'Muita gente odeia motociclista', diz motoboy | Diário do Porto


Mobilidade

‘Muita gente odeia motociclista’, diz motoboy

Eleandro Silva, motoboy há 18 anos, conta as dificuldades da profissão e os riscos que corre sobre duas rodas. A intenção é esclarecer a população

29 de outubro de 2018

Eleandro mostra sua rotina no transito do Rio (Foto: arquivo)

Compartilhe essa notícia:


Eleandro mostra sua rotina no trânsito do Rio (Foto: Reprodução de vídeo)

Eleandro Silva, de 41 anos, é motoboy há 18. Ao DIÁRIO DO PORTO, ele conta sobre o dia a dia dos motociclistas no Rio de Janeiro. Principais vítimas do trânsito no Brasil, eles são os protagonistas da nova campanha da CET-Rio e Prefeitura do Rio. Conheça a campanha clicando aqui. A intenção é diminuir a taxa de mortalidade entre eles, que é maior do que motoristas, ciclistas e pedestres.

“O pior lugar para trabalhar é no centro da cidade”, opina o motoboy. Segundo ele, a rotina da profissão é marcada por fechadas no trânsito, hostilidades e pequenos acidentes. “Às vezes você leva uma cuspida de algum carro ou alguém abre a porta na sua frente”, conta ele, que já machucou a mão mais de uma vez por conta de um passageiro desatento.

Apesar disso, Eleandro acredita ter sorte. Segundo dados da Seguradora Líder, cerca de 60% dos acidentes envolvendo motos são graves. Desses, 74% têm causa humana.

Para o motoboy, o celular pode ser o maior vilão quando o assunto é a atenção dos motoristas. “As pessoas têm mexido muito no WhatsApp. Elas mexem dirigindo, então o sinal abre e elas não seguem o fluxo. Você tá no corredor, por exemplo, e a pessoa te fecha porque está ligada na tela. É uma grande causa de acidentes”.

LEIA TAMBÉM

Motociclistas são principais vítimas de acidentes de trânsito

Motos: quase 10 mil vítimas em 2017

‘Motociclista não é um suicida

Ele afirma que, embora os acidentes sejam causados tanto por motociclistas quanto por motoristas, existe um estigma de quem anda sobre duas rodas. “Muita gente odeia motociclista. As pessoas tomam raiva porque acham que todos são iguais. Somos mal vistos pelas pessoas que fazem besteiras de moto. Muitas vezes é imprudência nossa, mesmo. Mas no geral, todos precisam ser mais educados”.

Colocamos uma câmera no profissional que gravou um pouco de sua rotina no trânsito. Confira o vídeo com a entrevista:

"Muita gente odeia motociclista"

‘Muita gente odeia motociclista’: Eleandro Silva, motoboy há 18 anos, conta as dificuldades da profissão e os riscos que corre sobre duas rodas. A intenção é esclarecer a população.Confira a reportagem na íntegra no site: https://diariodoporto.com.br/muita-gente-odeia-motociclista-diz-motoboy/

Publicado por Diário do Porto em Segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Por Isabella Ferri, estagiária de Jornalismo, sob supervisão de Rosayne Macedo 


/