Rio chega a 100 reservas particulares de Mata Atlântica | Diário do Porto


Sustentabilidade

Rio chega a 100 reservas particulares de Mata Atlântica

Reservas particulares são ações voluntárias de proprietários rurais interessados em preservação das matas. A centésima reserva do RJ fica em Varre-Sai

21 de junho de 2021

Reservas particulares de Mata Atlântica começaram a ser incentivadas no Rio em 2007 (foto: Agência Brasil)

Compartilhe essa notícia:


Com o reconhecimento no município de Varre-Sai de mais 2 Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), o Estado do Rio atingiu a marca de 100 unidades de áreas privadas de preservação da Mata Atlântica. No total, esse tipo de reserva já atinge 8.400 hectares no Estado, o equivalente a cerca de 8.400 campos de futebol.

As reservas reconhecidas na semana passada, em Varre-Sai, são a RPPN Pelegrini, que conta com área de 3,8 hectares, e a RPPN Velho Moinho, de 4,5 hectares.

As RPPNs são consideradas estratégicas para a conservação da Mata Atlântica, e nelas as atividades permitidas são educação ambiental, turismo e pesquisa científica. As reservas são criadas voluntariamente por iniciativa de seus proprietários e averbadas junto ao Registro Geral de Imóveis. O reconhecimento de reserva é feito pelo pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão vinculado à Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade.

Os avanços na conservação de terras privadas no Rio de Janeiro vêm ocorrendo no âmbito do Programa Estadual de Apoio às RPPNs, instituído em 2007, que oferece suporte técnico e orientação aos proprietários interessados.

Reservas particulares no Brasil chegam a 800 mil hectares

Em todo Brasil, existem mais de 1.600 RPPNs que preservam mais de 800 mil hectares de áreas naturais, conforme os dados divulgados pelo Painel da Confederação Nacional de RPPNs. A maioria delas está na Mata Atlântica.

Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, é recordista em número de RPPNs reconhecidas pelo Inea: são 17 reservas que totalizam 496,04 hectares de área de Mata Atlântica protegidas.

Os municípios de Silva Jardim, na Baixada Litorânea; Varre-Sai, no Noroeste Fluminense; Santa Maria Madalena, no Norte Fluminense, e Teresópolis, na Região Serrana, são os outros que abrigam um expressivo número de RPPNs reconhecidas pelo órgão ambiental estadual.

Silva Jardim conta com 10 reservas que somam 133,9 hectares de área protegida; Varre-Sai, com oito reservas que somam 125,6 hectares; Santa Maria Madalena, com sete reservas, abrangendo 127,7 hectares; e Teresópolis, com sete reservas que englobam 117,94 hectares de Mata Atlântica.


LEIA TAMBÉM:

Rio antecipa vacinas. Bar Luiz e Rio Scenarium estão de volta

Sebrae Rio discute o turismo na pós-pandemia

Estado do Rio é 5º melhor para empresas, mas sofre com impostos


/