Nissan paralisa produção em Resende | Diário do Porto

Saúde

Nissan paralisa produção em Resende

Fábrica da Nissan paralisa produção até 12 de abril, por causa da pandemia de Covid-19. Empresa dá férias para cerca de 2.000 empregados

25 de março de 2021
Nissan dá férias coletivas para seus funcionários da fábrica de Resende (foto: Nissan / Divulgação)


Compartilhe essa notícia:


A Nissan anunciou que está paralisando sua produção no complexo industrial de Resende, Estado do Rio, entre os dias 26 de março e 12 de abril. A medida visa “garantir a segurança” dos seus funcionários e familiares, no quadro de expansão da pandemia de Covid-19.

Por meio de comunicado, a Nissan diz que está adotando férias coletivas para seus funcionários, até 9 de abril. A empresa emprega cerca de 2.000 pessoas e recentemente realizou novos investimentos em sua fábrica, para o lançamento do novo modelo do Kicks, carro que tem quase 200 mil unidades vendidas, desde 2016.

Eis a íntegra do comunicado:

“Buscando garantir a segurança de seus funcionários como parte do esforço de reduzir o impacto da pandemia, adaptar a empresa ao cenário atual dos desafios enfrentados pelo setor automotivo e garantir a continuidade do negócio, a Nissan decidiu adotar férias coletivas em seu Complexo Industrial de Resende de 26 de março a 9 de abril. Com isso, a produção será retomada no dia 12.”

A decisão da Nissan repete o que já foi anunciado por outras montadoras do país, como a Scania, Mercedes e Volvo, fabricantes de caminhões e de ônibus, e Volkswagen, nas linhas de produção de carros.

Nissan investiu R$ 2,6 bilhões em Resende

O complexo industrial de Resende foi inaugurado pela Nissan em abril de 2014, após um investimento inicial de R$ 2,6 bilhões. A linha de produção conta com 92 robôs, para fazer os trabalhos que exigem mais precisão ou com maior risco para os funcionários.

O transporte dos automóveis durante o processo produtivo é realizado por 159 AGVs (Automatic Guided Vehicles), pequenos robôs autoguiados que conduzem carrinhos de peças e plataformas. Com isso não há necessidade de transportadores ou plataformas acionadas por correntes, aumentando o controle da operação, que também fica mais silenciosa.

Recentemente, a Nissan mundial definiu o objetivo de atingir a neutralidade das emissões de carbono em todas as operações da empresa e no ciclo de vida de seus produtos até 2050. Como parte deste esforço, até o início da década de 2030 todos os novos veículos comercializados pela Nissan no Japão, China, Estados Unidos e Europa serão eletrificados.


LEIA TAMBÉM:

Mapeamento busca negócios sustentáveis na Baía de Guanabara

Prefeitura faz nova intervenção no BRT e diz que faltam 214 ônibus

Rio Paraíba do Sul continua ameaçado no Dia Mundial da Água