Mostra reúne documentários autobiográficos

A Caixa Cultural, no Centro, recebe, de 18 a 30 de setembro (terça-feira a domingo) a mostra ‘Autorretratos’, que vai reunir produções do chamado cinema documental autorreferencial, gênero no qual os próprios diretores são o foco de suas câmeras.

Joaquim Pinto filma a si por um ano enquanto atravessa um tratamento experimental para HIV no filme 'E agora? Lembra-me'.
Joaquim Pinto filma a si por um ano enquanto atravessa um tratamento experimental para HIV no filme ‘E agora? Lembra-me’.

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro recebe, de 18 a 30 de setembro de 2018 (terça-feira a domingo), a mostra ‘Autorretratos‘, que vai reunir produções do chamado cinema documental autorreferencial, gênero no qual os próprios diretores são o foco de suas câmeras. São 21 filmes de diretores de diferentes nacionalidades, entre longas, médias e curtas-metragens, reunidos pela primeira vez em programação.

Produzida pela Haver Filmes, ‘Autorretratos’ apresenta diferentes experiências dessa linguagem cinematográfica, que teve o seu início nos anos 1960. O curador destaca o fato de a mostra trazer uma raridade: diretores e diretoras de cinema na frente de suas câmeras, algo diferente para o espectador.

“O público pode esperar um recorte de excelentes filmes em que cineastas são seus próprios assuntos. São filmes de arte, reconhecidos por diversos festivais, que são exibidos juntos pela primeira vez no Rio de Janeiro”, afirma o cineasta Aristeu Araújo, responsável pela curadoria da mostra.

Seguindo estas premissas, a programação traz o premiado filme português ‘E agora? Lembra-me‘ (2014), de Joaquim Pinto (foto em destaque), que filma a si por um ano enquanto atravessa um tratamento experimental para HIV.

'Mataram meu irmão' (2013), do diretor Cristiano Burlan está presente na programação da mostra.
‘Mataram meu irmão’ (2013), do diretor Cristiano Burlan está na programação da mostra.

Já o paulista Cristiano Burlan escancara sua dor no premiado ‘Mataram meu irmão’ (2013) – foto ao lado –  e no ainda inédito ‘Elegia de um crime’, que fazem parte de uma trilogia sobre suas tragédias pessoais.

Passam também pela mostra filmes que buscam por identidade ou um reconhecimento, como ‘Um passaporte húngaro’, de Sandra Kogut, conta a história da diretora, que, ao tentar um visto húngaro, descobre a cultura de seus ascendentes.

Já ’33’ (2002), de Kiko Goifman, coloca na tela a sua procura pela mãe de sangue, já que foi adotado, e ‘Constantino’ (2012), de Otávio Cury, procura entender o passado de sua família na Síria, descobrindo que seu bisavô era poeta.

Em ‘Insônia’ (2007), Alan Berliner também cumpre uma investigação para tentar entender como sua doença está intrinsecamente ligada ao seu modo de vida e sua arte.

Outro cineasta importante que passou muitos anos filmando o seu cotidiano foi o judaico-brasileiro David Perlov. Sua série ‘Diários’ (1973) é composta por seis telefilmes nos quais ele narra suas impressões sobre sua vida em Israel, país que ele adota e passa a viver a partir da década de 1950.

‘Elena’ (2013), de Petra Costa, narra a tentativa da diretora em se aproximar da memória de sua irmã, que se suicidou há mais de vinte anos. A obra tem no currículo prêmios de direção, montagem, direção de arte e melhor filme pelo júri popular – todos na categoria de filmes documentais – dentro do 45º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Atividades extras

Como parte da programação, serão realizados dois encontros durante a mostra. ‘A Dor do Eu – Os percalços e os caminhos para se autobiografar‘ será o tema do debate no dia 22 de setembro (sábado), às 19h. O curador da mostra, Aristeu Araújo, irá mediar a mesa, que terá o diretor de teatro e cinema Cristiano Burlan, a diretora e roteirista Maria Clara Escobar e a diretora Sandra Kogut.

No dia 25 de setembro (terça-feira), haverá palestra com o tema ‘Primeira pessoa’, com o diretor cinematográfico Silvio Da-Rin. Ele abordará casos em que o documentarista opta por suspender o véu do ilusionismo e assume seu filme como um discurso com autoria definida e ponto de vista explícito. Além disso, tratará de temas da vida pessoal, de família ou de coletivos que fazem parte de uma autobiografia.

Ambos os debates têm entrada gratuita. Outras informações sobre a mostra, fotos e sinopses dos filmes exibidos, podem ser acessadas no endereço oficial da mostra.

