Prefeitura tenta novamente vender terreno no Porto | Diário do Porto


Imóveis

Prefeitura tenta novamente vender terreno no Porto

Lance mínimo para o terreno é de R$ 9,53 milhões, 30% a menos do que na primeira tentativa de venda. Rio tem o m² de área construída mais caro do país

4 de outubro de 2019

Terreno em que a Marinha quer construir apartamentos já teve galpões da região portuária (foto: Cdurp)

Compartilhe essa notícia:


A Cdurp (Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro), empresa da Prefeitura, vai tentar pela segunda vez vender um terreno de 4.900 m², em Santo Cristo, no Porto Maravilha. Para não fracassar de novo, reduziu o preço em cerca de 30% e espera ofertas até o dia 30.

Na primeira tentativa, não houve propostas na concorrência que se encerrou no dia 12 de setembro. Naquela ocasião, o valor mínimo pedido era de R$ 13,6 milhões. Como ninguém se habilitou, a Cdurp entendeu que o preço estava acima da realidade de mercado e resolveu oferecer a área agora pelo maior lance acima de R$ 9.530.000,00, uma redução de R$ 4,07 milhões em relação ao preço original.

Em entrevista ao DIÁRIO DO PORTO, o novo presidente da Cdurp, Tarquínio de Almeida, disse que a frustração na primeira tentativa de venda serviu ao menos para que a Prefeitura tivesse uma noção mais aproximada do potencial dos terrenos do Porto.

“Vimos que o preço pedido não atraiu investidores. Então sabemos que nossa régua estava alta de mais para o mercado“, disse Tarquínio.

A venda é pela modalidade da maior oferta e os interessados devem fazer o depósito de um sinal de 5% do valor mínimo, para terem direito a participar da concorrência, que será devolvido às propostas derrotadas.


LEIA TAMBÉM:

CSN é acusada de poluir rio Paraíba do Sul, no RJ

Roda Gigante Rio Star contratará moradores do Porto

O corpo que voa: saúde nas viagens de avião


O terreno que a Cdurp quer vender fica em área que já foi ocupada por galpões de escolas de samba do grupo de acesso, na rua Equador, esquina com a avenida Pereira Reis. A demolição das antigas estruturas foi feita no ano passado.

Vizinhos ao terreno ficam estações do VLT e os hotéis Intercity e Novotel Porto Atlântico. Estimativas da Cdurp apontam que a região portuária tem capacidade para 400 mil moradores, que hoje não passam dos 30 mil. Somente 0,47% da população do Rio reside nos bairros do Porto, apesar de 35% dos empregos da cidade estarem no Centro.

O M² mais caro do país

Pesquisa divulgada pelo Grupo Zap mostrou que, mesmo com a crise prolongada, o Rio de Janeiro ainda é a cidade com o m² de área construída mais caro do Brasil. O preço médio do m² de imóveis prontos na cidade está avaliado em R$ 9,3 mil, superando São Paulo (R$ 8,9 mil), a capital segunda colocada, e muito acima do preço médio dos imóveis no país (R$ 7,1 mil).

Os preços altos do Rio são parte da explicação para o fato de o mercado imobiliário local estar demorando para reagir. Segundo dados divulgados pelo jornal O Globo, as vendas na cidade do Rio tiveram crescimento de 40% no primeiro trimestre deste ano, mas voltaram a cair no segundo trimestre, ficando abaixo do resultado em igual período do ano passado.

 


/