Novo presidente da Cdurp quer moradias no Porto Maravilha | Diário do Porto

Infraestrutura

Novo presidente da Cdurp quer moradias no Porto Maravilha

Agora na Cdurp, Gustavo Guerrante já participou da implantação do VLT. Recuperar a PPP do Porto Maravilha será um grande desafio de sua gestão

26 de janeiro de 2021


Guerrante defende modelo de PPP adotado no Porto Maravilha (divulgação/Cdurp)


Compartilhe essa notícia:


Há quase um mês, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro(Cdurp) está sob o comando de Gustavo Guerrante, que é especialista em concessões e Parcerias Público-Privadas (PPPs), temas com os os quais trabalhou por mais de seis anos, entre 2009 e 2016.

Gustavo Guerrante foi subsecretário de projetos estruturantes da antiga Secretaria de Concessões e Parcerias Público-Privadas(Secpar), à qual era vinculada a Cdurp, nas gestões anteriores de Eduardo Paes na Prefeitura do Rio. Nascido e criado em Santa Teresa, o engenheiro mestre em Administração pela COPPEAD/Ufrj assume agora a empresa responsável pelo desenvolvimento do Porto Maravilha, dizendo que a implantação de projetos residenciais é uma prioridade.

O novo gestor afirma que conhece muito bem a complexidade da Região Portuária, especialmente o VLT, projeto em que trabalhou do início ao fim. “O Porto é fantástico. Um lugar que tem a infraestrutura que esta região tem é invejável. Normalmente chega-se à demanda para depois fazer a infra que a suporte. Aqui não, a infra tá pronta para comportar uma demanda que eu tenho certeza que virá. E vamos trabalhar para isso”, projeta. Ele aposta na ocupação em médio e logo prazos por edifícios residenciais: “Se há um lugar prático para se morar, viver e trabalhar é aqui”.

Na Cdurp, com experiência em Parcerias Público-Privadas

No início de sua carreira, Gustavo Guerrante trabalhou como engenheiro nas empresas aéreas Varig e Embraer. Anos depois, acabou sendo convidado para o que, segundo ele, foi a experiência mais enriquecedora da sua carreira: trabalhar na Prefeitura do Rio, em projetos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos.

Ele também atuou no BNDES, onde assessorou a então presidente Maria Silvia Marques no setor de PPPs. Depois foi consultor de concessões e PPPs, para cidades e empresas em diversos Estados do país.

Na Cdurp, terá que enfrentar o desafio de viabilizar o que já foi considerado a maior experiência de PPP para o desenvolvimento urbano do Brasil. Depois de anos de atritos com a Prefeitura e com a Caixa Econômica Federal, a Concessionária Porto Novo deixou de prestar os serviços de construção e manutenção do Porto Maravilha para os quais foi contratada em 2010. Atualmente, as 3 partes enfrentam-se na Justiça, o que coloca sob descrédito novos investimentos com essa modalidade no país.

Entre março de 2018 e dezembro de 2020, foi diretor de negócios, para a América Latina, na empresa chinesa BYD de veículos elétricos – carros, ônibus e veículos sobre trilhos. Lá, esteve novamente com Eduardo Paes, à época presidente da empresa entre os países latino-americanos.

Trabalhou na entrega de centenas de ônibus elétricos para as cidades de Medellín e Bogotá, na Colômbia, e na implantação de sistema de BRT, com articulados elétricos, em São José dos Campos, interior de São Paulo.

No fim do ano passado, ele recebeu o convite do prefeito eleito para assumir a Cdurp. Guerrante topou o desafio e promete focar na retomada do Porto Maravilha.


LEIA TAMBÉM

Fecomércio RJ mostra que contas pesam mais para as famílias

Secretário do Ambiente alerta contra construções irregulares, no Rio

Amazul quer R$ 2,7 bilhões para novo reator nuclear