Palácio Pedro Ernesto é o1º prédio público Lixo Zero do Brasil | Diário do Porto


Meio Ambiente

Palácio Pedro Ernesto é o1º prédio público Lixo Zero do Brasil

Certificação validada pela Zero Waste International Alliance reconhece gestão do Palácio Pedro Ernesto por destino correto de mais de 90% dos resíduos

4 de maio de 2022

Palácio Pedro Ernesto, uma das joias da Cinelândia (Flickr Câmara Rio)

Compartilhe essa notícia:


A Cinelândia já foi chamada de Times Square brasileira. Uma das praças mais bonitas do país, tornou-se referência de diversão cultural há quase cem anos com seus teatros, bares, restaurantes e boates. Foi e é cenário de movimentos políticos de vanguarda em defesa da democracia. E volta a fazer bonito na era da agenda ESG, com o primeiro prédio público do país com Certificação Lixo Zero: o Palácio Pedro Ernesto, sede da Câmara de Vereadores e um dos ícones arquitetônicos da praça, como o Theatro Municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu Nacional de Belas Artes.

Oito meses após assinar a Carta Compromisso Lixo Zero, o Palácio Pedro Ernesto mereceu a certificação ao deixar de enviar 91,5% de seus resíduos a aterros sanitários. O presidente da Casa, Carlo Caiado, atribui o bom desempenho nas práticas Lixo Zero aos servidores e funcionários que colaboraram no processo, e afirma que caberá a cada parlamentar ser um multiplicador junto à população carioca.

Meia tonelada por mês

“Nós somos a Casa do Povo e temos que dar o exemplo, inclusive nessa questão da educação ambiental. E agora cada vereador pode levar esses conceitos para as diversas áreas da cidade, envolvendo crianças, jovens, escolas, associações de moradores e todos os equipamentos públicos municipais”, defende Caiado.

 

Cerimônia no Palácio Pedro Ernesto
Carlo Caiado recebe certificação no Palácio Pedro Ernesto (Eduardo Barreto)

 

Emitida pelo Instituto Lixo Zero Brasil e validada pela Zero Waste International Alliance (Aliança Internacional Lixo Zero), a certificação indica que a Câmara assumiu um compromisso de realizar a gestão dos seus resíduos, a fim de minimizar a geração de lixo e de encaminhar os materiais para destinos ambientalmente corretos. A estimativa é que o Palácio Pedro Ernesto gere, aproximadamente, meia tonelada de resíduos por mês que, sem a destinação correta, acabavam sendo encaminhados a um lixão.

 


LEIA TAMBÉM:

Justiça recebe relatório final de impeachment de Witzel
Dolores Club: a nova casa de jazz e bossa nova do Rio
Teatro II do CCBB faz “Viagem ao Centro da Terra”

 

Para o presidente do Instituto Lixo Zero Brasil, Rodrigo Sabatini, os custos que envolvem a coleta e a destinação do lixo agora podem ser utilizados em benefício da cidade. “Ao assumir esta responsabilidade, a Câmara do Rio evita gastos públicos que não são necessários e que podem ser revertidos para ações de educação, saúde, melhorias para a cidade e para o cidadão”, afirma Sabatini.

Vice-presidente da Comissão de Meio Ambiente da Casa, o vereador Vitor Hugo (MDB) também destacou a colaboração dos funcionários da Câmara. “O principal protagonista da história são os funcionários, pois isso não teria sido possível se eles não tivessem o engajamento pra fazer com que tudo acontecesse. É um projeto que já está dando certo e vai servir de exemplo para outras câmaras municipais”, afirmou.

Palácio Pedro Ernesto é exemplo

A Certificação Lixo Zero é válida por um ano, podendo ser renovada anualmente, desde que a Câmara mantenha ou amplie as ações de destinação do lixo, evitando o seu envio aos aterros sanitários ou à incineração. O coordenador de sustentabilidade da Casa, Bernardo Egas, acredita que, além de buscar manter o selo Lixo Zero, a Câmara do Rio deve servir de exemplo para outros prédios públicos do Rio de Janeiro e até do país.

“Precisamos manter esse esforço, porque todo ano a gente precisa dessa renovação e sempre tentando aumentar o percentual de desvio de aterro. E também podemos disseminar esse conhecimento para outras casas, deixar as portas abertas para quem quiser conhecer a nossa experiência. A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, está em contato conosco, buscando adotar o mesmo procedimento do Lixo Zero na instituição”, revela Bernardo Egas. O primeiro-secretário, vereador Rafael Aloísio Freitas, também participou do evento.