Ciclovias estimulam novos negócios no Centro do Rio | Diário do Porto


Empreendedorismo

Ciclovias estimulam novos negócios no Centro do Rio

Com 17km de pistas, a região surge como cenário ideal para a prática do ciclismo no Rio e já recebe muitos eventos para ciclistas, revela estudo do Sebrae

25 de outubro de 2018

Ciclovias, como a Orla Conde, estimulam novos negócios (Foto Aziz Filho)

Compartilhe essa notícia:


Ciclovias como a da Orla Conde estimulam novos negócios (Foto Aziz Filho)
Ciclovia na Orla Conde (Foto Aziz Filho)

A busca por uma vida mais ativa e saudável tem levado muita gente a trocar o carro pela bicicleta. Com 17 quilômetros de pistas, a nova Região Portuária surge como cenário ideal para a prática do ciclismo no Rio de Janeiro e já recebe muitos eventos reunindo ciclistas. É o que mostra recente estudo do Sebrae sobre oportunidades de negócios em torno do mercado da saudabilidade na região.

Em junho, a cidade sediou o Velo-city 2018, principal evento de ciclismo e mobilidade urbana no mundo, promovido pela Federação Europeia de Ciclismo com parceiros locais. O tema central foi o “Acesso à Vida”, abordando a inclusão social promovida pela bicicleta e o incentivo ao ciclismo como parte do dia a dia no transporte e no lazer das cidades.
Outro nicho que cresce na região é o dos praticantes de Triatlon, modalidade esportiva que envolve a prática de corrida, natação e ciclismo de forma integrada. É um esporte que demanda muita disciplina, dedicação e força de vontade e que tem atraído novos praticantes e competidores, que ainda ganham uma alternativa fitness de ótimos resultados.

Criar um park shower pode ser lucrativo

O Relatório de Inteligência do Sebrae mostra que já circulam mais bicicletas do que carros no Brasil. São 70 milhões de bikes contra 50 milhões de veículos, segundo a Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares) e o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A tendência reforça a necessidade de estações de autoatendimento para aluguel de bikes. Outra oportunidade são as bike shops, que incluem serviços, acessórios, vestuários e roupas.  O potencial de negócios é grande nessas lojas, A parte de serviços inclui manutenção e conserto, e já existem até hotéis para deixar a bike, para quem não tem bicicletário em casa.

Há também os park showers, com chuveiro e armário, para quem precisa se preparar para o trabalho depois da pedalada desde casa. “Pense em oferecer lanches rápidos e suplementos alimentícios para repor as energias de quem treina ou pedala pela cidade”, ressalta o relatório.

O conceito de bike shop ainda não é muito conhecido por aqui, mas é frequente em cidades que têm na bicicleta um modal de destaque, como Amsterdã (Holanda), Copenhague (Dinamarca) e Sevilha (Espanha).

VEJA MAIS:

Porto na rota dos corredores de rua

Dia Mundial sem Carro: Praça XV recebe passeio ciclístico

Velo-City termina com críticas e reflexões sobre mobilidade no Rio

Velo-City 2018: Rio capital mundial da bike

Mobilidade urbana e uso de bicicletas no Museu do Amanhã

Fonte: Sebrae, com Redação


/