Porto do Rio quer superar o recorde de faturamento de 2019 | Diário do Porto


Navegação

Porto do Rio quer superar o recorde de faturamento de 2019

Companhia Docas faturou R$ 500 milhões, no ano passado. Houve crescimento de 3,4% na movimentação de cargas no Porto do Rio, com 7,42 milhões de toneladas

18 de fevereiro de 2020

Porto do Rio emprega cerca de 5 mil pessoas diretamente e 12,5 mil indiretos (foto: CDRJ / divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Neste ano, a Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) espera superar o faturamento de R$ 500 milhões obtido em 2019, recorde na história da empresa. O desempenho significou um crescimento de 14,5% na receita, em relação ao ano anterior.

O bom resultado financeiro se deve em parte ao crescimento de 3,4% na movimentação de cargas no Porto do Rio de Janeiro, alcançando um total de 7,42 milhões de toneladas, no ano passado. A CDRJ administra ainda os portos de Itaguaí, Niterói e Angra dos Reis.

As maiores altas no Porto do Rio foram atingidas na movimentação de contêineres e de granéis sólidos, que aumentaram 4,7% e 22,3% (em tonelada), respectivamente. Os dois tipos de carga somam juntos cerca de 87% da movimentação total do porto.

Um dos destaques positivos do Porto foi o registrado pelo Terminal ICTSI Rio, que movimentou 1,76 milhões de toneladas de carga conteinerizada em 2019, número 13,8% superior ao de 2018.


LEIA TAMBÉM:

Direção da Caixa Econômica vai para o edifício Aqwa, no Porto

Marinha quer construir 320 apartamentos no Porto Maravilha

20 anos após desastre da Petrobras, Mangue Vivo luta pela Baía


Também teve bom desempenho a movimentação realizada pela Triunfo Logística no Porto, com um total de 2,4 milhões de toneladas em 2019, o que corresponde a um aumento de 9,4% em relação a 2018. A principal carga movimentada pela Triunfo foi o ferro gusa, com 1,4 milhões de toneladas no ano passado.

O maior percentual de acréscimo do faturamento da CDRJ no ano passado foi registrado pelo Terminal de Itaguaí, com 26,7%. A alta foi puxada pelo crescimento da movimentação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), combinado com a elevação do preço do minério de ferro e do dólar.

O diretor-presidente da CDRJ, Francisco Antonio de Magalhães Laranjeira, afirmou no final do ano passado que é importante elevar cada vez mais o faturamento da Companhia. “A estimativa para o ano de 2020 é de que o ritmo de crescimento se mantenha a partir da busca constante de eficiência administrativa e melhoria dos processos”, disse Laranjeira.


/