Pós-Capitólio, Maricá interdita pontos turísticos | Diário do Porto


Turismo

Pós-Capitólio, Maricá interdita pontos turísticos

Técnicos constataram risco geológico de queda de estruturas rochosas em dois pontos turísticos da cidade. Ação é reflexo do acidente em Capitólio

19 de janeiro de 2022

Para evitar acidentes como o de Capitólio, Maricá interdita pontos turísticos como a Gruta da Sacristia, na praia de Jaconé (divulgação/Prefeitura de Maricá)

Compartilhe essa notícia:


A Secretaria de Proteção e Defesa Civil de Maricá interditou o acesso à Gruta da Sacristia, em Jaconé, e à Cachoeira do Espraiado, após técnicos contatarem riscos geológicos com quedas de rochas nos locais que são dois importantes pontos turísticos da cidade que atraem muitos visitantes. A ação é reflexo direto do acidente ocorrido em Capitólio, em Minas Gerais, no último dia 8, quando uma grande estrutura rochosa desabou sobre lanchas com turistas que visitavam cânions na Represa de Furnas, na região conhecida como “Mar de Minas”.

“Essas interdições são de suma importância, pois coloca em risco eminente a vida de pessoas em nosso município e todas as medidas com outras pastas do governo já estão sendo tomadas. Estamos trabalhando de forma integrada para que esses pontos turísticos sejam reabertos o mais rápido possível e voltem a sua frequência normal com moradores e turistas”, afirmou o secretário de Proteção e Defesa Civil, Fabrício Bittencourt.

Na Gruta da Sacristia, foi constatado no último sábado o risco de queda de pequenos blocos rochosos e zonas que apresentam fraturas abertas, oxidadas e desplacamentos na parte superior da estrutura, fator causado pela intensa e contínua alteração causada pela água do mar.

De acordo com o laudo, os pequenos blocos rochosos estão muito próximos da ponta da estrutura, que tem aproximadamente quatro metros de altura e localizam-se exatamente, acima da área em que moradores e turistas normalmente se posicionam para fotos. Para que o espaço volte a ser utilizado, será necessária intervenção da empresa de Serviços de Obras de Maricá (Somar) para a retirada dos blocos soltos que oferecem o risco de queda.

Após vistorias na Cachoeira do Espraiado, na quarta-feira da semana passada, os fiscais detectaram a existência de risco geológico muito alto para a área da cachoeira e optaram pela interdição do ponto turístico, na área onde está localizado o Bar do Binho. Há risco de queda de blocos de rocha de construção do muro e a possibilidade de uma árvore de grande porte cair na cachoeira, num trecho que normalmente é ocupado por banhistas. Já na outra margem da cachoeira, vários blocos de rocha encontram-se instáveis na encosta, apresentando risco de queda.

Para a utilização segura do espaço, a Somar terá que retirar todo o muro de construção, substituindo-o por uma construção que resista ao alto fluxo d`água. Também será necessária a estabilização dos blocos de rocha presentes na margem florestada. Caberá à Secretaria de Cidade Sustentável observar a instabilidade da árvore de grande porte e determinar a solução que será tomada.


LEIA TAMBÉM:

Fecomércio RJ: Ômicron impactou cerca de 60% do setor de serviços

Lixo invade praias da Ilha do Governador

Regime de Recuperação Fiscal: o RJ fez a sua parte