REFIT movimentará 214% a mais de petróleo no Porto | Diário do Porto


Petróleo e Gás

REFIT movimentará 214% a mais de petróleo no Porto

REFIT é uma refinaria privada criada em 1954. Transferência de petróleo e derivados pelo Porto do Rio usará oleoduto de 6.818 m de extensão

24 de setembro de 2019

No dia 13/9, foi realizada uma manobra experimental com o navio Stena Performance, próximo ao Museu do Amanhã (foto: CDRJ / Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


A cadeia produtiva do petróleo continua a dar sinais de recuperação no Estado. A boa notícia agora vem do Porto do Rio de Janeiro, que espera voltar a transferir cerca de 800 mil toneladas de petróleo e derivados por ano para os tanques da REFIT, novo nome da Refinaria de Manguinhos.

As informações, divulgadas pela assessoria da CDRJ (Companhia Docas do Rio de Janeiro), mostram que esse volume, que será alcançado daqui a dois anos, corresponderá a um acréscimo de 214% na movimentação desse tipo de carga no porto, em relação a 2018.

Para o diretor de Gestão Portuária da CDRJ, Shalon Gomes, “essas perspectivas trazem um grande otimismo para a movimentação de granéis líquidos no Porto do Rio de Janeiro, tendo em vista que essa carga teve presença significativa em 2003 e 2004, quando os desembarques de petróleo cru para a Refinaria de Manguinhos eram da ordem de 700 mil toneladas ao ano”. Ou seja, uma recuperação para índices que já haviam sido alcançados há quase duas décadas.

Para chegar a esse objetivo, o quadro de boias da CDRJ, localizado ao norte do Terminal de Cruzeiros do Porto do Rio de Janeiro, nas proximidades do Museu do Amanhã, está em fase final de testes para voltar a ser utilizado nas operações, depois de sete anos de inatividade. No dia 13 de setembro, foi realizada uma manobra experimental com o navio “Stena Performance”, que possui 182,9 m de comprimento e 40 m de boca.


LEIA TAMBÉM:

Navio-livraria é missão religiosa de origem européia

Ocupação do Novotel Porto Atlântico cresce 206%

Tristeza não tem fim? Pode ser depressão


A retomada das operações no quadro de boias tem por finalidade realizar a transferência de petróleo e derivados para os tanques de armazenamento da REFIT, por meio da conexão com um oleoduto de 6.818 m de extensão (sendo 3.543 m de trecho terrestre e 3.275 m de trecho marítimo).

Segundo a CDRJ, o projeto leva a REFIT a um novo patamar logístico e operacional, fortalecendo a perspectiva de novos negócios. Para o presidente da REFIT, Jorge Monteiro, a expectativa inicial aponta para uma movimentação de, aproximadamente, 33 mil toneladas de granel líquido por atracação, sendo previsto um navio por mês no primeiro ano, e dois navios por mês a partir do segundo ano, quando se espera uma movimentação anual em torno de 800 mil toneladas.

REFIT

A Refinaria de Manguinhos, atual REFIT, é uma empresa privada que começou a operar em 1954, durante a campanha “O Petróleo É Nosso”, no ano seguinte à fundação da Petrobras. Desde 2008, é controlada pelo Grupo Andrade Magro, que investiu mais de R$ 100 milhões na modernização de suas plantas de refino e de tancagem. O grupo detém 60% das ações, sendo o restante dividido entre 7.000 acionistas, com papéis negociados na Bolsa de Valores. A empresa gera cerca de 300 empregos diretos. Em março deste ano, obteve decisão favorável na Justiça em processo que move contra o Estado do Rio, por ter ficado paralisada entre 2012 e 2014, após um decreto de desapropriação feito pelo Governo da época. O valor da indenização não foi informado. O atual Governo disse que iria recorrer.


/