Rio é candidato à sede do Web Summit | Diário do Porto


Tecnologia

Rio é candidato à sede do Web Summit

Em viagem a Espanha e Portugal, Eduardo Paes vai se reunir com investidores em Madrid e irá a Lisboa apresentar candidatura do Rio à sede do Web Summit em 2023

28 de outubro de 2021

RIo é candidto à sede do Web Summit 2023, maior evento de tecnologia do mundo (divulgação/Câmara Municipal de Lisboa)

Compartilhe essa notícia:


O prefeito Eduardo Paes viajará nos próximos dias a Espanha e Portugal, onde irá se encontrar com investidores e visitar o Web Summit, um dos mais importantes eventos mundiais de tecnologia, transformação digital, empreendedorismo e inovação. A convite da organização do evento, Paes, acompanhado do secretário de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação (SMDEIS), Chicão Bulhões, irá conhecer pessoalmente a edição portuguesa do evento. O Rio é candidato a sede da edição de 2023.

Na sexta-feira, por intermédio da Invest Rio e da SMDEIS, o prefeito terá reuniões em Madrid com empresas de infraestrutura para apresentar a carteira de projetos das PPPs e concessões da cidade com o objetivo de atrair oportunidades de investimento para o Rio.

Na segunda e terça-feira, vão participar do Web Summit. O Rio de Janeiro está concorrendo com Porto Alegre e pode se tornar a primeira cidade na América Latina a receber o evento. Em 2017, o governo de Portugal estimou que o impacto econômico do Web Summit se aproximaria dos R$1,95 bilhão anualmente (€300 milhões).

Nos dias 15 e 16 de novembro, o VP Global do Web Summit, Artur Pereira, e o CEO da Connected Intelligence (empresa que administra a conferência), Paddy Cosgrave, vêm ao Rio conhecer de perto a proposta para a cidade ser a próxima sede deste grande evento. Para o cluster principal, é necessário um espaço que possa comportar de 60 a 70 mil visitantes/dia. Áreas como Parque Olímpico e Riocentro têm potencial para abrigar esse público.

Web Summit: a Olimpíada Digital

O evento teve início em 2009 na cidade de Dublin com cerca de 400 pessoas e objetivo de unir as startups tecnológicas com a comunidade investidora. Em 2016, já com um público médio de 60 mil participantes, Paddy Cosgrave, seu fundador, anunciou sua transferência para a cidade de Lisboa. Após dois anos de realização, o governo português anunciou um novo contrato no valor de €11 milhões anuais, estendendo para um período de mais 10 anos. O público participante é de áreas como: indústrias, fintech, autotech, energytech, venture capital, soluções de software empresariais, comércio eletrônico, deeptech, inteligência artificial, futuro das sociedades e big data.