Prefeitura vai conceder Museu do Amanhã à iniciativa privada | Diário do Porto


Política

Prefeitura vai conceder Museu do Amanhã à iniciativa privada

Novo secretário de Cultura, Adolpho konder, quer lançar em 15 dias o edital para concessão do Museu do Amanhã, que ultrapassou 4 milhões de visitantes

3 de setembro de 2019

Adolpho Konder, novo secretário municipal de Cultura. (Foto: Marcos de Paula/Prefeitura do Rio)

Compartilhe essa notícia:


O novo secretário municipal de Cultura, Adolpho konder, 46, assumiu o cargo prometendo lançar em 15 dias um edital para conceder o Museu do Amanhã à iniciativa privada.

A promessa, ainda sem detalhes, pode significar um novo modelo para gestão do museu, no qual a Prefeitura não tenha mais que contribuir para sua manutenção e possa até receber pela concessão. Na modalidade atual, a Secretaria Municipal de Cultura contrata um gestor privado e paga por parte das despesas anuais da instituição.

Na semana passada, uma carta assinada por 90 cariocas do movimento Juntos Somos + Rio pediu ao prefeito Marcelo Crivella iniciativas para evitar que a instituição seja fechada. Realizar a licitação e concluí-la até novembro é condição básica para que o museu continue funcionando normalmente após o final daquele mês, quando vence o contrato da Prefeitura com o IDG, o atual gestor. Nos cinco anos de trabalho do IDG, o museu se tornou uma referência internacional e superou a casa dos 4 milhões de visitantes.

Durante os últimos meses, a Secretaria Municipal de Cultura recebeu sugestões para a elaboração da nova licitação, inclusive com a possibilidade de o modelo ser uma concessão, como quer o novo secretário. No modelo sugerido, a nova gestão dependeria apenas de parcerias com mantenedores privados e de suas próprias receitas.


LEIA TAMBÉM:

Prefeitura do Rio abre guerra contra a Light

Bradesco negocia compra do Porto Atlântico, da Odebrecht

Firjan entra na briga pelos museus do Porto


Isso é praticamente a situação vivida pelo Museu do Amanhã neste ano. Do orçamento total previsto para 2019, R$ 33 milhões, o apoio com que a Prefeitura se comprometeu foi de R$ 2 milhões, dos quais foram repassados até agora R$ 580 mil. O restante das despesas do museu tem sido coberto por patrocínios privados e pela próprias receitas de bilheteria e eventos. Entre os custos fixos da instituição estão funcionários, energia e manutenção de equipamentos complexos, seja na área de exposição, ou no sistema de drenagem, que evita a inundação do prédio pelas águas da Baía de Guanabara.

O Juntos Somos + Rio mostrou na carta a Crivella a preocupação também com a continuidade do Museu de Arte do Rio (MAR) e da Cidades das Artes. Os integrantes do movimento se colocaram à disposição do prefeito para a busca de soluções.

Adolpho Konder assume o cargo após Mariana Ribas ter pedido demissão no início de agosto, fazendo críticas à falta de recursos para a Secretaria de Cultura. O novo secretário ocupava desde maio a presidência da MultiRio (empresa municipal de multimeios, ligada à Secretaria Municipal de Educação). Konder é advogado, com pós-graduação em Ciências Políticas, Gestão Social e Direitos Humanos e mais de 20 anos de experiência como gestor público.