Programação:

18 de setembro (terça-feira)

15h40 – Homem Carro (2009), de Raquel Valadares, Brasil, 73 min, Digital, Livre

17h20 – Santiago (2007), de João Moreira Salles, Brasil, 80 min, 35mm, Livre

19h – Elegia de Um Crime (2018), de Cristiano Burlan, Brasil, 92 min, Digital, 14 anos

19 de setembro (quarta-feira)

15h – Diários 1 e 2 (1973-1983), de David Perlov, Israel, 110 min, Digital, 14 anos

17h10 – Tarnation (2004), de Jonathan Caouette, EUA, 88 min, Digital, 16 anos

19h – Construindo Pontes (2016), de Heloisa Passos, Brasil, 72 min, Digital, 10 anos

20 de setembro (quinta-feira)

13h50 – 33 (2002), de Kiko Goifman, Brasil, 74 min, Digital, 12 anos

15h30 – Diários 3 e 4 (1973-1983), de David Perlov, Israel, 115 min, Digital, 14 anos

17h50 – E Agora? Lembra-me (2014), de Joaquim Pinto, Portugal, 164 min, Digital, 18 anos

21 de setembro (sexta-feira)

15h – Elena (2013), de Petra Costa, Brasil, 88 min, Digital, 12 anos

16h50 – Diários 5 e 6 (1973-1983), de David Perlov, Israel, 112 min, Digital, 14 anos

19h – Diário de Uma Busca (2011), Flavia Castro, Brasil, 107 min, Digital, 10 anos

22 de setembro (sábado)

15h50 – Construindo Pontes (2016), de Heloisa Passos, Brasil, 72 min, Digital, 10 anos

17h20 – Mataram Meu Irmão (2013), de Cristiano Burlan, Brasil, 77 min, Digital, 12 anos

19h – Debate A Dor do Eu – Os percalços e os caminhos para se autobiografar, com os cineastas Cristiano Burlan, Maria Clara Escobar e Sandra Kogut. Mediação do curador Aristeu Araújo

23 de setembro (domingo)

14h40 – Um Passaporte Húngaro (2003), de Sandra Kogut, Brasil, 71 min, Digital, Livre

16h10 – Elegia de Um Crime (2018), de Cristiano Burlan, Brasil, 92 min, Digital, 14 anos

18h – Os Dias com Ele (2012), de Maria Clara Escobar, Brasil, 107 min, Digital, 12 anos

25 de setembro (terça-feira)

15h50 – Constantino (2012), de Otavio Cury, Brasil, 80 min, Digital, Livre

17h30 – Um Passaporte Húngaro (2003), de Sandra Kogut, Brasil, 71 min, Digital, Livre

19h – Palestra Primeira Pessoa, com o cineasta e escritor Silvio Da-Rin

26 de setembro (quarta-feira)

14h20 – Insônia (2007), de Alan Berliner, EUA, 79 min, Digital, 14 anos

16h – O Espelho de Ana (2011), de Jessica Candal, Brasil, 43 min, Digital, 16 anos + Ariel(2006), de Mauro Baptista Vedia e Claudia Jaguaribe, Brasil, 13 min, Digital, 16 anos + Babás(2010), de Consuelo Lins, Brasil, 20 min, Digital, Livre + Canoa Quebrada (2009), de Guile Martins, Brasil, 13 min, 12 anos + O chapéu do meu avô (2004), de Julia Zakia, Brasil, 28 min, Livre + Oma (2011), de Michael Wahrmann, Brasil, 22 min, 12 anos

19h – Tarnation (2004), de Jonathan Caouette, EUA, 88 min, Digital, 16 anos

27 de setembro (quinta-feira)

15h – Mataram Meu Irmão (2013), de Cristiano Burlan, Brasil, 77 min, Digital, 12 anos

16h40 – Homem Carro (2009), de Raquel Valadares, Brasil, 73 min, Digital, Livre

18h10 – O Espelho de Ana (2011), de Jessica Candal, Brasil, 43 min, Digital, 16 anos + Ariel(2006), de Mauro Baptista Vedia e Claudia Jaguaribe, Brasil, 13 min, Digital, 16 anos + Babás(2010), de Consuelo Lins, Brasil, 20 min, Digital, Livre + Canoa Quebrada (2009), de Guile Martins, Brasil, 13 min, 12 anos + O chapéu do meu avô (2004), de Julia Zakia, Brasil, 28 min, Livre + Oma (2011), de Michael Wahrmann, Brasil, 22 min, 12 anos

28 de setembro (sexta-feira)

14h30 – 33 (2002), de Kiko Goifman, Brasil, 74 min, Digital, 12 anos

16h – Insônia (2007), de Alan Berliner, EUA, 79 min, Digital, 14 anos

17h40 – Constantino (2012), de Otavio Cury, Brasil, 80 min, Digital, Livre

19h20 – Santiago (2007), de João Moreira Salles, Brasil, 80 min, 35mm, Livre

29 de setembro (sábado)

13h30 – Diários 1 e 2 (1973-1983), de David Perlov, Israel, 110 min, Digital, 14 anos

15h40 – Diários 3 e 4 (1973-1983), de David Perlov, Israel, 115 min, Digital, 14 anos

18h – Diários 5 e 6 (1973-1983), de David Perlov, Israel, 112 min, Digital, 14 anos

30 de setembro (domingo)

13h30 – Diário de Uma Busca (2011), Flavia Castro, Brasil, 107 min, Digital, 10 anos

15h40 – E Agora? Lembra-me (2014), de Joaquim Pinto, Portugal, 164 min, Digital, 18 anos

18h50 – Elena (2013), de Petra Costa, Brasil, 88 min, Digital, 12 anos

Serviço:

Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Cinema 1

Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro – Metrô e VLT: Estação Carioca.
Data: 18 e 30 de setembro de 2018 (terça-feira a domingo).
Horários: Consultar programação acima.
Informações: (21) 3980-3815
Ingressos: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia.
Bilheteria: terça-feira a domingo, das 13h às 20h
Duração: consultar programação.
Classificação indicativa: Consultar programação
Capacidade: 78 lugares (mais 3 para cadeirantes)

Acesso para pessoas com deficiência.

Todas as Notícias