Reforma da sede da Petrobras fortalece a recuperação do Centro | Diário do Porto

Empresas

Reforma da sede da Petrobras fortalece a recuperação do Centro

Concluído em 1974, edifício-sede da Petrobras se integrará a circuito turístico do Centro e terá coworking para receber start-ups. Obra gerará 1.600 vagas

20 de julho de 2021


Sede da Petrobras, localizada na Avenida Chile, no Centro do Rio, está sendo totalmente reformada (Foto: André Motta de Souza / Agência Petrobras)


Compartilhe essa notícia:


Em tempos de Reviver Centro, que tal um ‘banho de loja’ gigante em um dos principais símbolos da paisagem e da movimentada vida empresarial da região?! A Petrobras anunciou esta semana a primeira grande reforma em seu Edifício-Sede (Edise), desde que foi inaugurado há quase 50 anos, na Avenida Chile. Mas não é só a aparência do lado de fora desse ícone da arquitetura nacional que vai mudar. A ideia da empresa é ajudar também a fortalecer a revitalização e modernização do Centro do Rio.

O projeto arquitetônico prevê a integração do Edise ao circuito turístico e cultural da região. Pedestres que fazem o trajeto do bondinho de Santa Teresa à Catedral Metropolitana vão passar por dentro da área do edifício, onde haverá espaços de exposições e cafeteria. O térreo ganhará até espaço de coworking para receber startups. Os jardins interno e externo, projetados pelo paisagista Burle Marx, serão revitalizados, mantendo sua configuração original, tombada pela prefeitura.

A fase de desocupação do prédio foi concluída e a desmontagem dos ambientes internos, iniciada esta semana. No pico das obras, cerca de 1.600 trabalhadores serão contratados. A reforma do ‘QG’ da Petrobras vai durar até 2023, quando o Edise completará seu jubileu de ouro. A primeira etapa deve ser concluída no primeiro semestre de 2022. Depois disso, seguirá com o prédio parcialmente ocupado até a conclusão das obras. Não foi divulgado o valor do investimento na reforma.


 

LEIA TAMBÉM

Amarelinho e La Fiorentina estão de volta à cena carioca

Paes sanciona Reviver Centro, com incentivos para moradias

Comércio do Centro também quer ‘harmonizar’ camelôs


Espaço para o dobro de funcionários

Hoje, o edifício-sede da Petrobras comporta até 5.800 colaboradores simultaneamente, número que será ampliado para 7 mil após as reformas, mas poderá chegar a 11,5 mil, com a adoção do regime permanente de teletrabalho, anunciado em agosto de 2020, para os empregados de regime administrativo. O modelo tem adesão voluntária e limite de até três dias por semana. A nova sede também representará economia de custos, com sistema de reaproveitamento de água da chuva para os jardins e torres de resfriamento, além da instalação de painéis energia solar no topo do prédio.

Considerado um marco na arquitetura nacional, o Edise foi construído entre 1969 e 1974. O projeto arquitetônico foi escolhido por meio de um concurso, em nível nacional, organizado pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), do qual participaram mais de 200 escritórios de construção civil. O projeto vencedor foi liderado pelo arquiteto Roberto Luis Gandolfi. Em sua concepção original, o prédio já era arrojado e inovador para a época, com espaços na fachada que criam interação entre as áreas internas e externas, com proteção contra o sol e o calor.

Modelo de escritório inteligente

Para os empregados da Petrobras, o projeto inclui a implantação do modelo de smart-office, no qual a ocupação e a gestão dos escritórios é mais eficiente por meio de soluções tecnológicas como agendamento de salas de reunião e estações de trabalho por aplicativo. Nas salas de reunião, serão instaladas paredes escrevíveis e outros recursos que facilitem a aplicação de metodologias ágeis de planejamento. No térreo, serão montadas pequenas arenas que poderão ser utilizadas para atividades diversas pelos colaboradores.

Segundo a empresa, a ideia é criar um ambiente de trabalho moderno, diverso, sustentável e com design inclusivo e produtivo. “Os novos modelos de instalações promoverão o uso de tecnologia, alinhando o edifício à estratégia da Petrobras de otimização de custos, aumento contínuo da produtividade, e contribuindo para o processo de transformação digital e de cultura organizacional pelos quais a Petrobras vem passando”, informou.