Recurso bilionário do Fundo Soberano pode ir para gás, energia e fertilizantes | Diário do Porto


Investimentos

Recurso bilionário do Fundo Soberano pode ir para gás, energia e fertilizantes

André Ceciliano defende que recurso do Fundo Soberano seja utilizado para investimentos em gás, energia e produção de fertilizantes

29 de março de 2022

Cláudio Castro e André Ceciliano se cumprimentam em evento do anuncio do primeiro repasse do Fundo Soberano no Palácio Guanabara (Rafael Wallace/Alerj)

Compartilhe essa notícia:


Durante o anúncio do primeiro repasse de R$ 2,1 bilhões ao Fundo Soberano do Estado em evento no Palácio Guanabara, o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano, disse que o recurso poderá ser utilizado para investimentos estruturantes. Como exemplos ele citou a construção do gasoduto Rota 4b, que prevê o escoamento do gás produzido no Campo de Bacalhau, na Bacia de Santos, por Itaguaí; a criação de um polo industrial para a produção de fertilizantes no território fluminense, além da ampliação da distribuição de energia para o interior do Estado.

“O Fundo Soberano já tem R$ 2,1 bilhões logo na largada. Não tenho dúvidas de que este ano também será positivo na arrecadação de royalties, que já está 30% acima em relação ao ano anterior. Então, a gente consegue prever um superavit bem maior. Agora, é discutir investimentos estruturantes, como a questão dos fertilizantes, da Rota 4b, que o governador também tem conversado muito com o Governo Federal. Vamos viver um círculo virtuoso a partir deste momento”, celebrou Ceciliano.

Presente ao evento, o governador Cláudio Castro destacou que o recurso será usado para pensar o futuro do Rio e dar mais credibilidade às propostas de novos investimentos no estado. “Queremos que o investidor perceba que estamos buscando a nossa suficiência financeira, um estado que não quebra contratos e não deve a fornecedores. Agradeço muito à Alerj por ter compartilhado com o governo essa ideia. Hoje, pensamos o estado em conjunto, olhamos para a nossa população e trabalhamos para o Rio dar certo”, afirmou Castro.

Criado pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), por meio da Emenda Constitucional 86/21, de autoria original do presidente Ceciliano, o Fundo Soberano é uma aplicação financeira com reserva de recursos excedentes dos royalties da produção de petróleo e gás. O Fundo se destina, principalmente, a financiar projetos estruturantes voltados ao desenvolvimento do Rio. Recentemente, a Alerj começou a discutir com o Governo do Estado e institutos de pesquisa a criação de um Centro de Excelência em Fertilizantes.

Ceciliano destacou no evento que o Brasil importa 85% dos fertilizantes usados no País e que o estado tem tecnologia, matéria-prima e mão de obra qualificada para investir na área.  O presidente ainda lembrou que esta semana o Legislativo fluminense irá analisar um projeto de lei que cria o Plano Estadual de Fertilizantes. Entre as condições que permitem que o estado empreenda na produção desses insumos à agricultura – contribuindo para a redução da dependência externa do Brasil – está a ampliação da malha de dutos que trazem gás natural dos poços de petróleo até as unidades de processamento.


LEIA TAMBÉM:

Leitura sem compromisso

Prefeitura prorroga concurso de fotografias sobre o Centro]

A Anac vai quebrar o Galeão antes da nova privatização


Fundo pode financiar projetos de energia no interior

Desde o ano passado, a Alerj vem percorrendo as regiões do estado para apresentar o Fundo Soberano às autoridades locais e representantes dos setores produtivos, sindicatos e associações. Entre os gargalos estruturais citados está o abastecimento de energia insuficiente em 13 municípios do interior. “Ouvimos muito no Noroeste esta reclamação e sabemos que é possível corrigir esses problemas com poucos recursos. As indústrias não conseguem ampliar a produtividade por falta de energia elétrica. Não podemos mais permitir isso”, disse o presidente.

 


/