Porto Maravilha recebe evento LGBTQIAP+ | Diário do Porto


Evento

Porto Maravilha recebe evento LGBTQIAP+

Evento no Porto Maravilha acontece entre os dias 28/06 e 3/07 e promove shows, debates e arte. Expectativa é reunir 100 mil pessoas

26 de junho de 2022

A programação é gratuita e se estende até domingo (3/7) em toda região do Porto Maravilha (Foto: Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


A região do Porto Maravilha celebra o mês do orgulho LGBTQIAP+ com a primeira edição do Triboq Pride Festival. A programação, que é gratuita, começa no dia 28/6 e se estende até domingo, dia 3/7. O evento na região central do Rio de Janeiro tem seis dias de uma programação com shows, debates, feira e muita arte.
O festival ocupa toda a região portuária e está dividido entre os espaços Palco Vera Verão, que receberá os shows na praça Mauá; Palco MAR, com os pockets-shows no Museu de Arte do Rio; Lugar Q Fala, para debates, escuta e trocas ativas sobre a comunidade LGBTQIAP+ no auditório do Museu do Amanhã; e Feira Queer, onde cerca de 30 empreendedores apresentam suas marcas independentes no espaço do Museu de Arte do Rio (MAR).
No Palco Vera Verão acontecem shows de artistas como de Maria Gadu, Majur, Ju Moraes, Rebecca e Romero Ferro, entre outros nomes importantes nomes para a representatividade LGBTQIAP+. O coordenador executivo da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio de Janeiro, Carlos Tufvesson, ressalta a importância do evento. “Acho bastante importante o evento, ainda mais abordando temas como empregabilidade, integração e direitos civis. Que bom que esteja acontecendo na cidade do Rio de Janeiro. Tem tudo a ver com o Rio.”, afirma.

LEIA TAMBÉM:

Firjan prevê investimentos de R$ 20 bilhões em gás natural

Portugal discute como desenvolver economia marítima no Rio

Maricá facilita acesso a medicamentos especiais


O Triboq, agora no Porto Maravilha

A Triboq nasceu do Candybloco em 2017, no verão carioca. Não demorou muito para que o bloco de versões abrasileiradas de hits de divas pop se tornasse um movimento que integrava não só a música, como também diversas ações de cunho social, político e econômico em seus shows e eventos.

“Olhando para o universo que criamos, para a expressão cultural e social da nossa comunidade LGBTQIA+, sua diversidade, identificamos a nossa tribo”, afirma Mickael Noah, responsável pelo projeto.

Beni Falcone, vocalista e um dos criadores da TriboQ, dedica seu talento para celebrar a diversidade. “Ficou nítida a necessidade de fazermos mais pela nossa tribo, pelas dezenas de milhares de pessoas que fazem parte desse universo que criamos junto a eles”, conclui.


/