há um projeto tão bacana à disposição, que usemos ele em nossa ‘cidade maravilhosa’. Para que dê certo, temos que cobrar do governo federal que o 5G chegue a todos”, declarou.

O secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo reforçou a necessidade: “Temos no município de Bonito (MS) um bom exemplo: Lá, pela internet, um turista sabe quando poderá visitar uma caverna com o número de pessoas que deseja. Em compensação, nas Cataratas do Iguaçu não há internet, e no Cristo Redentor o sinal é muito instável. Temos que fazer uma lista prioritária de implantação da tecnologia 5G”, destacou.