Rio Energy da Cury vende 60% das unidades em um mês | Diário do Porto


Imóveis

Rio Energy da Cury vende 60% das unidades em um mês

Novo empreendimento residencial da Cury no Porto, Rio Energy repete o sucesso do seu antecessor e vende mais da metade das unidades em menos de um mês

7 de março de 2022

Rio Energy vendeu 60% das unidades em menos de 30 dias (divulgação/Cury Construtora)

Compartilhe essa notícia:


Novo empreendimento residencial da Construtora Cury no Porto, o Rio Energy vendeu 60% das suas 793 unidades em menos de um mês de comercialização. A informação é do site “Diário do Rio”. Lançado no último dia oito de janeiro, o Rio Energy possui apartamentos studio e unidades com um, dois ou três quartos, com varanda, opção de suíte, vaga de garagem e lazer completo nas partes comuns.

Com valor médio de R$ 300 mil, o público-alvo do condomínio é o de famílias com renda em torno de R$ 5 mil. A expectativa era de repetir o grande sucesso alcançado com o Rio Wonder. Lançado em 2021, foi o primeiro residencial da Região Portuária e esgotou suas 1264 unidades em pouco mais de quatro meses.

O terreno, localizado na esquina das ruas Cordeiro da Graça e Equador, no Santo Cristo, faz parte do Passeio Ernesto Nazareth, parque urbano entregue como parte da revitalização da Operação Urbana Porto Maravilha. O Passeio está no coração do Distrito de Arte do Porto, grande galeria de arte urbana lançada em outubro e patrocinada pela Cury. Os dois conjuntos somam mais duas mil novas unidades residenciais no Porto. Com isso, a Região deve receber nos próximos anos mais de cinco mil novos moradores. Isso representa mais de 10% da população atual da área, estimada em cerca de 40 mil habitantes.

Para Leonardo Mesquita, vice-presidente da construtora, em poucos anos a Região Portuária se tornará um dos melhores lugares do Rio para se viver. “O que faltava aqui era gente morando. No mais, tem tudo. É central, tem boa-infraestrutura e o melhor modal de transporte do País, o VLT. E com mais gente chegando, os outros serviços que faltam vêm junto. Em 10, 15 anos aquela região estará toda ocupada”, estima o vice-presidente da construtora.


LEIA TAMBÉM:

Assassinato de jovem na Praça XV expõe o abandono da área

Estaleiros Caneco e Inhaúma procuram investidores

Olga de Mello: para começar um ano carioca

 

 


/