PIB do Rio cresce 1,7% no 2º trimestre de 2021 | Diário do Porto


Economia

PIB do Rio cresce 1,7% no 2º trimestre de 2021

Resultado mostra recuperação da economia do Rio de Janeiro. Com avanço na vacinação, Firjan projeta que PIB vai fechar ano com crescimento de 4,2%

22 de setembro de 2021

RJ foi o segundo estado do País que mais gerou empregos na Construção Civil em janeiro (Creasp /Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


O Produto Interno Bruto (PIB) fluminense registra alta de 1,7% no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre (0,7%) do ano. Os números revelam que o estado está se recuperando, enquanto a economia nacional sofre revés com queda de 0,1%. Na comparação entre os períodos de 2020 e 2021, a alta foi de 10,3%, a primeira desde o primeiro trimestre de 2020.

Os dados são do estudo “Rio de Janeiro: resultados e perspectivas para o PIB”, divulgado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Considerando o avanço da vacinação contra a Covid-19, proporcionando um ambiente econômico mais favorável e resultando na antecipação de decisões de investimento no primeiro semestre do ano, a projeção para o crescimento em 2021 foi revisada para cima, de 3,8% para 4,2%.

“O estudo da Firjan confirma a retomada das economias mundial e nacional, influenciando positivamente a indústria de transformação fluminense, setor que apresentou a maior alta de 21,4% em comparação com o mesmo período de 2020, auge da pandemia. No comparativo ano a ano, também a construção civil cresceu (+11,9%), em linha com o bom momento vivido pelo mercado de trabalho formal. E o setor de serviços subiu 11,1%, na esteira da aceleração do ritmo de vacinação do estado. Isso nos permite revisar o PIB fluminense para 4,2% este ano”, afirma o presidente em exercício da Firjan, Luiz Césio Caetano.


LEIA TAMBÉM:

Nissan apoia inovação de estudantes do Sul Fluminense

Galeão terá novo galpão logístico

Paquetá, um paraíso maltratado pela CCR Barcas


Firjan pede controle de variantes e reformas para 2022

Para o ano que vem, a expectativa é de crescimento de 2,5%, considerando o controle da disseminação da nova variante Delta no início de 2022. Para o bom desempenho da economia fluminense, são importantes que as reformas tributária e administrativa, em âmbito federal, e a previdenciária, em âmbito estadual, sejam aprovadas até o fim de 2022.

O segmento da construção civil deve ter a maior alta (+4,6%), influenciada por investimentos de infraestrutura, dado o elevado montante de recursos da concessão dos serviços de saneamento da Cedae seguidos pela maior demanda por obras residenciais. A previsão para a indústria de transformação também é de crescimento positivo (+2,4%), porém a um ritmo mais moderado, devido à desaceleração do segmento da metalurgia. O setor de serviços também será um importante vetor de geração de emprego e renda (+2,4%), impulsionado pela retomada daqueles segmentos que dependem diretamente da circulação de pessoas, como o turismo. Porém, mesmo que esse crescimento da atividade fluminense se confirme, o PIB estadual ainda fica 3,9% abaixo do nível de atividade recorde de 2014.

O estudo “Rio de Janeiro: resultados e perspectivas para o PIB”, com informações específicas dos setores” pode ser acessado por meio deste link: https://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-economia/pib-brasil-e-rio-de-janeiro-resultados-e-projecoes.htm

 


/