Empreendedorismo

Pequenos empresários têm apoio para entrar no e-commerce

Fecomercio diz que 75% dos pequenos empresários estão fora do e-commerce e oferece parceria para quem quiser entrar. Comércio eletrônico cresce 30% em abril

3 de maio de 2020
Cerca de 4 milhões de novos consumidores passaram a fazer compras na internet, desde o início da quarentena (foto: Agência Brasil)

Compartilhe essa notícia:


O crescimento do comércio eletrônico em meio à quarentena do novo coronavírus é uma realidade, mas 75% das micro e pequenas empresas ainda não fazem vendas online, de acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ).

Para auxiliar mais empresários a entrarem no mundo do e-commerce, a Federação firmou uma parceria com a Convem,  empresa dedicada à criação de lojas online. O procedimento para o novo lojista digital é simples, basta acessar o site http://www.fecomercio-rj.org.br/lojaonline e seguir as instruções.

A Convem cobra comissão de 3% sobre as vendas, sem taxa de mensalidade para os empresários que são associados à Fecomércio-RJ.

Outras empresas também oferecem serviços de tutoria semelhantes, como o Magazine Luiza,  que firmou parceria com o Sebrae para orientar micro e pequenos empresários a realizarem operações em seu marketplace, ambiente de negócios on-line que permite a participação de terceiros.


LEIA MAIS:

Veja 77 cursos on-line e gratuitos para você se aperfeiçoar

Deputados de SP reduzem os próprios salários em 30%

Novela do edifício A Noite afinal se aproxima da venda


O mundo do e-commerce pode ser uma saída, principalmente para lojistas e prestadores de serviços que estão com seus estabelecimentos fechados e correm o risco de falir. Só no Estado do Rio, a estimativa é de que aproximadamente 464 mil pessoas podem perder seus empregos em pequenas empresas do comércio, com a crise do coronavírus.

Os pequenos empresários que ainda não fazem vendas pela internet deixaram de concorrer pela atenção de cerca de 4 milhões de novos clientes, que passaram a fazer suas compras pelo e-commerce, durante a pandemia.

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), esse novo público contribuiu para que as compras na internet crescessem 30% em abril, na comparação com março.

Para o micro e pequeno empresário que deseja começar a vida no e-commerce há também outras opções de marketplaces de grandes companhias que permitem negócios em seus sites mediante comissão, entre elas a Amazon e  B2W (Submarino e Americanas).