Turismo

ONU oficializa Valongo como Patrimônio da Humanidade

Veja a programação do Seminário Internacional, no MAR, no qual a Unesco vai entregar o título de Patrimônio Mundial para o Cais do Valongo

18 de novembro de 2018
Mercado de escravos na Rua do Valongo, em pintura de Debret

Compartilhe essa notícia em sua rede social:
Cais do Valongo
O Cais do Valongo, Patrimônio Mundial da Unesco (Foto: Alexandre Macieira/Riotur)

Da Gamboa para o mundo. O título de Patrimônio Mundial para o Cais do Valongo será oficialmente entregue pela Unesco (Representação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) na sexta-feira, dia 23. O momento histórico marca a abertura de um seminário no Museu de Arte do Rio (MAR) sobre a gestão inovadora do novo patrimônio mundial, compartilhada entre a Prefeitura do Rio, a Unesco e o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), do governo federal.

O seminário internacional no MAR reunirá instituições públicas com representantes dos movimentos em defesa da igualdade racial. Inscrições estão limitadas até terça-feira, dia 20, pelo email seminariointernacionalvalongo@gmail.com.

De 1811 a 1830, o Sítio Arqueológico Cais do Valongo foi o principal ponto de desembarque de escravos no país. Estima-se que 900.000 africanos tenham entrado no continente americano pelo Cais do Valongo. Os vestígios encontrados nas escavações das obras do Porto Maravilha destamparam a história daquele que já é considerado o maior processo de migração forçada já registrado na história da humanidade.

O encontro no MAR celebra – com alguns meses de atraso – um ano da decisão da 41ª reunião do Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco, em 9 de julho de 2017, em Cracóvia, Polônia. Na ocasião, o Comitê reconheceu o Cais do Valongo como sítio arqueológico único e excepcional. Tem enorme importância para a população negra, do ponto de vista material e em função das associações espirituais com as quais está relacionado.

VEJA MAIS:

Conheça a Pedra do Sal, no Guia Maravilha

Um ano como patrimônio cultural da Humanidade

Mercado de escravos na Rua do Valongo, em pintura de Debret
Mercado de escravos na Rua do Valongo, em pintura de Debret

Confira a programação do Seminário Internacional:

Das 9h às 10h

Credenciamento e café de recepção

Das 10h às 11h30

MESA DE ABERTURA E ENTREGA DO TÍTULO DE PATRIMÔNIO MUNDIAL – CAIS DO VALONGO

Participam: Unesco, Iphan, Instituto Estadual do Patrimônio Artístico Cultural (Inepac), SMC, Conselho Municipal de Defesa Direitos do Negro (Comdedine), Conselho Estadual dos Direitos do Negro (Cedine), Instituto Pretos Novos e Quilombo Pedra do Sal

Das 11h30 às 12h10 (debate das 12h10 às 12h40)
MESA 1 – DESAFIOS NA INTERPRETAÇÃO DE SÍTIOS DE MEMÓRIA SENSÍVEL

Mediador: Marcelo Brito, diretor de Cooperação e Fomento do Iphan
Marcelo Martín, especialista em interpretação de sítios e professor associado da Universidad Pablo de Olavid, Sevilha, Espanha
Sherrill Wilson, primeira diretora de Interpretação e Educação do sítio arqueológico African Burial Ground National Monument, Nova Iorque, Estados Unidos

Das 12h40 às 14h
INTERVALO PARA ALMOÇO (VISITA MEDIADA À EXPOSIÇÃO “O Rio do samba: resistência e reinvenção” – OPCIONAL)

A GESTÃO DO VALONGO

Das 14h às 15h (debate das 15h às 15h30)
MESA 2 – MUSEUS DE MEMÓRIA SENSÍVEL – DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO
Mediador: Vinícius Natal, diretor do Museu do Território
Mr. Thiérry L’Etang – O caso do Museu ACTe de Guadalupe, França
Mrs. Deirdre Prins-Solani (equipe de desenvolvimento do museu) e Mr. Vuyo Mfanekiso (diretor de exposições e interpretação) – O caso de Robben Island (RIM – Robben Island Museum), complexo prisional em Cape Town, Patrimônio Mundial da Unesco da África do Sul, onde estiveram presos líderes do movimento anti-Apartheid, inclusive Nelson Mandela, por 27 anos.

Das 15h30 às 16h30 (debate das 17h30 às 18h)
MESA 3 – PROJETOS E RESULTADOS DA GESTÃO DO VALONGO

Sessão 1
Mediador: Mônica Lima, professora do Instituto de História da UFRJ e membro da equipe técnica convidada pelo Iphan para elaboração o Dossiê para a Unesco
Nilcemar Nogueira (secretária Municipal de Cultura) e Vinícius Natal (SMC) – O caso do Museu da Escravidão e da Liberdade como interpretação do Cais do Valongo e seu território
Instituto Pretos Novos, Quilombo da Pedra do Sal, Centro Cultural Pequena África, Remanescentes de Tia Ciata e Afoxé Filhos de Gandhi – O território da Pequena África, seus circuitos, interpretações e pesquisas
Martha Abreu (UFF-LABHOI) – A interpretação do território através de seus personagens

Das 16h30 às 17h30 (debate das 17h30 às 18h)
MESA 3 – PROJETOS E RESULTADOS DA GESTÃO DO VALONGO

Sessão 2
Mediador: Nilcemar Nogueira (secretária Municipal de Cultura)
Claudia Escarlate (Instituto Rio Patrimônio da Humanidade – IRPH) – O projeto do Laboratório Aberto de Arqueologia Urbana e o acervo arqueológico da região do Valongo
Comitê Gestor do Valongo – O plano inicial de Gestão do Sítio Arqueológico Cais do Valongo, suas diretrizes e resultados
Ricardo Piquet (diretor do Instituto de Desenvolvimento e Gestão – IDG) – Apresentação do projeto de consolidação e conservação do Cais do Valongo

Das 18h às 19h
Encerramento e posse do Conselho Consultivo do Museu de Território

Compartilhe essa notícia em sua rede social: