Museu é fechado ao público para obras da Linha 3 do VLT

Para preservar o acervo de 5,5 mil itens, o Museu Histórico e Diplomático do Itamaraty resolveu fechar as portas ao público por causa das obras da Linha 3 do VLT que ligará a Central do Brasil ao Aeroporto Santos Dumont. Todo o acervo foi criteriosamente embalado para evitar danos

O Museu Histórico e Diplomático do Itamaraty está temporariamente fechado ao público por causa das obras da Linha 3 do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), que ligará a Central do Brasil ao Aeroporto Santos Dumont, ambos na região central do Rio de Janeiro. O fechamento é necessário para preservação do acervo, que pode ser danificado pela trepidação provocada pelo maquinário da construção civil.

Obras do VLT fecham temporariamente o Museu Histórico e Diplomático no Palácio Itamaraty
Para evitar riscos, até o fim das obras do VLT, peças do acervo do museu ficarão cobertas (Tomaz Silva/Agência Brasil)

A recomendação foi feita pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Todo o acervo do museu foi criteriosamente embalado para evitar danos. São 5.5 mil peças, entre móveis, quadros, esculturas, mapas, medalhas, livros e documentos, incluindo todo o arquivo diplomático do país até a transferência do Ministério das Relações Exteriores para Brasília, em 1970. O próprio palácio também está recebendo reforços na estrutura, proteção no piso e vedação das portas e janelas voltadas para a Avenida Marechal Floriano, onde estão sendo construídos os trilhos do bondinho moderno.

Segundo o subchefe da Administração do Escritório de Representação do Itamaraty no Rio de Janeiro, Glauber Vivas, após a construção das primeiras fases do VLT, constatou-se a necessidade de proteger melhor o patrimônio, e o Iphan determinou que fossem tomadas medidas adicionais para os bens tombados. Ele informou que o museu está fechado desde o começo de julho e a previsão era encerrar o trabalho no dia 27.

“Poderíamos até reabrir no dia 28, mas apenas para acesso ao prédio, as peças estariam todas cobertas”, ressaltou. Vivas destacou que, além disso, será implantada uma rede de proteção no teto e que, por isso, a circulação ficará limitada, embora não proibida. Ele acrescentou que será usado na região um equipamento que provoca menos vibração no entorno do que as britadeiras tradicionais.

Depois de concluídas as obras do VLT, o que deve ocorrer no início de dezembro, todo o acervo será desempacotado, e o museu será montado novamente e reaberto ao público ainda naquele mês. Os serviços administrativos e consulares não foram interrompidos, bem como o arquivo histórico, que continua aberto aos pesquisadores.

Projeto de restauração e revitalização

Vivas informou que também está em andamento um projeto de restauração e revitalização do museu e de todo o complexo do Itamaraty no Rio, que envolve mais três prédios. De acordo com Vivas, os projetos executivos devem ficar prontos no primeiro semestre do próximo ano, para depois serem buscados os recursos para executar o trabalho.

Segundo Vivas, o projeto é anterior e independente da questão do VLT. “No ano passado, foram feitos vários estudos e discutiu-se com Brasília para apresentar a ideia de restauração e revitalização do complexo. A deterioração do bem deve-se à escassez de recursos, e a revitalização visa, entre outras coisas, a angariar recursos para o museu. Em abril, foi assinado o convênio com o Instituto Pedras para isso, que está apresentando um projeto para a Lei Rouanet para o desenvolvimento de projetos executivos de restauração e gestão dos espaços do museu.”

Patrimônio histórico

Também são tombados na Marechal Floriano os prédios da Light, o Campus Centro do Colégio Pedro II, a Igreja Matriz de Santa Rita e o Banco Central, antiga Caixa de Amortização. De acordo com o Iphan, todos os bens tombados recebem “atenção e acompanhamento por ocasião de intervenções, neles ou em seu entorno”, embora não exista o risco da obra na rua prejudicar a estrutura dos prédios.

“Todos os bens tombado que estão no ‘caminho’ do VLT tiveram, quando necessário, os elementos de suas fachadas protegidos/escorados para que a trepidação proveniente das máquinas não trouxesse qualquer avaria”, informou o órgão, que também tem “acompanhado o projeto de implantação do VLT minuciosamente”.

A Igreja de Santa Rita está sendo escorada, e uma equipe de arqueologia acompanha as escavações, pois no local pode haver um dos primeiros cemitérios para africanos recém-chegados ao país. No prédio da Light, vizinho ao do Itamaraty, a fachada recebeu uma tela de proteção para evitar prejuízos, e a construção é monitorada durante as escavações e a perfuração do solo. A Light informa que não foram identificados riscos para o Museu da Ligh, que também fica no local.

No Colégio Pedro II, as intervenções no Campus Centro atingem o Salão Nobre, a Biblioteca Escolar e a Sala de Geografia. “São andaimes de contenção com telas de nylon brancas (redes de proteção) colcoadas por uma empresa contratada pela concessionária do VLT Carioca S. A. e indicada pelo IPHAN. O telhado do prédio histórico também recebeu uma proteção de contenção para as eventualidades de trepidação na obra na Avenida Marechal Floriano”, informou o colégio. O Salão Nobre ficará fechado para eventos e a biblioteca vai atender os usuários de forma parcial a partir do dia 2 de agosto.

No Banco Central, está sendo executado o Projeto Executivo das Medidas Mitigadoras e Protetivas para o Mecir (BTN Banco Central), aprovado pelo Iphan. “Seguindo o plano, estão sendo tomadas ações, por exemplo, para a delimitação de áreas internas, de modo a restringir a área de circulação de pessoas, para monitor as vibrações causadas pela obra e para o isolamento da calçada externa”, informou o banco à ‘Agência Brasil’.

 

Obras do VLT fecham temporariamente o Museu Histórico e Diplomático no Palácio Itamaraty, no centro do Rio. Todo acervo está sendo embalado para não correr risco.

A Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), órgão da prefeitura responsável pela parceria público-privada de implantação do VLT, informa que a conclusão das obras está prevista para dezembro deste ano e que não deu orientação para que o museu feche as portas. O único impacto da obra sobre o prédio seria a restrição temporária no acesso ao imóvel, “alinhado com a instituição, conforme alinhamento padrão com todas as instituições da rua, ouvindo demandas e atendendo, na medida do possível, especificidades de cada um”.

Segundo o Consórcio do VLT, as obras da Linha 3 seguem as orientações de Instrução Normativa do Iphan para preservação do patrimônio. “O trecho da nova linha, que ligará a Central do Brasil ao Santos Dumont via Marechal Floriano, contará com três novas paradas e tem previsão de operação no fim do ano”, informou o VLT.

História e acervo diplomático

Conforme pesquisa feita pelo historiador e diplomata Guilherme Frazão Conduru, como parte do Plano Museológico do Museu Histórico e Diplomático, o Palacete Itamaraty foi construído entre 1851 e1854, com projeto atribuído ao arquiteto brasileiro José Maria Jacinto Rebelo, aluno de Grandjean de Montigny, professor da Academia Imperial de Belas Artes que veio para o Brasil na missão artística francesa.

O proprietário era Francisco José da Rocha Filho, o conde de Itamaraty, um rico comerciante português que provavelmente imigrou para o Brasil, ainda criança, com o pai militar no comboio que acompanhou a família real.

Rocha Filho morreu em1883 e, em 1890, o governo provisório de Deodoro da Fonseca comprou o edifício da Marquesa de Itamaraty e faz do local o palácio presidencial para residência. Em 1897 a sede do Poder Executivo federal e residência presidencial são transferidas para o Palácio do Catete, e o Itamaraty recebe, em 1899, o Ministério das Relações Exteriores.

Obras do VLT fecham temporariamente o Museu Histórico e Diplomático no Palácio Itamaraty, no centro do Rio. Todo acervo está sendo embalado para não correr risco.
Trepidação de máquinas no entorno do museu poderia prejudicar obras do acervo (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Após concursos para escolher pintores, escultores e arquitetos para ornar e reformar o local, em 1955 foi criado pelo Decreto nº 38.312, de 15 de dezembro, o Museu Histórico e Diplomático do Itamaraty, com a finalidade de “guarda e exposição pública de móveis, objetos, alfaias e documentos de valor histórico, artístico ou diplomático existentes no Palácio Itamaraty, ou que venham a ser incorporados ao patrimônio”. O museu foi inaugurado no dia 28 de janeiro 1957 pelo então presidente Juscelino Kubitschek.

Com a transferência do Ministério das Relações Exteriores para Brasília em 1970, o Palácio Itamaraty no Rio de Janeiro e o Museu Histórico e Diplomático são fechados, mas o acervo é preservado. Restaurado, o museu foi reaberto ao público no dia 21 de outubro de 1983, integrando as próprias salas do palácio. Após estragos provocados por uma forte chuva em 1986, o local passou por novos reparos e foi reinaugurado em 1989, permanecendo fechado ao público até 1994. Foi novamente reaberto no dia 18 de maio com a presença do então presidente Itamar Franco.

Na pesquisa,  Guilherme Conduru aponta como destaques do acervo o próprio palácio neoclassicista de inspiração italiana, que integra um pequeno conjunto de exemplares de arquitetura residencial urbana da classe senhorial da corte do Império, ao lado do Palácio do Catete e do Solar da Marquesa de Santos. Porém, o local nunca foi ocupado como residência, sendo usado em ocasiões festivas e protocolares, como o baile oferecido ao conde d’ Eu para celebrar o fim da Guerra do Paraguai em junho de 1870. A família morava no sobrado construído ao lado do palácio.

Nas primeiras décadas do século 20, foi construído novo prédio para ampliação dos serviços do Ministério das Relações Exteriores, em estilo neorrenascentista, ao lado do palácio. Em 1930, após nova reforma para adaptar o prédio para o uso por órgão público, foi inaugurado também o novo edifício construído para abrigar o arquivo, a biblioteca e a mapoteca da pasta. O Palácio Itamaraty foi tombado pelo patrimônio nacional em 1938, ano em que foram inaugurados os tombamentos no país.

A catalogação do acervo lista 5.562 itens unitários, classificados em 2.457 peças, já que alguns compõem conjuntos. As peças são classificadas em armaria; cerâmica e porcelana; desenhos; projetos; fotografias; documentação manuscrita e gráfica; documentação sonora; escultura; sigilografia e filatelia; gravura; indumentária; medalhística; mobiliário; numismática; ordens honoríficas; ourivesaria; pintura; prataria; têxteis; vidros e cristais; instrumentos de precisão; luminárias; memória do Ministério das Relações Exteriores; etnografia; e diversos.

O Palácio Itamaraty é composto por 78 salas ou espaços e tem 218 portas, além de pintura europeia do século 19, mobiliário luso-brasileiro dos séculos 17I, 18 e 19 e pintura brasileira dos séculos 19 e 20. Entre os destaques estão obras de Jean Baptiste Debret, Castagnetto, Navarro da Costa, Pedro Américo, Vitor Meirelles e Antônio Parreiras.

Fonte: Agência Brasil

Todas as Notícias