Porto do Açu planeja primeira usina de hidrogênio verde do país | Diário do Porto

Inovação

Porto do Açu planeja primeira usina de hidrogênio verde do país

Hidrogênio verde é fonte de energia alternativa, que não gera gases poluentes. Projeto prevê usá-lo na fabricação de aço, fertilizantes e produtos químicos

13 de abril de 2021
Porto do Açu inicia estudos de viabilidade para instalar usina de hidrogênio verde (Foto: Divulgação)


Compartilhe essa notícia:


O Porto do Açu, no Norte do Estado do Rio, está dando um importante passo para se tornar uma referência na transição energética em busca de uma economia menos dependente do petróleo. Um Memorando de Entendimentos (MOU) foi assinado entre a Fortescue Future Industries Pty Ltd (FFI) e a Porto do Açu Operações SA para estudos de viabilidade e futura instalação de uma fábrica de hidrogênio verde no local.

Hidrogênio Verde é o termo utilizado para definir o hidrogênio produzido a partir de fontes renováveis, sem a participação de derivados de petróleo e sem emissão de carbono na atmosfera. O hidrogênio verde, por sua vez, pode ser utilizado como fonte de energia, inclusive em processos industriais, num processo em que, no lugar de poluição, gera-se água e eletricidade.

Após concluídos e aprovados os estudos, o MOU prevê a construção de um complexo industrial no porto, a ser abastecido pela energia do hidrogênio verde.

Há expectativa de que a disponibilidade de hidrogênio verde e de energia renovável impulsione a industrialização sustentável do porto, incluindo a produção de aço, fertilizantes, produtos químicos, combustíveis e outros produtos industriais manufaturados. Projetos de geração de energia solar e de energia eólica offshore também estão sendo planejados para ser desenvolvidos no local.

Hidrogênio Verde é projeto para produção de energia limpa

Para José Firmo, CEO da Porto do Açu Operações, esta será a primeira usina de hidrogênio verde do país e colocará a FFI e o Porto do Açu na vanguarda da produção de energia limpa e da industrialização verde no Brasil.

“O Açu é um ponto de conexão entre o crescimento da economia brasileira e a rápida expansão dos negócios de baixo carbono em todo o mundo. É estimulante colaborar com um parceiro internacional deste calibre em um projeto tão visionário”, afirmou.

Os projetos da fábrica de hidrogênio serão desenvolvidos pela FFI, uma subsidiária da Fortescue Metals Group Ltd, uma gigante australiana do setor de mineração de ferro.

“A oportunidade de estabelecer indústrias de grande escala totalmente novas e futuras impulsionará o crescimento da economia brasileira. Esperamos que o potencial para novas indústrias verdes no Porto do Açu diversifique, amplie e aprofunde substancialmente a força de trabalho já qualificada do Brasil”, disse Julie Shuttleworth, CEO da FFI.

Considerado o maior complexo portuário industrial privado da América Latina, o Porto do Açu, em operação desde 2014, prevê em 5 anos a instalação de projetos sustentáveis e com geração de energia limpa: produtos químicos, combustíveis, pelotização, siderurgia e outras empresas, que poderão utilizar o hidrogênio verde como insumo para incrementar suas matrizes energéticas sustentáveis.

“O porto está navegando com firmeza na direção da economia sustentável do futuro. Um dos pilares da visão para a industrialização do porto são os projetos de transição energética operacional de hoje e as indústrias verdes movidas a energia renovável de amanhã”, disse José Firmo.

Sobre o Porto e seus investidores

O Porto é administrado pela Porto do Açu Operações, uma parceria entre a Prumo Logística e a Port of Antwerp International, uma subsidiária da Antwerp Port Authority. A Prumo é uma empresa privada brasileira controlada pelo EIG, um investidor no setor de energia global com US $ 22,0 bilhões sob gestão (em 31 de dezembro de 2020).

O EIG é uma empresa especializada em investimentos privados em energia e infraestrutura, em uma base global. Em seus 39 anos, investiu cerca de US $ 35 bilhões para o setor de energia por meio de projetos ou empresas em 36 países.O EIG está sediado em Washington, com escritórios em Houston, Londres, Sydney, Rio de Janeiro, Hong Kong e Seul.


LEIA TAMBÉM:

Alerj quer ampliar participação do Rio na BR do Mar

Comércio precisa de apoio para sobreviver a isolamento

Globo e Google firmam parceria estratégica