Porto de Itaguaí: um porto de oportunidades | Diário do Porto

Artigo

Porto de Itaguaí: um porto de oportunidades

Neste artigo, Eduardo Miguez, fala sobre a importância do Porto de Itaguaí para a economia do Rio. Destaca ainda as novas oportunidades com o gás natural

12 de junho de 2021


Porto de Itaguaí tem o maior calado do país e pode receber grandes navios (foto: CDRJ / Divulgação)


Compartilhe essa notícia:


Eduardo Miguez *

O Porto de Itaguaí, situado na baía de Sepetiba, é um dos mais importantes do país, principalmente, na exportação de minério de ferro. O porto possui atualmente dois terminais de minério de ferro e um terminal de contêiner, com o maior calado da costa leste da América do Sul, estando apto para receber os grandes navios que operam nos portos brasileiros.

Outros arrendamentos estão a caminho, como por exemplo, um novo terminal de granel sólido (TGS 3, antigo terminal de Alumina). Também está prevista a licitação de uma área para operação de depot e armazenagem, para servir de apoio às operações realizadas no porto. Além disso, um outro terminal de granel sólido está em estudo, com possibilidade de operação de exportação de soja, através do transporte ferroviário.

Mas acredito que o principal fator que irá transformar o porto e todos os municípios vizinhos são as oportunidades geradas pelo novo mercado de gás. Existem grandes empresas demandantes pelo gás na região, com potencial enorme de instalação de diversas outras empresas que irão aproveitar o gás para seus processos industriais. Inclusive, há possibilidade de implantação de uma termoelétrica na região.

Porto de Itaguaí e a indústria com gás natural

Tanto o porto quanto os municípios de Itaguaí e vizinhos possuem grande disponibilidade de área para implantação de atividades industriais e de suporte às indústrias. Há uma grande expectativa pela implantação do gasoduto rota 4b conforme planejamento da Empresa de Planejamento Energético (EPE), do Governo Federal, que liga uma das principais regiões produtoras do pré-sal da bacia de Santos até o Porto de Itaguaí, prevendo ainda a implantação de uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN). Além dessas estruturas fundamentais, há ainda a possibilidade de implantação de um terminal para exportação de gás natural e implantação de uma operação de regaseificação de gás no Porto de Itaguaí.

Se soubermos aproveitar as oportunidades geradas pelo novo mercado de gás, podemos finalmente ter a volta das indústrias ao Estado do Rio de Janeiro, fomentando a economia do Estado e dos municípios e gerando centenas de empregos diretos e indiretos.

O Porto de Itaguaí pode se tornar o grande gerador de desenvolvimento da região, fomentando toda a economia fluminense e aumentando a oferta de emprego para a população.

Em paralelo, o porto continua se modernizando e aumentando sua competitividade. Em breve, o terminal de contêiner do Porto de Itaguaí poderá voltar a receber importantes linhas de navegação com rota direta para a Ásia, em função do seu calado diferenciado e da perspectiva da chegada de navios maiores à costa leste da América do Sul. Esse crescimento contribuirá não apenas para a economia fluminense, mas também para a economia mineira cujo Estado é um dos principais usuários do porto. O Porto de Itaguaí é uma das principais portas de Minas Gerais para comércio internacional.

*Eduardo Miguez é especialista portuário, membro do Conselho de Logística e Transporte da Associação Comercial do Rio de Janeiro, membro do Coalizão Rio e autor do livro “Logística reversa como solução para o problema do lixo eletrônico”, publicado pela editora Qualitymark.


LEIA TAMBÉM:

Laudêmio será extinto no Rio, após venda de terrenos de marinha

Fecomércio RJ e Senac RJ atuam para fazer reviver o Centro

TV Alerj transmite concertos da Sala Cecília Meireles