Novo Lance! de olho no Porto Maravilha | Diário do Porto

Investimentos

Novo Lance! de olho no Porto Maravilha

Donos da marca avaliam endereços na Região Portuária para abrigar redação do Lance!, veículo esportivo lançado em 1997 e negociado recentemente

8 de setembro de 2021


Raul Costa Jr. chefia redação do Lance!, que está de olho no Porto Maravilha (divulgação)


Compartilhe essa notícia:


O Porto Maravilha está entre os locais na cidade avaliados pelos novos proprietários do Lance! para abrigar a redação do veículo on-line, hoje instalada no Rio Comprido, na região central do Rio. A informação foi confirmada por um dos novos sócios do negócio adquirido recentemente do publisher Walter Mattos Jr (WMJ), empresário fundador da marca.

“Se a Prefeitura botar de pé os projetos que ouvimos falar, o Porto será o destino de necessidade, não de opção, do Lance!. Com isso, certamente estaríamos com algum espaço no local”, disse ao Diário do Porto um dos novos proprietários do Lance!

O Lance!, a marca e suas propriedades digitais, foi vendido por R$ 25 milhões para um grupo de investidores liderado por Gustavo Agostini. O jornal, primeiro ativo do grupo lançado em 1997, parou de circular no início da pandemia. A direção de jornalismo ficará a cargo do experiente jornalista gaúcho Raul Costa Jr, profissional com passagens por veículos como TVE, Grupo RBS, no qual foi diretor de Telejornalismo e Programação da RBS TV e TVCom. Em 2009, Costa Jr. assumiu a chefia do Sport TV, canal esportivo dos canais Globosat. Lá permaneceu até 2018.


LEIA TAMBÉM:

Aves rosas na Lagoa evidenciam ação ambiental de Moscatelli

Pesquisa realiza censo racial dos jornalistas brasileiros

Cdurp quer reativar teleférico da Providência


Fim de jogo para o velho Lance!

Acumulando dívidas e prejuízos em sua operação, o Lance! estava em regime de recuperação judicial desde agosto de 2017. O processo de negociação que resultou na venda da marca durou cerca de dois anos. O dinheiro será destinado a pagar credores e acertar outras dívidas segundo os termos e critérios acordados na Justiça. Com isso chega ao fim o sonho de WMJ de criar um produto que reinventasse o modelo de produção e distribuição de conteúdo esportivo no Brasil.